Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas MERCADO S/A

Gasto com energia alcança 40% do custo da produção industrial

Os reajustes causam estragos principalmente na siderurgia, mineração e saneamento, maiores consumidores, mas toda a economia sofre


27/08/2021 04:00 - atualizado 27/08/2021 07:14

Associação Brasileira do Alumínio defende estímulo e compensação à redução do consumo voluntário e programado para residências e o setor industrial (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press - 4/2/20)
Associação Brasileira do Alumínio defende estímulo e compensação à redução do consumo voluntário e programado para residências e o setor industrial (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press - 4/2/20)
O aumento do custo da energia parece não preocupar o ministro Paulo Guedes. “Qual o problema que a energia vai ficar um pouco mais cara porque choveu menos?”, perguntou o chefe da pasta da Economia durante o lançamento da Frente Parlamentar do Empreendedorismo. Na verdade, são muitos os problemas. Em alguns setores da indústria, os gastos com energia elétrica representam 40% dos custos de produção. Se os custos aumentam, as margens das empresas diminuem, e o consumidor paga a conta. Os reajustes da eletricidade causam estragos principalmente na siderurgia, mineração e saneamento, os maiores consumidores de energia do Brasil, mas toda a economia sofre. “Estamos acompanhando a situação hídrica e entendemos como necessária a movimentação do governo”, diz Janaina Donas, presidente-executiva da Associação Brasileira do Alumínio (Abal). “É preciso avançar também na adoção de medidas de estímulo e compensação à redução do consumo voluntário e programado, principalmente para o setor industrial.”

Agro quer mostrar suas virtudes ambientais

Jovens lideranças do agronegócio estudam lançar antes do final do ano uma campanha de publicidade nacional para destacar a agenda ambiental do setor. A ideia é dizer que o agro brasileiro não apenas alimenta o mundo, mas que está cada vez mais comprometido com a preservação do planeta. Muita gente associa a produção rural à devastação da natureza – a imagem negativa foi reforçada durante o governo Jair Bolsonaro, especialmente na gestão do ex-ministro Ricardo Salles, do Meio Ambiente.
 

O consumo de boa parte dos produtos caiu bastante. Essa queda fez com que muita indústria se desarticulasse. Quando todo mundo quis retomar a produção e procurou insumos, esses insumos não estavam disponíveis. Isso fez com que os preços disparassem

Juliana Inhasz, coordenadora do curso de graduação em economia do Instituto de Ensino e Pesquisa (Insper), sobre a disparada da inflação

 

Wizard sai de cena e se distancia de questões políticas

Por onde anda o empresário bolsonarista Carlos Wizard (foto), dono da rede de produtos naturais Mundo Verde, dos restaurantes Taco Bell, Pizza Hut e KFC no Brasil, e das marcas esportivas Topper e Rainha? Aconselhado por advogados, ele resolveu sair de cena depois de seu depoimento à CPI da Covid. A ordem é evitar qualquer associação com temáticas políticas. Wizard é aquele que, no auge da crise do novo coronavirus, defendeu ideias como a recontagem de mortes na pandemia.

Ações em queda e investigações do MP ameaçam e-commerce Enjoei

Desde fevereiro, as ações negociadas em bolsa do e-commerce de artigos novos e usados Enjoei caíram de cerca de R$ 20 para R$ 7. A queda tem razão de ser: os investidores estão preocupados com os produtos de origem duvidosa vendidos pelo brechó on-line. A desconfiança deverá aumentar. Nesta semana, o Ministério Público de São Paulo abriu inquérito civil para investigar o Enjoei pela suposta venda de itens falsificados. No segundo trimestre de 2021, a empresa teve prejuízo de R$ 30 milhões.

US$ 75 bilhões

é a quanto poderá chegar o valuation do  banco digital Nubank em seu IPO (Operta Pública de Ações, em português) na bolsa americana Nasdaq. É mais do que o valor de mercado do Itaú (cerca de US$ 55 bilhões), maior banco da América Latina

RAPIDINHAS

  • A inovação está cada vez mais presente no universo corporativo brasileiro, mas não apenas entre as grandes empresas. Segundo o Instituto Nacional da Propriedade Industrial (Inpi), os pequenos negócios aumentaram em 75% os pedidos de registro de marcas no primeiro semestre de 2021 em relação ao mesmo período do ano passado.

  • O Aeroporto Internacional de Viracopos, localizado em Campinas (SP) e um dos mais importantes do país, quebrou novo recorde de movimentação de cargas. Nos sete primeiros meses de 2021, o volume transportado cresceu 52% frente igual intervalo de 2020. É o melhor resultado desde o início da concessão do aeroporto, em 2013.

  • Não está fácil a vida dos motoristas de aplicativos. Eles não reclamam apenas do aumento do combustível, mas também da nova política das empresas. Até pouco tempo atrás, dizem os condutores, a Uber tinha uma taxa fixa de 25% de desconto no valor das corridas. Agora, o percentual é variável, podendo chegar a 48% em determinados casos.

  • A rede mineira de atacarejo Mart Minas inaugurou seis lojas em 2021 e pretende abrir outras cinco até o final do ano. O bom desempenho da empresa, com faturamento anual de R$ 4,6 bilhões, chamou a atenção dos líderes do setor. Segundo fontes do mercado, Carrefour e Assaí estão de olho nos ativos da concorrente. 

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade