Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas MERCADO S/A

Petrobras pede desculpas a empregados inocentados em caso de corrupção

O combate à corrupção é justo e necessário, mas deve ser feito dentro das regras do jogo. Nem sempre isso ocorreu


postado em 10/12/2019 04:00 / atualizado em 10/12/2019 07:24

O presidente da estatal do petróleo, Roberto Castello Branco, informou que vai enviar cartas como indulto para 2 mil trabalhadores investigados por supostos desvios, os quais não cometeram(foto: Fábio Motta/Estadão Conteúdo- 11/4/04)
O presidente da estatal do petróleo, Roberto Castello Branco, informou que vai enviar cartas como indulto para 2 mil trabalhadores investigados por supostos desvios, os quais não cometeram (foto: Fábio Motta/Estadão Conteúdo- 11/4/04)

O ex-diretor de uma grande empreiteira paulista passou os últimos 2 anos fugindo de familiares, evitando sair à rua e apavorado com a possibilidade de ir para a cadeia. “Fui envolvido injustamente em um caso de suborno”, diz. “Minha vida foi destruída. Perdi amigos, gastei fortunas para pagar advogados, fiquei doente. Recentemente, fui inocentado, mas nada será capaz de apagar o que passei.” A história de executivos que tiveram suas reputações devastadas ainda está para ser escrita no Brasil. O combate à corrupção é justo e necessário, mas ele deve ser feito dentro das regras do jogo. Nem sempre isso ocorreu. Ontem, a Petrobras  deu um exemplo louvável de como se portar em casos assim. O presidente da empresa, Roberto Castello Branco, informou que enviará cartas com pedidos de desculpas para 2 mil funcionários que foram alvos de investigações de corrupção. “Essas pessoas foram investigadas e nem sequer tiveram o direito de ser informadas de sua inocência”, disse Castello Branco.


Ford vai transformar café em plástico

A Ford e o McDonald's fecharam parceria inusitada. A partir do ano que vem, a montadora vai usar os restos do café da rede fast-food para construir peças de carros. Parece esquisito, mas é isso mesmo: a casca do café que é desperdiçada no processo de torra do grão será usada na fabricação de bioplásticos que, mais tarde, serão transformados em partes do interior dos veículos. Segundo a Ford, o plástico feito do café é 20% mais leve e necessita de 25% menos energia para ser produzido.

Amazon e Trump declaram guerra

A Amazon está em pé de guerra com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Ontem, a empresa acusou Trump de exercer “pressão imprópria” para que o Departamento de Defesa do país assinasse um contrato de US$ 10 bilhões com a rival Microsoft. Trump, de fato, tem o péssimo hábito de perseguir desafetos. O presidente afirma que Jeff Bezos (foto), dono da Amazon, paga poucos impostos e que ele usa o jornal Washington Post para espalhar notícias falsas.
 

Estamos em um caminho virtuoso, cada semestre que passa isso fica mais claro. Quem está contra isso que espere mais três anos e vote contra

Paulo Guedes, ministro da Economia


 

WhatsApp é o aplicativo mais baixado no mundo

O WhatsApp é um fenômeno que parece estar muito longe de perder o fôlego. Em novembro, ele foi o aplicativo mais baixado no mundo, com 87 milhões de downloads, número que representa avanço de 25% em relação ao mesmo mês de 2018. App chinês para criar vídeos curtos, o Tik Tok ficou em segundo lugar no ranking, com 72 milhões de instalações. Na sequência aparecem Facebook, Messenger e Instagram. Os dados são da consultoria Senso Tower, especializada no segmento de aplicativos.

RAPIDINHAS


• Mais uma da série de boas notícias da Black Friday: segundo o Serasa Experian, as vendas do comércio de rua e de shoppings centers cresceram 10% no fim de semana do evento na comparação com o mesmo período de 2018. Segundo especialistas, o desempenho se deve à liberação do saque 
do FGTS.

• A brasileira XP, que amanhã começará a negociar ações na bolsa de valores americana Nasdaq, tem sido nos últimos dias uma das estrelas do noticiário econômico internacional. O britânico Financial Times até se deu ao trabalho de ensinar seus leitores a pronunciar o nome da empresa: é “sheesspeh”, escreveu o jornal, carregando no sotaque carioca.

• Depois de ser acusada de corrupção em diversos países, a empresa sueca de telecomunicações Ericsson chegou a um acordo para pagar multas de US$ 1 bilhão para autoridades americanas. A companhia afirmou que o pagamento das sanções já havia sido provisionado no balanço e que deverá reformular seu programa de compliance.

• A festa dos IPOs (oferta inicial de ações, na sigla em inglês) vai começar na bolsa brasileira. Ontem, a construtora paulista Mitre, especializada em imóveis de alta renda, oficializou na Comissão de Valores Mobiliários sua intenção de abrir o capital. A empresa teve receita líquida de R$ 190 milhões nos primeiros nove meses de 2019.

280 mil pessoas participaram da CCXP 2019 (Comic Con Experience), consolidando o evento como o maior da cultura nerd no mundo. O público foi maior até do que o original Comic Con de San Diego, nos Estados Unidos, que atraiu 135 mil pessoas neste ano



Publicidade