Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas Mercado S/A

Montadoras avaliam retomada lenta para o setor automotivo

A falta de componentes eletrônicos, fenômeno que tem afetado a produção em diversas partes do mundo, deverá ser superada apenas no segundo semestre


13/04/2021 04:00 - atualizado 13/04/2021 07:07

Concessionárias de veículos: vendas do setor devem registrar crescimento de 15% neste ano nas contas da Anfavea(foto: Ford/Divulgação - 7/5/20)
Concessionárias de veículos: vendas do setor devem registrar crescimento de 15% neste ano nas contas da Anfavea (foto: Ford/Divulgação - 7/5/20)

A retomada do setor automotivo levará meses. Pelo menos é isso o que pensa Luis Carlos Moraes, presente da Anfavea, a associação que representa as montadoras. Em evento on-line promovido pela Ordem dos Economistas do Brasil, o executivo afirmou que a falta de componentes eletrônicos, fenômeno que tem afetado a produção em diversas partes do mundo, deverá ser superada apenas no segundo semestre.

O atraso nas entregas, associado aos efeitos da pandemia (como cancelamento de voos e lockdowns) prejudicou toda a cadeia logística global, e levará tempo até que tudo seja normalizado. O diagnóstico do executivo é preocupante. “Com a crise em 2020, o setor parou”, disse Morares.

“E houve pressão muito forte no capital de giro das montadoras, já que o ritmo da produção foi reduzido, mas os compromissos financeiros continuaram em andamento.” Em 2021, projeta-se aumento de 15% das vendas, número baixo considerando-se as perdas dos últimos dois anos.

58,3%

Foi o aumento do número de pedidos de falência em março na comparação com o mesmo mês do ano passado. A pesquisa é da Serasa Experian

Brasil cai em ranking de felicidade

A crença popular diz que o Brasil é uma das nações mais felizes do planeta. Uma pesquisa do Gallup, porém, mostra que essa percepção é equivocada – pelo menos hoje em dia, com a tragédia do coronavírus e as crises na política e na economia pairando sobre o país. O Brasil aparece em 41º lugar no ranking global de felicidade. Antes da pandemia, era o 29º. A lista é liderada pela Finlândia, seguida por Islândia e Dinamarca. Na América do Sul, o melhor colocado é o Uruguai (30ª posição).

Pandemia dificulta transferência de expatriados

A imagem do Brasil no exterior está deteriorada. Profissionais que seriam transferidos para trabalhar em outros países tiveram a mudança adiada ou, em alguns casos, cancelada. “Fui promovido em novembro do ano passado e estava tudo certo para que assumisse um novo posto em Utah, nos Estados Unidos, em janeiro”, diz um executivo da área de recursos humanos. “Com os números da pandemia, notei que meus chefes americanos ficaram incomodados em trazer um brasileiro. Agora, nem sei mais se vou.”

"O principal risco para a nossa economia agora é o coronavírus se espalhar de novo. Vai ser inteligente se as pessoas continuarem a manter o distanciamento social e o uso de máscaras"

Jerome Powell, presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central americano)

Intelbras compra concorrente por R$ 90 milhões

O mercado de segurança eletrônica segue movimentado. Depois de crescer 13% em 2020, a expectativa é avançar acima de dois dígitos em 2021. Os negócios não param. Ontem, a indústria catarinense Intelbras anunciou a compra de 75% da concorrente Khomp por R$ 90 milhões. Trata-se da maior aquisição da história da empresa, fundada há 45 anos e que estreou na bolsa brasileira há apenas dois meses. Novos investimentos estão no radar da companhia, que levantou R$ 1,3 bilhão com sua oferta de ações.

Rapidinhas 

Uma pesquisa feita pela consultoria EY com 2 mil profissionais da América Latina, inclusive do Brasil, mapeou as maiores preocupações em relação ao futuro do trabalho. Segundo o estudo, 44% dos empregadores acreditam que seus negócios estão em perigo por causa da covid-19 e 46% dos empregados acham que seus chefes estão despreparados para as mudanças.

O Ibope Repucom realizou um levantamento sobre a popularidade dos grandes clubes do futebol brasileiro nas redes sociais. Os times com mais seguidores são Flamengo (39,1 milhões), Corinthians (25,3 milhões) e São Paulo (16,6 milhões). Atlético (7,7 milhões) e Cruzeiro (7,5 milhões) estão tecnicamente empatados.

Os bons exemplos corporativos são fundamentais para combater a pandemia do coronavírus. Nesta semana, o programa Avião Solidário, da companhia aérea Latam, atingiu a marca de 20,2 milhões de doses de vacinas contra a COVID-19 transportadas gratuitamente em 201 voos para todos os estados brasileiros.

A operadora Oi, que está em recuperação judicial, venderá uma fatia da InfraCo, sua rede de infraestrutura de fibra óptica, para o banco BTG Pactual. O negócio gira em torno de R$ 13 bilhões e contempla, além do controle da rede, aportes de capital. Após a conclusão do negócio, a Oi continuará como acionista minoritária da InfraCo.


*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade