Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

Risco-país atinge o menor nível desde 2008

O Brasil vinha sofrendo com a alta do indicador desde os protestos de junho de 2013


postado em 18/02/2020 04:00 / atualizado em 18/02/2020 08:59

Bolsa de valores de São Paulo - 16/08/18(foto: Luiz Prado/Divulgação)
Bolsa de valores de São Paulo - 16/08/18 (foto: Luiz Prado/Divulgação)
O índice CDS (Credit Default Swap) consiste em uma unidade de medida para os investidores estrangeiros saberem se é seguro ou não injetar recursos em um país. Na prática, o CDS funciona como um termômetro da probabilidade de uma nação dar calote no mercado financeiro global nos próximos cinco anos. Quanto mais baixo o indicador, maior é a confiança dos investidores. Ontem, segundo dados da IHS Markit, o CDS brasileiro chegou a 93 pontos, o menor nível desde agosto de 2008. A notícia é extraordinária para a economia brasileira. O Brasil vinha sofrendo com a alta do indicador desde os protestos de junho de 2013, que marcaram o início da instabilidade política e da recessão mais severa da história do país. Em 2015, o índice CDS brasileiro chegou ao seu auge: 494 pontos. A agenda de reformas do governo Bolsonaro, o melhor ambiente de negócios, a inflação sob controle e os juros em queda são alguns dos fatores que levaram à queda do risco-país brasileiro.


RAPIDINHAS

» Warren Buffett, 89 anos, e Charlie Munger, 96 (foto), dois dos maiores investidores da história e sócios na Berkshire Hathaway, deram muitas lições de vida, mas uma delas é mais valiosa nestes tempos de ódio pelos opostos. Buffett é democrata e Munger, republicano. Apesar disso, são amigos há 70 anos e nunca tiveram problema em trabalhar juntos.


» Enquanto isso, no Brasil as diferenças ideológicas entre esquerda e direita alimentam ataques asquerosos nas redes sociais, o que só faz crescer o ódio de um pelo outro. Alguns empresários têm reclamado do clima beligerante, mas eles não se expõem por medo de se tornarem alvos da fúria dessa turma.

» Se o mercado convencional de carros cresce em ritmo modesto no Brasil, os fabricantes de veículos de luxo não têm do que reclamar. Em 2019, as vendas da Porsche cresceram quase 30% no país – foi o melhor ano da história da montadora alemã no mercado brasileiro. Até o final do ano, a empresa espera abrir três concessionárias, em Fortaleza, Goiânia e São Paulo.
» As redes sociais estão destruindo o hábito de leitura, certo? Não é bem assim. Em janeiro, segundo dados do Sindicato Nacional dos Editores de Livros (Snel) e da consultoria Nielsen, o número de exemplares vendidos cresceu 9,95% na comparação com o mesmo mês de 2019. O faturamento aumentou 8%.


Coronavírus: Epidemia afeta produção de celulares no Brasil
Os funcionários da fábrica de celulares da Flextronics, em Jaguariúna (SP), entraram ontem em férias coletivas. Segundo a empresa, que é responsável pela produção dos aparelhos da Motorola no país, a epidemia do coronavírus interrompeu o envio de componentes chineses. A ideia é que a unidade volte a funcionar em no máximo 10 dias, mas o prazo pode ser ampliado se a doença não for controlada na China. A fábrica da Samsung, em Campinas, parou pe lo mesmo motivo.


Crise coloca em risco 20% do PIB mundial
Nas últimas décadas, a economia chinesa se tornou o motor do crescimento mundial. Os altos índices de produtividade e a capacidade para inovar levaram o país a responder por cerca de 20% do PIB do planeta. Não é exagero dizer, portanto, que o coronavírus coloca em risco 20% da economia global. O mais preocupante é que a epidemia está longe de ser controlada. Segundo o The New York Times, 760 milhões de chineses vivem sob algum tipo de bloqueio residencial. A China literalmente parou.
 

Carrefour reforça aposta no atacarejo
Poucos setores cresceram tanto no Brasil nos últimos anos quanto o atacarejo, como são chamados os grandes supermercados que unem características do atacado e do varejo. Em 2019, o atacarejo respondeu por um terço do mercado de distribuição de alimentos no país. Há cinco anos, a fatia era de 20%. Estima-se que, em breve, chegará a 50%. Isso explica por que o Carrefour Brasil desembolsou R$ 1,95 bilhão para comprar 30 lojas da rede Makro, em 16 estados e no Distrito Federal.


''Não tem coisa mais insuportável do que encontrar um trader que diz que sabe exatamente para onde o mercado vai. Encontre uma pessoa dessas e corra para o lado oposto''

Raphael Figueredo, sócio da casa de análise Eleven Financial


88% é o nível de endividamento público do Brasil em relação ao PIB. Em 2014, o índice estava em 62%. Segundo ranking do Instituto de Finanças Internacionais (IIF, na sigla em inglês), o Brasil tem o maior endividamento público da América Latina e o segundo entre os países emergentes

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade