Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas MERCADO S/A

Abraçados a Bolsonaro com pouco apreço pela democracia

Parte dos representantes do mercado financeiro demonstrou euforia com os atos dos apoiadores do presidente, a despeito do fracasso do governo na economia


08/09/2021 04:00 - atualizado 08/09/2021 07:16

Na Avenida Paulista, apoiadores do governo pediram destituição de ministros do Supremo, enquanto a bolsa de valores brasileira tem um dos piores desempenhos do mundo
Na Avenida Paulista, apoiadores do governo pediram destituição de ministros do Supremo, enquanto a bolsa de valores brasileira tem um dos piores desempenhos do mundo (foto: Miguel Schincariol/ AF)

Boa parte do mercado financeiro continua de braços dados com Bolsonaro. Heloísa Cruz, gestora do clube de investimentos Stoxos e uma das vozes mais ativas do setor, participou das manifestações contra o STF na Avenida Paulista, em São Paulo (foto), e publicou fotos nas redes sociais com um cartaz onde se lê “Todo poder emana do povo”.

Rafael Ferri, um dos fundadores da plataforma de investimentos TC (ex-Traders Club), ficou eufórico com os atos de 7 de Setembro, não se contendo de tanta alegria. Na Fintwit, como é chamada a comunidade do mercado financeiro no Twitter, o apoio a Bolsonaro, que parecia relutante, voltou a aparecer nas últimas horas.

O que explica o encantamento? O governo fracassou na condução econômica do país e, não à toa, a bolsa brasileira está entre as de pior desempenho do mundo em 2021. Essa turma gosta de perder dinheiro? Claro que não. Há quem diga que o motivo da admiração incondicional é o pouco apreço que alguns representantes do mercado financeiro têm pela democracia.

Empresas estrangeiras temem ruptura

Alguns funcionários de subsidiárias e filiais brasileiras de grupos internacionais relatam o aumento da preocupação das matrizes com os rumos da política no país. Segundo o diretor de Marketing de uma gigante da área de alimentos, seus chefes no exterior querem saber se há risco de ruptura institucional. “A instabilidade é péssima e afeta até os planos de investimentos das companhias”, diz o executivo. Ninguém, afinal, quer colocar dinheiro onde não se respeitam as regras democráticas.

Programa Casa Verde e Amarela perde força

O mercado imobiliário brasileiro está mudando. Com a alta dos preços, o segmento popular perde força. No primeiro trimestre, a participação do programa Casa Verde e Amarela no total dos negócios era de 55%. No segundo trimestre, o índice caiu para 49%. Até o final do ano, estima-se que o índice poderá chegar a 40%. Não custa lembrar que o programa chegou a responder por 75% do mercado brasileiro. Segundo os empresários do setor, as oportunidades agora estão nos produtos para a classe média.
 

O que o país precisa agora é de estabilidade econômica, fiscal e institucional

Henrique Meirelles, ex-presidente do Banco Central, ex-ministro da Fazenda e atual secretário de Fazenda e Planejamento de São Paulo

 

Aéreas decolam com avanço da vacinação

A Latam, empresa brasileira com o maior número de rotas internacionais, aumentará a frequência de viagens para Madri e Paris de três para quatro voos semanais a partir de outubro. Com o avanço das campanhas de vacinação e o turismo em alta, as companhias aéreas ampliam as operações. O mercado doméstico também se recupera. Em julho, a demanda por voos aumentou 42% em relação a junho, segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Espera-se aumento expressivo da demanda para as viagens de fim de ano.

R$ 4 bilhões

é quanto Tim Cook, presidente da Apple, recebeu em bônus por cumprir metas no comando da empresa. Sob a sua liderança, a Apple passou a ser a maior empresa do mundo em valor de mercado

RAPIDINHAS

  • Pesquisa realizada pela Ipsos a pedido do Airbnb constatou que 75% dos entrevistados consideram o meio ambiente e a sustentabilidade como aspectos importantes ao escolher acomodações e destinos. No Airbnb, as reservas no Brasil já superam os níveis pré-pandemia, com a predominância de viagens para destinos a até 500 quilômetros dos centros urbanos.

  • A telemedicina se tornou realidade no Brasil. Na operadora de saúde Amil, que tem 3,4 milhões de clientes, uma de cada cinco consultas realizadas na rede própria se dá por esse sistema. À medida que a tecnologia avança, a tendência é de que a participação aumente ainda mais.

  • A eletricidade avança na indústria automotiva. Nesta semana, a sul-coreana Hyundai anunciou o plano para oferecer versões elétricas de todos os seus veículos comerciais até 2028. Segundo a empresa, a ideia é desenvolver automóveis com células de combustível a hidrogênio e elétricos movidos a bateria. Modelos desse tipo ajudam a reduzir as emissões de carbono.

  • A agência de viagens Stella Barros contratou quatro ex-jogadores da Seleção Brasileira para promover a venda de pacotes para a Copa do Mundo do Catar, em 2022. Juan, Luizão, Ricardo Rocha e Roberto Dinamite vão narrar a emoção de representar o país. A empresa tem alta expectativa para o evento.


*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade