Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas Mercado S/A

Brasil fica perto da lanterna em ranking mundial de competitividade

Nos quesitos "finanças públicas" e "educação", o Brasil é o último colocado. Seu melhor desempenho se deu na categoria "economia doméstica"


18/06/2021 04:00 - atualizado 21/06/2021 07:49

A burocracia com seus intermináveis pilhas de documentos é um dos fatores que pesam na competitividade do Brasil(foto: Mariann Szoke/Pixabay)
A burocracia com seus intermináveis pilhas de documentos é um dos fatores que pesam na competitividade do Brasil (foto: Mariann Szoke/Pixabay)
Mais uma vez, o Brasil decepciona no ranking global da competitividade medido pela escola suíça de negócios IMD. Em 2020, segundo o anuário IMD World Competitiveness Center, o país ficou no 57º lugar entre 64 países – ou seja, está perto da lanterna.

Não é só: depois de quatro anos seguidos de avanços, caiu uma posição em relação a 2019. A lista é liderada por Suíça, Suécia e Dinamarca, enquanto Holanda, Singapura, Noruega, Hong Kong, Taiwan, Emirados Árabes Unidos e Estados Unidos formam o top ten.

Alguns indicadores chamam a atenção. Nos quesitos “finanças públicas” e “educação”, o Brasil é o último colocado. Seu melhor desempenho se deu na categoria “economia doméstica”, com o 36º lugar, o que reflete o vigor da iniciativa privada.

De todo modo, não há nada a comemorar. A promessa do governo de instalar uma genuína agenda liberal não vingou, e isso se reflete em rankings desse tipo. Entre os vizinhos sul-americanos, Chile (44º lugar) e Colômbia (54º) aparecem à frente do Brasil.

O futuro incerto dos restaurantes por quilo

Os restaurantes por quilo, tradicionais nas grandes cidades brasileiras, correm sério risco de desaparecer. Segundo estimativa da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes, 80 mil estabelecimentos que funcionam no modelo self-service fecharam durante a pandemia. É quase a metade do número total de restaurantes desse tipo no país. Os novos protocolos sanitários, associados ao avanço do home office – para que comer fora se o profissional está em casa? – colocam em xeque o modelo de negócio.

 

''Não sou empresário, sou empreendedor''

João Appolinário, fundador da varejista Polishop



Petz acelera plano de expansão

O mercado pet passou ileso pela crise e agora se prepara para um novo ciclo de expansão. Maior rede de produtos para animais do país, a Petz (foto) inaugura neste fim de semana, em Manaus (AM), a sua 11ª loja em 2021. Com isso, serão 143 endereços no país e presença em 17 estados. As grandes marcas, de fato, têm campo para avançar. O setor é bastante pulverizado, o que deve estimular as líderes a fazer aquisições. A Petz tem só 6% do mercado brasileiro. Em segundo lugar, a Cobasi aparece com 5%.

Adidas pretende que 90% de seus produtos sejam sustentáveis

A alemã Adidas, segunda maior fabricante de material esportivo do mundo, quer ampliar as ações ambientais. E por uma razão: não perder a conexão com os consumidores. “O escrutínio sobre as empresas é muito maior hoje”, disse o presidente da companhia, Kasper Rorsted, em entrevista ao canal CNBC. “A mídia social está trazendo transparência e também um fluxo de notícias que nunca existiu”. A meta da empresa é que, até 2025, nove em cada 10 produtos saídos de suas fábricas sejam sustentáveis.

RAPIDINHAS


  • E os ataques cibernéticos continuam. Nesta semana, 1 bilhão de dados de clientes do chinês Alibaba, segundo maior comércio eletrônico do mundo, foram roubados. A lista de vazamentos inclui nome, endereço, número de telefone e até informações bancárias. Os crimes digitais cresceram na pandemia e são uma ameaça cada vez mais real.

  • A rede varejista Pernambucanas fechou parceria com a Amazon para a venda de seus produtos no site da gigante de comércio eletrônico. Poucas empresas de moda têm se saído tão bem na área digital. Em 2020, o faturamento do e-commerce da Pernambucanas disparou 1.081% na comparação com o ano anterior.

  • A cerveja Stella Artois, da Ambev, fará uma experiência curiosa: a abertura de um restaurante temporário em São Paulo, com previsão de funcionamento por 30 dias. Chamado Portinho Artoin, ele será comandado pela chef Ieda de Matos, vencedora do reality show “Fora da rota”. Se o público responder bem, o projeto pode ganhar sobrevida.

  • Em tempos de recursos escassos na área esportiva, chama a atenção uma iniciativa da Allianz. A seguradora patrocinará cinco atletas até maio de 2022: Ana Marcela Cunha (maratona aquática), Bruno Fratus (natação), Cristiane Rozeira (futebol), Jéssica Messali (triatlo paralímpico) e Vinícius Rodrigues (atletismo paralímpico).

US$ 35 bilhões

é quanto a GM investirá em carros elétricos e automáticos até 2025. No Brasil, a montadora vende o modelo 100% elétrico Chevrolet Bolt


*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade