Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

Experiência europeia mostra que isolamento traz recuperação rápida da economia

Na Alemanha, depois da paralisação das atividades em meados de março, fábrica da VW em Wolfsburg retoma a produção


postado em 28/04/2020 04:00 / atualizado em 05/06/2020 11:34

(foto: Swen Pfortner/AFP)
(foto: Swen Pfortner/AFP)


A Volkswagen retomou ontem as atividades de sua fábrica na cidade de Wolfsburg, na Alemanha. A operação foi paralisada em meados de março para evitar a propagação do coronavírus, mas a redução de número de casos no país estimulou a empresa a reabrir a unidade. A notícia é ótima. Apenas nesta semana, a VW projeta fabricar 1,4 mil carros na planta de Wolfsburg e outros 6 mil nos próximos 15 dias. Enquanto no Brasil alguns setores da sociedade querem voltar à rotina normal a qualquer custo e até desrespeitam a quarentena, a experiência europeia mostra que, se o país segue à risca as regras de isolamento, a economia se recupera mais rapidamente. Na Espanha, depois de restrições severas de circulação, os casos de coronavírus desabaram e algumas atividades já funcionam normalmente, como a indústria e a construção civil. A Itália, que durante muito tempo foi o epicentro da crise, se prepara para a saída gradual do isolamento a partir de 4 de maio. No Brasil, esse cenário parece distante.
 
(foto: Honório Moreira/OIMP/D.A Press)
(foto: Honório Moreira/OIMP/D.A Press)
 
 

Bancos prorrogam R$ 22 bilhões em dívidas


Os bancos adiaram a cobrança de R$ 22,2 bilhões em dívidas que teriam parcelas vencidas nos próximos meses. Segundo cálculos da Febraban, a entidade do setor, o valor diz respeito a 3,8 milhões de contratos de empréstimos tomados por empresas e consumidores. O montante total desses contratos é de R$ 230,6 bilhões. Em março, Itaú, Unibanco, Banco do Brasil, Bradesco, Santander e Caixa anunciaram a carência dois a seis meses para o pagamento de parcelas durante a crise do coronavírus.
 
(foto: Eric Piermont/AFP)
(foto: Eric Piermont/AFP)
 
 

US$ 28,1 bilhões 

É quanto o francês Bernard Arnault, dono do conglomerado de luxo LVMH, perdeu com a crise do coronavírus. Ninguém no mundo teve tantos prejuízos com a pandemia 
 

WhatsApp 1: Cerco às fake news


O WhatsApp está fechando o cerco às fake news, que têm feito muito mal ao ambiente político brasileiro. O volume de mensagens encaminhadas no aplicativo caiu 70% após o limite de envio a apenas um destinatário ou grupo por vez. A nova política foi estabelecida no início de abril para conter a disseminação de notícias falsas, principalmente aquelas relacionadas à pandemia do novo coronavírus. “A medida ajuda o WhatsApp a ser um lugar para conversas pessoais e privadas”, disse a empresa em nota.

WhatsApp 2: Videoconferência para até 50 pessoas


As videoconferências se tornaram um fenômeno empresarial na crise do coronavírus. O sucesso de plataformas como Zoom, Google Meet e Microsoft Teams chamou a atenção do Facebook, que lançou na semana passada o Messenger Rooms. O curioso é que a novidade recém-apresentada pode ser introduzida como mais um recurso do WhatsApp, que pertence ao próprio Facebook. A integração com o aplicativo de mensagens permitirá a realização de videoconferências com a participação simultânea de até 50 pessoas. 
 

Rapidinhas 

 
(foto: Miguel Schincariol/AFP)
(foto: Miguel Schincariol/AFP)
 
» É natural que uma crise planetária provoque estragos na economia, mas o impacto no Brasil parece ser maior. Em dólar, o Ibovespa, o principal índice da bolsa brasileira, despencou 55% em 2020. É o pior desempenho do mundo – logo depois aparecem as bolsas da Namíbia e da Colômbia. Por que o Ibovespa caiu tanto?

» A instabilidade política é uma das razões que explicam o pífio desempenho do mercado de ações brasileiro. Se dependesse das empresas, o cenário seria diferente. O país, afinal, conta com companhias sólidas, um ambiente corporativo diversificado e setores bastante avançados (alimentos, financeiro, construção). Basta a 
política não atrapalhar.

» A Apple vai adiar em um mês o início da produção das novas linhas de iPhones previstas para chegar ao mercado no fim de 2020. Segundo a empresa, o atraso se deve à paralisação das fábricas na Ásia em fevereiro e março por causa da crise do coronavírus. A meta da Apple é lançar quatro novos modelos de iPhone neste ano.

» O home office veio para ficar, mas é preciso proteger melhor as redes domésticas de computadores. Em março, os ataques de hackers contra empresas cresceram 148% na comparação com o mês anterior, segundo dados da VMware Carbon Clack, companhia especializada em cibersegurança. Os criminosos não param de agir nem durante a pandemia. 

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade