Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas MERCADO S/A

Sem agenda positiva de medidas contra a crise, economia afunda

A realidade é que a economia brasileira vai mal. O PIB não anda, o desemprego segue nas alturas, a inflação sobe e os investimentos sumiram


07/10/2021 04:00 - atualizado 07/10/2021 00:17

A combinação de preços em elevação e juros altos comprometeu as vendas do comércio em agosto
Aumentos persistentes dos preços se juntam à elevação das taxa de juros, que é danosa ao crescimento da economia (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press - 21/6/21 )

A inflação em franco crescimento e o crédito mais caro fizeram desabar as vendas do comércio em agosto. Elas caíram 3,1% em relação a julho, resultado bem pior do que a expectativa do mercado, que havia estimado um avanço de 0,6%. Não há um dia sem susto. No início da semana, veio a informação sobre a produção industrial: ela encolheu 0,7% na mesma base comparativa. Por mais que alguns analistas prefiram ignorar os fatos, a indisfarçável realidade é que a economia brasileira vai mal. O PIB não anda, o desemprego segue nas alturas, os investimentos sumiram, a bolsa desabou, o dólar encareceu. Quem poderia estar satisfeito com um cenário desses? Num país assim, todos perdem – empresas e trabalhadores, ricos e pobres, e até os políticos que pouco fazem para mudar a situação. O Brasil precisa de uma agenda positiva para combater a paralisia generalizada, mas não se vê nada nesse sentido. Enquanto isso, a economia afunda.

Nas ferrovias, Brasil perde até para a Argentina

O Marco Legal das Ferrovias, aprovado no Senado e agora para análise da Câmara, é vital para melhorar as operações logísticas e reduzir o custo do transporte em diversos ramos econômicos. A malha ferroviária (foto) brasileira estende-se por 30 mil quilômetros. Não é nada diante da dimensão territorial do país. Na Argentina, nação que tem uma área que equivale a um terço do Brasil, são 37 mil quilômetros. Nos Estados Unidos, 293 mil. Números como esses reforçam a urgência de investimentos no setor.

Empresa britânica atraída por marco do saneamento

Na área de saneamento, o novo marco regulatório desperta o interesse de investidores internacionais. Principal empresa do setor de água e esgoto do Reino Unido, a British Water assinou nesta semana um memorando de cooperação técnica com o Ministério do Desenvolvimento Regional. Segundo a empresa, a iniciativa deverá resultar em aportes no mercado brasileiro. Até o momento, os cinco leilões para a concessão de serviços de saneamento básico ao setor privado movimentaram R$ 63 bilhões.

Empresas de capital aberto não têm mulheres na alta direção 

Levantamento realizado pela B3, a bolsa brasileira, revela como a inclusão de gênero é uma falácia no mundo corporativo. Segundo o estudo, 61% das 408 companhias de capital aberto do país não contam com uma única mulher na alta direção e 45% nem sequer têm participação feminina no Conselho de Administração. Mesmo entre as companhias mais diversas, a presença delas é pequena: 25% têm somente uma mulher no quadro diretivo e 6% empregam três ou mais. Como se vê, o caminho para a inclusão é longo.

5,6%

foi quanto cresceu a produção de veículos entre agosto e setembro, segundo dados da Anfavea, a associação que representa as montadoras. Em relação a setembro de 2020, porém, a queda chegou a 21%

RAPIDINHAS

  • As companhias aéreas Gol, Latam Brasil, Voepass e Itapemirim tornaram obrigatória a vacinação contra a COVID-19 de todos os seus funcionários. Em caso de recusa, o profissional poderá ser demitido. Segundo a Abear, entidade que reúne as empresas, a decisão protege colaboradores e passageiros.

  • O Shopping Del Rey, do grupo brMalls, celebra 30 anos em outubro na contramão do mercado. Localizado em Belo Horizonte, o empreendimento alcançou 96% de taxa de ocupação de lojas e a renovação de 30% de suas operações – acima dos índices registrados em tempos de pandemia. O desempenho é resultado de investimentos em produtos digitais e reposicionamento do mix.

  • O grupo chinês Qianjiang, um dos maiores fabricantes de motos do país asiático, quer montar operação no Brasil. Para encurtar caminhos, a ideia é se associar a alguma empresa já instalada no mercado brasileiro. Na China, a Qianjiang mantém parceria com a icônica marca Harley-Davidson.

  • As incertezas trazidas pela pandemia impulsionam o setor de seguros. Em julho, as empresas arrecadaram R$ 12,4 bilhões, o que corresponde a alta de 9% em relação a igual mês de 2020 e ao maior avanço em 7 anos. Os dados da plataforma de análises IRB%2bInteligência mostram também que, no acumulado de 2021, o crescimento chegou a 15%.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade