Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas MERCADO S/A

A vida de volta ao normal

Alguns dos setores da Economia mais atingidos pela crise respiram agora aliviados


13/10/2021 04:00 - atualizado 13/10/2021 07:45

Sala de cinema preparada para a reabertura no Boulevard Shopping
Sala de cinema no Boulevard Shopping (foto: Leandro Couri/EM/D.A Press - 29/10/20)

Os dados são incontestáveis: menos mortes, queda das internações, taxas de transmissão mais baixas. Depois de longo sofrimento, a pandemia perdeu força e a vida, enfim, começa a voltar à normalidade. Alguns dos setores mais atingidos pela crise respiram agora aliviados. Dados da Agência Nacional do Cinema (Ancine) mostram que, entre 30 de setembro e 6 de outubro, 806 mil pessoas viram filmes nas telonas ( foto ). No mesmo período do ano passado, portanto no auge da pandemia, foram apenas 45 mil. Espera-se também a forte retomada dos shows presenciais, com diversos festivais de música já agendados até o final do ano em vários estados brasileiros. O mercado de eventos está esperançoso. De acordo com a Associação Brasileira dos Promotores de Eventos (Abrape),  plano é voltar a operar com 50% da oferta regular do segmento nos próximos três meses. Nunca é demais lembrar: tudo isso só foi possível graças à campanha de vacinação.

Avião da Gol
Retomada dos voos internacionais (foto: Reprodução da internet %u2013 22/8/16)

Companhias aéreas retomam voos internacionais


As companhias aéreas brasileiras estão de volta ao mercado internacional. Nesta semana, a Gol anunciou a retomada de destinos como Montevidéu, no Uruguai, Cancún, no México, e Punta Cana, na República Dominicana. Na Latam, a oferta de assentos para voos internacionais já equivale a 25% do período pré-pandemia, mas a expectativa é chegar a 40% até o fim do ano. A Azul registrou em setembro o aumento de 54% da demanda por viagens para fora do Brasil. E isso, ressalte-se, com o dólar nas alturas.

Plantação e colheita de soja
Avanço do agronegócio (foto: Monsanto/Divulgação %u2013 16/8/18)

Fintech quer aproveitar avanço do agronegócio


O Brasil é o principal mercado de fintechs da América Latina e um dos que mais cresce no mundo. Nesta semana, foi lançada a plataforma BR Agro Bank, criada por um grupo de produtores rurais e empresários da região Centro-Oeste. A ideia do projeto é aproveitar o crescimento do agronegócio – que prevê safra recorde de grãos em 2021/2022 – e oferecer serviços como empréstimo e seguro rural. Segundo os fundadores da startup, a meta é chegar a um milhão de contas ativas no prazo máximo de dois anos.

Quase metade dos brasileiros acessa bancos digitais


Os bancos digitais avançam na indústria financeira do país. Segundo levantamento recente realizado pelo Instituto Locomotiva em parceria com a TecBan, dona da rede Banco24Horas, 42% dos brasileiros têm contas bancárias digitais. O número surpreende. Significa que quase a metade da população realiza operações financeiras  por meio dessas empresas. Desde o surgimento do pioneiro Nubank, em 2013, o Brasil contabiliza cerca de 800 plataformas digitais de serviços financeiros.

RAPIDINHAS

• A retomada de bares e restaurantes terá papel importante para a geração de empregos. Segundo estudo da Abrasel, a associação do setor, 31% dos estabelecimentos do país pretendem contratar nos próximos três meses. Mesmo assim, a situação não é confortável. O estudo também identificou que 56% das empresas estão com pagamentos em atraso.

• O empresário David Araújo, dono de uma rede de lanchonetes em São Paulo, explica a situação. “O movimento está bom, voltou com força, e provavelmente vou contratar”, diz. “O problema é que, por causa da pandemia, tenho dívidas com fornecedores. Não será fácil equilibrar as contas.”

• A resistência dos funcionários para abrir mão do home office obrigou as empresas a flexibilizar regras. A Amazon vai deixar que as lideranças definam quantos dias os subordinados deverão passar no escritório por semana. Antes, a ideia era que todos os colaboradores voltassem à velha rotina a partir de 3 de janeiro.

• No Brasil, o home office será adotado pela maioria das empresas, mas no formato híbrido. Segundo pesquisa da consultoria KPMG, 58% das companhias têm a intenção de manter o trabalho remoto duas ou três vezes por semana, enquanto 11% permitirão a jornada a distância todos os dias. Só 15% dos pesquisados não querem o home office de jeito nenhum.

1,3 milhão

é o número de funcionários da Amazon no mundo, ou quase a população inteira de uma cidade como Porto Alegre


“O Brasil é a maior fronteira de investimentos do mundo”
• Paulo Guedes, ministro da Economia e eterno otimista, em entrevista para a CNN Internacional

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade