Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas Mercado S/A

Pandemia da COVID-19 acelera mudanças no mundo do trabalho

Se os postos formais são escassos, há cada vez mais espaço para o trabalho independente, uma tendência que deverá ganhar força no futuro próximo


27/10/2020 04:00 - atualizado 27/10/2020 07:16

Mudanças nas regras trabalhistas e escassez de postos de trabalho provocam mundanças no universo do trabalho(foto: Marcos Santos/USP/Foto Publica %u2013 30/12/16)
Mudanças nas regras trabalhistas e escassez de postos de trabalho provocam mundanças no universo do trabalho (foto: Marcos Santos/USP/Foto Publica %u2013 30/12/16)
As mudanças nas regras trabalhistas, a escassez de empregos e o desejo de liberdade estão levando à maior transformação no mundo produtivo desde a revolução industrial. Se os postos formais são escassos, há cada vez mais espaço para o trabalho independente, uma tendência que deverá ganhar força no futuro próximo.

E não se trata apenas de empreendedorismo, mas da possibilidade de fornecer serviços para inúmeros clientes. “Cada vez mais os trabalhadores serão os seus próprios patrões”, diz o consultor Eduardo Tancinsky. A tecnologia tem contribuído para a nova realidade.

“Ela facilita a atividade remota e abre caminhos para que a pessoa amplie o campo de atuação.” A pandemia do coronavírus também acelerou as mudanças.

Com ela, o home office desabrochou, aumentando os níveis de satisfação dos profissionais. “Todas as pesquisas mostram que a maioria das empresas está feliz com o desempenho dos colaboradores que dão expediente a distância”, afirma Tancinsky.

Empresários preferem Trump

 
(foto: Saul Loeb/AFP)
(foto: Saul Loeb/AFP)

Um grupo de WhatsApp formado por 200 empresários de diversos setores fez uma pesquisa informal sobre a preferência dos participantes na eleição americana. O atual presidente, Donald Trump, ficou com 60% dos votos. Apesar disso, os executivos brasileiros não acreditam que ele vá vencer. Para 70% dos integrantes do grupo, o democrata Joe Biden sairá vitorioso do pleito. O setor produtivo teme que o eventual êxito de Biden prejudique as relações entre Brasil e Estados Unidos.

Jovens são os que mais abrem empresas


O sumiço dos empregos na crise do coronavírus afetou principalmente os jovens. Não à toa, eles foram os que mais abriram empresas na pandemia. Segundo a Serasa Experian, pessoas entre 19 e 30 anos foram responsáveis por 35% dos negócios surgidos de janeiro a agosto. Para efeito de comparação, os empreendedores acima de 51 anos tiveram 17% de participação. “Além de o mercado formal estar difícil, os jovens querem trabalhar naquilo em que acreditam”, diz Luiz Rabi, economista da Serasa.

A fábrica automatizada de pães


A Aryzta, empresa suíça de pães, cookies e bolos, vai inaugurar no segundo semestre do ano que vem a sua maior planta no país. Ela fica em Pouso Alegre (MG) e trará uma novidade: será a primeira da indústria de panificação no mundo a instalar a tecnologia de congelamento contínuo. Significa que o pão será produzido de forma automatizada, sem nenhuma interferência humana. Segundo a Aryzta, a unidade deverá gerar 200 empregos diretos e mil indiretos.

(foto: Nasa/Divulgação )
(foto: Nasa/Divulgação )

''Trabalho de equipe é essencial: ele permite que você culpe mais alguém''

Larry Niven, escritor americano de ficção científica



US$ 34,4 bilhões

Deverá ser a captação da fintech depagamentos Ant Group, controlada pelo Alibaba, em sua oferta pública de ações, prevista para 5 de novembro. Se o número se confirmar, será o maior IPO da história
 

RAPIDINHAS


» A BCPAR, empresa controlada pela Buzzi Unicem e pelo Grupo Ricardo Brennand, assinou contrato para a compra das empresas cimenteiras do Grupo CRH no Brasil. Segundo José Eduardo Ramos, CEO da Cimento Nacional, são três fábricas de cimento integradas e duas moagens, todas operando em estados do Sudeste do país.

» A CRH Brasil vendeu em 2019 cerca de 2,5 milhões de toneladas. De acordo com a empresa, a nova aquisição resultará em um fortalecimento do grupo BCPAR, hoje com fábricas instaladas na Paraíba e em Minas Gerais. A conclusão do processo de compra está sujeita à aprovação do Cade.

» O banco americano Goldman Sachs estima que a economia global vá recuar 4,1% em 2020. Enquanto o mundo inteiro sofre, a China deverá fechar o ano no azul, com alta de 2% do PIB. Na Europa, a queda será de 7,9%.  Nos Estados Unidos, de 3,4%. Em 2021, o Goldman prevê que o PIB global crescerá 6,3%, pouco abaixo da China (previsão de 7,4%).

» O crédito é um dos principais motores da economia. Nesse sentido, os números ressaltam que a retomada já começou. Em setembro, as concessões de crédito livre (quando as taxas são acordadas entre o cliente e as instituições financeiras) subiram 7,3% diante de agosto. Considerando apenas os empréstimos para empresas, a alta foi ainda maior, de 10,6%.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade