Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas MERCADO S/A

Salim Mattar diz que sociedade aprova agenda de privatizações

No ano passado, a prioridade era aprovar a reforma da Previdência. Mesmo assim, superou-se a meta de arrecadação com a venda de ativos (R$ 105 bilhões)


postado em 19/02/2020 04:00 / atualizado em 19/02/2020 09:03

(foto: Valter Campanato/Agência Brasil 21/8/19 )
(foto: Valter Campanato/Agência Brasil 21/8/19 )
 
Durante muito tempo, defender privatização no Brasil podia significar o fim da carreira de qualquer político e, em muitas rodas, soava como algo ofensivo. Mas essa visão parece ter ficado no passado. “A sociedade está a favor das privatizações”, disse Salim Mattar (foto), secretário de Desestatização do Ministério da Economia, durante o evento CEO Conference Brasil 2020, realizado pelo BTG Pactual, em São Paulo. Segundo Salim, o governo vai acelerar a agenda de privatizações.

No ano passado, diz ele, a prioridade era aprovar a reforma da Previdência. Mesmo assim, sua área superou a meta de arrecadação com a venda de ativos (R$ 105 bilhões, acima dos R$ 80 bilhões previstos). Em 2020, Salim quer levantar R$ 150 bilhões. Não será tarefa fácil. “Estamos dialogando com os funcionários das estatais”, disse o secretário. “A ideia é mostrar para eles que as privatizações visam À geração de empregos. Pode ter um impacto no começo, mas no curto e médio prazos mais vagas serão criadas.”

Para Maia, governo não irá realizar grandes privatizações

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, não parece animado com a agenda de privatizações do governo Bolsonaro. Durante evento do BTG Pactual, Maia afirmou que “grandes privatizações” não serão realizadas. “A maior empresa que o governo quer privatizar é a Eletrobras”, disse. Ele cobrou também empenho dos empresários na discussão da reforma tributária. “A sociedade pagou mais a conta da reforma da Previdência. Agora, a contribuição dos empresários tem que existir na tributária.”

Brasil ficará no azul em 2022 ou 2023, diz Mansueto

Em algum momento entre o final de 2022 e o início de 2023 o Brasil alcançará um feito histórico: suas contas ficarão no azul. Essa é a estimativa de Mansueto Almeida (foto), secretário do Tesouro Nacional, que fez a previsão em uma conferência realizada no BTG Pactual, em São Paulo. Mansueto falou também sobre o novo cenário de juros baixos. “Acabou a época de comprar título público e ficar em casa”, disse. “Quem quiser ganhar dinheiro vai ter que investir na economia real, comprando ativos.”

 

As empresas de tecnologia devem servir à sociedade e, portanto, apoiamos os esforços da OCDE (Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico) de criar regras tributárias globais justas para a internet

Mark Zuckerberg, presidente do Facebook, ao defender a criação de um imposto digital global



Volkswagen pode ser nova baixa no Salão do Automóvel

O já esvaziado Salão do Automóvel de São Paulo corre o risco de sofrer uma nova baixa. Pablo Di Si, presidente da Volkswagen para a América Latina, deixou dúvidas a respeito da participação da empresa. “Queremos ir, mas não com este formato”, afirmou ontem. “Ele precisa ser mudado: possivelmente menor, com mais interatividade com o público.” Estão fora da edição 2020 marcas como BMW, Citroën, General Motors, Hyundai, Jaguar, Kia, Mitsubishi, Peugeot, Volvo e Toyota.

US$ 10 bilhões é quanto Jeff Bezos, fundador da Amazon e pessoa mais rica do mundo, investiu em um fundo para financiar projetos dedicados a combater mudanças climáticas



RAPIDINHAS

• 'As vendas de massas como macarrão e pizza refrigerada devem crescer, até 2023, 6,5% ao ano no Brasil, segundo estudo da TCP Partners, empresa de investimentos e gestão. A TCP fez uma pesquisa por amostragem com 15 empresas, além de usar dados da Abimapi (associação do setor) e de companhias de capital aberto. Em 2019, o segmento faturou R$ 6,5 bilhões.

• 'O setor imobiliário tem se consolidado como um dos destaques da economia brasileira. No ano passado, o Itaú Unibanco aumentou em 30%, na comparação com 2018, as concessões de crédito para pessoas físicas financiarem imóveis com recursos da poupança. O Itaú é o líder do segmento entre os bancos privados 
do país.
 
• 'O WhatsApp escolheu o Brasil para lançar a sua primeira campanha publicitária global. Criado pela agência AlmapBBDO, o comercial veiculado na TV aberta, cinemas e em redes sociais como Facebook remete à privacidade do aplicativo. O WhatsApp tem 2 bilhões de usuários no mundo e o Brasil é um de seus maiores mercados.

•'A fabricante de bicicletas elétricas Lev tem planos ambiciosos para o país. Em 2020, pretende abrir 10 lojas em cidades como Belo Horizonte, Brasília, Campinas e Porto Alegre. Além disso, irá lançar, no primeiro semestre, quatro modelos de bicicleta. Segundo a empresa, a ideia é dobrar o faturamento neste ano.


Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade