SIGA O EM

Cármen Lúcia nega pedido de habeas corpus a lobista ligado ao PMDB

João Augusto Rezende Henriques está preso na Operação Lava-Jato desde setembro de 2015

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1135892, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Carlos Moura/SCO/STF ', 'link': '', 'legenda': '', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2017/07/17/884502/20170717154906930396o.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 17/07/2017 15:19 / atualizado em 17/07/2017 15:56

Agência Estado

Carlos Moura/SCO/STF

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, negou liberdade ao lobista João Augusto Rezende Henriques, preso na Operação Lava-Jato desde setembro de 2015 e apontado por como operador de propinas ligado ao PMDB. Responsável por julgar os pedidos urgentes feitos durante o recesso, Cármen Lúcia rejeitou o pedido de habeas corpus ao alegar que faltavam documentos para analisá-lo.

Henriques apresentou também uma segunda solicitação de liberdade, que ainda não foi analisada por ela. A defesa dele requeria ao STF que anulasse as duas prisões preventivas decretadas e mantidas pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ). Henriques foi preso em 21 de setembro de 2015 na Operação Ninguém Durma, 19.ª fase da Lava-Jato.

Em fevereiro de 2016, Henriques foi condenado a 6 anos e 8 meses de reclusão por corrupção, pelo juiz Sérgio Moro, da 13.ª Vara da Justiça Federal em Curitiba, numa ação penal sobre afretamento do navio-sonda Titanium Explorer pela Petrobras.
Tags: stf carmén
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600