Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas MERCADO S/A

O exemplo dos Estados Unidos, que vacina em massa e vê economia crescer

No primeiro trimestre de 2021, o PIB americano cresceu, a taxas anualizadas, 6,4% na comparação com o trimestre anterior


30/04/2021 04:00 - atualizado 30/04/2021 07:49

O presidente Joe Biden também deu valiosas lições, como o exemplo de estabilidade política e o diálogo com todos os setores da sociedade. (foto: Melina Mara/AFP/Pool)
O presidente Joe Biden também deu valiosas lições, como o exemplo de estabilidade política e o diálogo com todos os setores da sociedade. (foto: Melina Mara/AFP/Pool)

Os detratores das vacinas, os negacionistas do vírus e os que refutaram as medidas de controle da pandemia – como as restrições de circulação – deveriam prestar atenção nos números que chegam dos Estados Unidos. No primeiro trimestre de 2021, o PIB americano cresceu, a taxas anualizadas, 6,4% na comparação com o trimestre anterior. O resultado veio acima das estimativas do mercado, que havia projetado um salto de 6,1% – isso, ressalte-se, já teria sido ótimo.

Dois fatores foram decisivos para o forte resultado: o ritmo intenso da vacinação e a avalanche de estímulos econômicos. É tudo o que o Brasil não fez. Além de não investir na imunização em massa, desprezando até mesmo a compra de vacinas, o governo titubeou nas medidas de socorro a empresas e trabalhadores, além de demorar para liberar recursos aos mais necessitados. O presidente Joe Biden  também deu valiosas lições, como o exemplo de estabilidade política e o diálogo com todos os setores da sociedade.

"Os Estados Unidos certamente sairão muito fortes da crise do coronavírus"

Tim Cook, presidente da Apple



Hotéis investiram R$ 6 bilhões na pandemia


O setor hoteleiro foi um dos mais atingidos pela crise do coronavírus, mas é interessante notar que a confiança no país manteve-se em alta. Segundo dados do Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil (FOHB), as empresas do setor investiram R$ 6 bilhões durante a pandemia. Além disso, há atualmente 147 hotéis urbanos em construção no Brasil. “Enquanto a receita de hospedagem caiu, a redução relacionada a investimentos foi bem menor”, diz Pedro Cypriano, sócio da consultoria HotelInvest.


Sony prioriza mercado de videogames


A japonesa Sony confirmou que se prepara para iniciar o maior ciclo de investimentos de sua história na área de videogames. Serão desembolsados US$ 183 milhões (quase R$ 1 bilhão) por ano para desenvolver novos jogos,  inclusive versões mais sofisticadas do PlayStation. O setor, que já crescia em ritmo veloz há pelo menos uma década, acelerou ainda mais durante a pandemia. Segundo estudo recente da Visa, o mercado de games avançou 140% em 2020 na comparação com 2019.

Geração de emprego dispara na construção civil


O Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) traz alguns recortes interessantes. Talvez o mais expressivo diga respeito à construção civil. No primeiro trimestre no ano, o setor gerou 112 mil empregos, 166% acima do registrado no mesmo período de 2020, quando a pandemia do coronavírus ainda não havia se espalhado pelo Brasil. Com a expectativa de retomada econômica, especialistas afirmam que a construção deverá continuar colhendo bons resultados em 2021.


Rapidinhas

  • A indústria naval brasileira viu a sua força de trabalho encolher nos últimos 7 anos. Em 2014, o setor empregava 82 mil pessoas. Atualmente, são 15 mil. Segundo o Sindicato Nacional da Indústria da Construção Naval, a Petrobras é a maior culpada: a estatal deixou de encomendar embarcações brasileiras para trocá-las por asiáticas.

  • As grandes empresas de tecnologia não param de colecionar ótimos resultados financeiros. Na Amazon, o crescimento explosivo levará a empresa a tomar uma medida inédita: aumentar, numa só tacada, o salário de 500 mil funcionários. A companhia, que emprega 1,3 milhão de pessoas, fará isso para não perder colaboradores.

  • O Brasil está cada vez mais isolado. Nesta semana, a companhia aérea chinesa China Southern fechou as portas a passageiros vindos do território brasileiro para “atender as necessidades de controle da pandemia da COVID-19.” Recentemente, a Air China estendeu a suspensão de voos entre São Paulo e Pequim, com conexão em Madrid, até 30 de junho.

  • A forte retomada das economias dos Estados Unidos e China, as duas maiores do mundo, traz novos ares para o setor aéreo. Tanto é assim que a Airbus aumentará a produção de aviões de corredor único para atender ao esperado aumento da demanda. O número passará de 40 para 45 aeronaves fabricadas por mês.


US$ 1 bilhão

é quanto o Google economizará em um ano com parte de seus funcionários trabalhando em casa. O número por si só explica por que o home office será cada vez mais adotado pelas empresas



*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade