Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas Mercado S/A

A revolta dos empresários com o dinheiro na cueca de um senador

O dono de uma empresa do ramo de alimentos afirmou que a gestão Bolsonaro está cada vez mais parecida com as administrações petistas


16/10/2020 04:00 - atualizado 16/10/2020 07:06

Vice-líder do governo no Senado, Chico Rodrigues (DEM-RR) foi flagrado pela Polícia Federal com notas de real escondidas na cueca(foto: Marcos Oliveira/Agência Senado 21/9/20)
Vice-líder do governo no Senado, Chico Rodrigues (DEM-RR) foi flagrado pela Polícia Federal com notas de real escondidas na cueca (foto: Marcos Oliveira/Agência Senado 21/9/20)


Um grupo de WhatsApp formado por uma centena de empresários de diversos setores ferveu ontem com a história do dinheiro na cueca do vice-líder do governo no Senado, Chico Rodrigues (DEM-RR).

Além das inevitáveis piadas escatológicas, os participantes concordaram que o episódio escancara o inoportuno discurso do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sobre corrupção. Não custa lembrar: Bolsonaro disse que acabou com a operação Lava-Jato porque “não há mais corrupção no governo.” O dono de uma empresa do ramo de alimentos afirmou que a gestão Bolsonaro está cada vez mais parecida com as administrações petistas.

“Depois do assistencialismo social, agora vem dinheiro na cueca”, escreveu o executivo no movimentado grupo. “Agora só falta lançar a nova matriz econômica.”  Outro empresário que atua no setor financeiro também estava indignado. “Não conseguimos virar a página dessas infames roubalheiras”, disse. “Talvez a melhor imagem que traduza o Brasil seja mesmo dinheiro na cueca.


(foto: Evaristo Sá/AFP 3/4/20)
(foto: Evaristo Sá/AFP 3/4/20)


Guedes: “Tivemos uma resposta fulminante à crise”

O ministro da Economia, Paulo Guedes, continua na mesma toada otimista e se mantém indiferente às críticas. Em evento promovido pelo Instituto de Direito Público, Guedes elencou uma série de razões para justificar a sua confiança na rápida recuperação do país. “O Brasil está muito bem-visto lá fora”, disse o ministro. “Tivemos uma resposta fulminante à crise e é óbvio que a economia está retomando em ‘V’. Prova disso é que criamos 300 mil empregos apenas em setembro.”


Faltam insumos para a construção civil


O crescimento do e-commerce na pandemia aumentou a demanda por galpões de logística, mas a alta do preço dos materiais e a escassez de insumos para a construção civil podem atrasar a retomada do setor. Itens como aço e cimento estão em falta. “O mercado está sofrendo um desabastecimento”, diz Sadak Leite, vice-presidente da construtora Ribeiro Caram, especializada em obras industriais e comerciais. A empresa recorreu a pagamentos antecipados e estoque de material para não atrasar os projetos.


Na C&A, o robô é o estilista

A tecnologia chega com força às grandes redes de moda. Uma das maiores varejistas do país, a C&A (foto) está testando um robô dotado de inteligência artificial que ajuda o cliente a escolher a melhor combinação de roupas e até sugere opções de cores das peças. A novidade foi desenvolvida em parceria com a startup Catwalk, que participou de um programa de aceleração para empresas iniciantes criado pela própria C&A. Se os testes do robô forem bem-sucedidos, em breve chegarão às lojas do país.


Rapidinhas


A Amazon, a marca mais valiosa do mundo, tomou uma decisão que, à primeira vista, fere um de seus princípios fundamentais. A empresa defensora da ideia de que é possível negociar qualquer coisa pela internet – desde que não sejam produtos ilegais – barrou a venda de um item aparentemente inofensivo: sementes.

A gigante de Jeff Bezos fez isso depois de milhares de americanos que fizeram compras on-line receberem ervas daninhas em vez das mercadorias encomendadas. As sementes vieram da China. Consumidores de diversos países, inclusive do Brasil, passaram pela mesma experiência. O caso assusta, mas não há sinais de bioterrorismo internacional.

Tudo indica que o envio das sementes esteja relacionado a uma iniciativa prosaica, embora questionável. O episódio é característico de uma operação conhecida como “brushing”. Trata-se de uma estratégia na qual vendedores, em vez de remeterem a mercadoria verdadeira, geralmente cara e pesada, enviam um material leve, o que reduz o valor do frete.

Além da Amazon, a Wish e o eBay, outras companhias americanas de comércio eletrônico, também resolveram barrar o comércio de sementes. Por que elas vêm da China? Segundo especialistas em fraude digital, o “brushing” foi inventado justamente pelos chineses, que se tornaram especialistas no assunto.


68%

dos brasileiros são a favor da manutenção dos programas de auxílio emergencial do governo em 2021, segundo a pesquisa XP/Ipespe. O dado mostra que a preocupação com as contas públicas não está entre as prioridades dos entrevistados


''Evite ideologias radicais, pois elas arruínam a sua mente''

Charlie Munger, vice-presidente da Berkshire Hathaway e braço direito do lendário investidor Warren Buffett



*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade