Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas MERCADO S/A

Convocação para atos em 7 de setembro preocupa empresários

O presidente deveria chamar o setor produtivo para discutir pautas de interesse do país, e não conclamar seus seguidores para agitar as ruas


31/08/2021 04:00 - atualizado 31/08/2021 07:27

Empresários querem discutir agenda sobre inovação, enquanto Bolsonaro antecipa campanha(foto: Facebook/reprodução)
Empresários querem discutir agenda sobre inovação, enquanto Bolsonaro antecipa campanha (foto: Facebook/reprodução)
 
Os empresários estão preocupados com a convocação paras atos em 7 de Setembro. “O presidente da República deveria estar chamando o setor produtivo para discutir pautas de interesse do país, e não conclamar seus seguidores para agitar as ruas”, diz o CEO de uma empresa que recentemente captou milhões de reais de fundos de investimentos. “Tenho conversado com gestores internacionais de recursos e todos estão atentos à instabilidade política do país. Isso não é bom para ninguém, mas posso garantir que é pior ainda para os negócios.”
 
O executivo afirma que a interlocução com o governo tem piorado. “Temos interesse em discutir uma agenda de inovação, mas parece que tudo está contaminado pela pauta ideológica. Ninguém quer saber de pensar soluções para o Brasil.” Como se vê, a insatisfação do empresariado é crescente, algo também visível no mercado financeiro. O pior é que a temperatura política tende a aumentar em 2022, ano de eleição.

Rayssa Leal é a nova estrela da publicidade

(foto: Lionel Bonaventure/ AFP %u2013 26/7/21)
(foto: Lionel Bonaventure/ AFP %u2013 26/7/21)

A skatista Rayssa Leal (foto), medalha de prata nos Jogos Olímpicos de Tóquio, 
se tornou a nova estrela do mercado publicitário brasileiro. Nos últimos dias, ela assinou contrato com a rede de clínicas odontológicas OdontoCompany para ser embaixadora da empresa. Antes das disputas no Japão, Rayssa já era patrocinada por marcas como MRV e Nike. Depois de subir ao pódio, passou a fazer campanhas para a Brasilprev, do Banco do Brasil, e para a plataforma de streaming HBO Max.
 

(foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press %u2013 4/9/20)
(foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press %u2013 4/9/20)

37%
dos bares e restaurantes brasileiros encerraram o mês de julho com prejuízo, segundo pesquisa da Abrasel, a associação do setor.

Retomada do turismo perde força

O turismo vive clara retomada, mas a velocidade de recuperação começa a perder fôlego. Segundo especialistas, isso pode ser reflexo da inflação, que reduziu o poder de compra da classe média. Nas agências de viagens, a procura por pacotes já foi maior. A tradicional pesquisa IPC Maps mostra que o turismo brasileiro deverá movimentar R$ 60,6 bilhões em 2021, acima dos R$ 53,7 bilhões de 2020. É um bom resultado, mas abaixo do período pré-pandemia. Em 2019, o setor faturou R$ 71,6 bilhões.
 

Nubank acelera sua máquina de compras

O banco digital Nubank deu continuidade à sua política agressiva de aquisições. Desta vez, fechou negócio com a plataforma de pagamentos instantâneos Spin Pay, marcando assim a entrada no promissor universo do e-commerce. O valor da transação não foi revelado. Nos últimos meses, o Nubank comprou a empresa de tecnologia Juntos, a plataforma de investimentos Easynvest e as consultorias Cognitect e Plataformatec. O próximo passo é abrir o capital na bolsa americana Nasdaq.
 
 
(foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil %u2013 27/2/20)
(foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil %u2013 27/2/20)
 

'Uma agenda de reformas é muito importante para os próximos anos. Agora, porém, o cumprimento do teto de gastos já traria um ambiente muito melhor'

Mansueto Almeida, economista-chefe do BTG Pactual e ex-secretário do Tesouro Nacional

 

RAPIDINHAS

  • A Fifa divulgou estudo sobre o mercado de transferências internacionais de jogadores nos últimos 10 anos. De 2011 a 2020, foram realizadas 133.225 negociações, entre vendas e empréstimos, envolvendo 66.789 atletas e 8.264 clubes. 
  • As operações movimentaram US$ 48,5 bilhões (equivalentes a R$ 252,2 bilhões pela cotação atual).
  • » O Brasil, como não poderia deixar de ser, lidera com folga o ranking de transferências para o exterior. No período de 10 anos, 15.128 atletas do país trocaram os clubes nacionais por estrangeiros. A Argentina é a segunda colocada (7.444 jogadores), à frente do Reino Unido (5.523). Em valores, os brasileiros geraram US$ 7,1 bilhões.
  • O crédito está em alta no país. De acordo com o Índice Neurotech, que mede mensalmente as solicitações de empréstimos no mercado, a busca por financiamentos cresceu 9% em julho em comparação com junho – foi o terceiro avanço consecutivo. Nos últimos 12 meses, o saldo está positivo em 14%.
  • Enquanto os políticos teimam em incendiar o país, os investidores sofrem. Depois do desempenho negativo dos últimos dias, a bolsa de valores iniciou mais uma semana em queda. Com as turbulências em Brasília, o Ibovespa caiu ontem 0,78%. Enquanto isso, as bolsas americanas renovaram as suas máximas históricas.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade