Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas MERCADO S/A

Companhias aéreas prometem voos para os EUA por cerca de R$ 2,5 mil

Os voos começarão a operar no fim de junho. Se a demanda for alta - e a expectativa, claro, é que seja-,, novas frequências semanais poderão ser adicionadas


12/05/2021 04:00 - atualizado 12/05/2021 07:25

Eastern Airlines voará na rota Brasil/Estados Unidos com o Boeing 767-300ER, com 236 assentos em duas classes: econômica e econômica premium(foto: Joe Raedle/Getty Images/AFP 03/4/20)
Eastern Airlines voará na rota Brasil/Estados Unidos com o Boeing 767-300ER, com 236 assentos em duas classes: econômica e econômica premium (foto: Joe Raedle/Getty Images/AFP 03/4/20)

A companhia aérea americana Eastern Airlines, referência entre as empresas low-cost, definiu uma estratégia agressiva para o mercado brasileiro. A ideia é oferecer preços bem abaixo da média do mercado.

Serão três destinos operados a partir de sua base no Aeroporto Internacional de Belo Horizonte, com preços em torno de US$ 480 (aproximadamente R$ 2,5 mil): Boston, Miami e Nova York, cidades que tradicionalmente recebem grande fluxo de brasileiros. Segundo a empresa, os voos começarão a operar no fim de junho.

Se a demanda for alta – e a expectativa, claro, é que seja –, novas frequências semanais poderão ser adicionadas para lugares como São Francisco e Los Angeles. A Eastern (foto) voará com o Boeing 767-300ER, dotado de 236 assentos dispostos em duas classes (econômica e econômica premium). Com o avanço da vacinação no Brasil, o setor aéreo prevê forte retomada dos negócios a partir do segundo semestre.

Canabrava é impedida de vender combustíveis

A Secretaria da Fazenda do Rio de Janeiro abriu processo de cassação da inscrição estadual da Álcool Química Canabrava, que está sediada no município de Campos dos Goitacazes. Entre as alegações está a prática de fraude fiscal. Com a decisão, a empresa está impedida de emitir notas fiscais e vender combustíveis. A Canabrava deve ao Fisco fluminense R$ 206,4 milhões e vende etanol no Rio através da distribuidora Paranapanema. No primeiro trimestre, sua participação de mercado chegou a 31%.
 
 

Poderíamos, assim como outros governos, estar abrindo concursos públicos, colocando gente para dentro, para aparelharmos o Estado e termos bastante militantes trabalhando para nós no futuro. Não estamos pensando assim, estamos pensando nas gerações futuras

Paulo Guedes, ministro da Economia

 


Sem Parar amplia parceria com Habib’s

O Sem Parar, líder no país em meios de pagamento automáticos, aproveita as mudanças de hábitos para ampliar as frentes de negócios. A empresa ampliará a rede credenciada de drive-thrus dos restaurantes Habib’s e Ragazzo que aceitam o sistema de pagamento. Serão 66 endereços em oito estados, além do Distrito Federal. No primeiro trimestre, outros 30 restaurantes aderiram à modalidade. Na pandemia, os sistemas de contactless (pagamento sem contato) podem evitar a contaminação.

Crédito imobiliário explode na pandemia

O mercado imobiliário não sabe o que é crise. No primeiro trimestre, o volume de financiamentos disparou 113% em relação ao mesmo período do ano passado, segundo dados da Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip). Os números surpreenderam o mercado e são ainda mais impactantes considerando que o crédito já havido crescido 57,5% em 2020. De acordo com especialistas, a redução de juros é o principal fator para o aumento explosivo da demanda.

25%

é quanto deverá crescer o número de fusões e aquisições em 2021, segundo projeção da consultoria Alvarez & Marsal. O número expressa o apetite das empresas por novos negócios

RAPIDINHAS


  • A crise obrigou muitas empresas a se reinventar. A rede de comida saudável Kiwi SuperFoods lançou o que chama de biomercado. “Ele faz parte de nossa estratégia de sobrevivência”, diz o fundador Dimitri Oliveira. “Os restaurantes ficaram fechados, mas os mercados funcionaram. Remodelamos o negócio para aproveitar a oportunidade.”

  • O empresário diz que o biomercado será agregado aos restaurantes, oferecendo itens como carnes orgânicas e cervejas sem glúten. A empresa quer aproveitar a explosão do mercado de produtos naturais, que deixou de ser modismo para se tornar tendência consolidada. Segundo Oliveira, a meta é abrir 20 unidades em dois anos.

  • A empresa de bioenergia Atvos encerrou a safra 2020/2021 como a principal emissora de créditos de descarbonização dentro do programa Renovabio. Segunda maior produtora de etanol do Brasil, a Atvos ofereceu para comercialização um total de 2,4 milhões de Cbios, como são chamados os títulos de descarbonização.

  • Em 2020, com 1,8 milhão de títulos negociados, a Atvos foi responsável por 12% dos 14,5 milhões de Cbios que foram estabelecidos como metas de descarbonização. “Temos potencial para contribuir com cerca de 10% do volume total dos créditos de descarbonização definidos como objetivo em 2021”, diz o vice-presidente Marcelo Mancini.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade