Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas MERCADO S/A

Pequenos empresários brasileiros não têm acesso a crédito

Presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto argumenta que há crédito disponível, mas a dura realidade é que os pequenos empresários continuam de mãos vazias


postado em 01/06/2020 06:00 / atualizado em 05/06/2020 11:13

(foto: Pexels)
(foto: Pexels)

Os bancos anunciaram linhas de crédito para socorrer pequenos e médios empresários na crise do coronavírus, mas não tem sido fácil conseguir os recursos. De acordo com um estudo do Sebrae e da Fundação Getulio Vargas (FGV), 86% dos empreendedores que buscaram empréstimos tiveram seus pedidos negados.

Empresários relatam as dificuldades impostas pelas instituições. “Procurei três bancos e cada um veio com uma história diferente”, diz Marco Borotini, dono de uma rede de lavanderias. “O primeiro queria meu imóvel como garantia, o segundo cobrou juros que considerei abusivos e o terceiro está há um mês analisando o pedido. Dinheiro que é bom, nada.” 

Na semana passada, Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central, afirmou que as críticas são injustificadas: “Um mito disseminado é que os bancos estão empoçando tudo, não estão emprestando. Isso não é verdade”. Campos Neto argumenta que há crédito disponível, mas a dura realidade é que os pequenos empresários continuam de mãos vazias

Bolsa de Nova York reabre pregão físico


A Bolsa de Valores de Nova York (NYSE) voltou a ter pregões físicos. A sala de negociações fechou em 23 de março – pela primeira vez em 200 anos – por causa do agravamento da pandemia nos Estados Unidos. Agora o movimento frenético dos operadores trocando preços de ações será retomado.

A NYSE é um caso único no mundo, um símbolo de resistência à nova era. Não é de hoje que os pregões eletrônicos dominam os mercados globais. Em São Paulo, a antiga Bovespa deixou de ter pregão físico em 2005. 

Aluguel de carros desaba 90%


Poucos setores foram tão afetados pela crise do coronavírus quanto o de aluguel de carros. Segundo a Associação Brasileira das Locadoras de Automóveis (Abla), as locações diárias caíram 90% desde o início da pandemia. Já o aluguel para motoristas de aplicativos recuou 80%. Pior para as pequenas locadoras, que estão paradas há 70 dias. Para sobreviver, muitas delas venderam parte de suas frotas. Mas até as grandes sofrem: nos Estados Unidos, a Hertz entrou com pedido de recuperação judicial

Piora da imagem do Brasil afeta negócios


A instabilidade política, a crise entre os poderes e o avanço do coronavírus afetam a imagem do Brasil no exterior. Não à toa, em 2020 os investidores estrangeiros retiraram R$ 77 bilhões da B3, a Bolsa de Valores de São Paulo. Até o agronegócio, setor que continua a gerar bons resultados, teme a piora da reputação do país no cenário internacional, o que se deve também ao crescente desmatamento da Amazônia. Na Europa, há movimentos que pregam o boicote a produtos brasileiros
 

''Depois da crise, como vamos destravar a economia? Criando benefícios para os mesmos setores de sempre ou estruturando medidas para todos ganharem?''

Marcelo Guaranys, secretário-executivo do Ministério da Economia

 


Rapidinhas


– A expectativa de privatização da Sabesp, estatal paulista de saneamento, fez disparar o preço das ações da companhia. Em maio, elas subiram 35,53%. É a maior alta da Bolsa, à frente de Via Varejo (35,08%) e Braskem (31,22%). No campo oposto está a resseguradora IRB Brasil. As práticas contábeis duvidosas levaram os papéis para uma queda de 18,79%.


– O mercado acionário brasileiro não para de surpreender. Até pouco tempo atrás, o Ibovespa, o principal índice de Bolsa, tinha o pior desempenho do mundo em 2020. Agora o jogo virou. Em maio, subiu 8,57%, mais do que bitcoin (6,32%) e tesouro prefixado (4,50%). O dólar foi o pior investimento, com queda de 1,83%.


– A demanda por gasolina e etanol, um termômetro importante da retomada, começa a emitir bons sinais. No início de maio, período mais severo da crise, o volume média diário de combustíveis vendidos caiu 65% na comparação com o movimento tradicional. Na semana passada, o percentual estava em 50%. 


– Pela primeira vez em 134 anos o carvão deixou de ser a principal fonte energética dos Estados Unidos. Em 2019, as modalidades renováveis (eólica, solar e hidrelétrica) assumiram a liderança, segundo dados da EIA, agência americana de energia. A mudança representa um marco para os defensores de fontes limpas de eletricidade.


85%
das empresas brasileiras não estão preparadas para a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), segundo pesquisa da Serasa Experian. Prevista para entrar em vigor em agosto de 2020, ela foi adiada para maio de 2021 



Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade