SIGA O EM

Delação contra Temer suspende reformas da Previdência e trabalhista

Os relatores das duas propostas avaliam que a discussão só pode continuar depois que os fatos forem esclarecidos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1123487, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Marcelo Camargo/Ag\xeancia Brasil', 'link': '', 'legenda': 'Agentes da Pol\xedcia Federal deram buscas em gabinetes da C\xe2mara e Senado nesta quinta-feira', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2017/05/19/870264/20170519115335536282e.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 19/05/2017 11:41 / atualizado em 19/05/2017 11:54

Juliana Cipriani /

Marcelo Camargo/Agência Brasil

Temidas e criticadas por grande parte da população, as reformas trabalhista e da Previdência ganharam mais tempo para discussão. Por conta do cenário de crise institucional estabelecido com a possibilidade de o presidente Michel Temer (PMDB) ter de deixar o cargo por ter sido envolvido diretamente na Operação Lava-Jato, os parlamentares decidiram parar a tramitação dos textos.

A divulgação dos áudios comprometedores contra o presidente Michel Temer (PMDB) nesta quinta-feira parou a tramitação da Reforma Trabalhista no Senado Federal. A tramitação do projeto de lei complementar (PLC 38/17) foi suspensa sem data para voltar à discussão.

O relator da matéria nas comissões de Assuntos Econômicos e Assuntos Sociais, senador Ricardo Ferraço (PSDB/ES), considerou o assunto “secundário” diante da crise institucional pela qual passa o país. “Na condição de relator do projeto, anuncio que o calendário de discussões anunciado está suspenso. Não há como desconhecer um tema complexo como o trazido pela crise institucional. Todo o resto agora é secundário”, anunciou em nota.

O parlamentar considerou a crise criada pelas delações do dono da JBS, Joesley Batista, “devastadora” e disse que é preciso priorizar uma solução. O relatório da reforma, já aprovada na Câmara, seria entregue na terça-feira (23) e a votação em plenário estava prevista para os dias 12 e 15 de junho. Já os senadores de oposição ao governo Temer, esperam que a suspensão seja permanente.

Previdência


O deputado Arthur Oliveira Maia (PPS-BA), relator da Reforma da Previdência na Câmara, também entende que não é possível avançar com a votação da proposta de Temer no atual cenário. “De ontem para cá, a partir das denúncias que surgiram contra o presidente da República, passamos a viver um cenário crítico, de incertezas e forte ameaça da perda das conquistas alcançadas com tanto esforço. Certamente, não há espaço para avançarmos com a Reforma da Previdência no Congresso Nacional nessas circunstâncias”, afirmou em nota.

Segundo o deputado, é preciso concluir as investigações sobre o que de fato ocorreu no caso do possível aval do presidente Temer a medidas do executivo da JBS para tentar barrar o avanço da Lava-Jato, antes de votar qualquer mudança na lei.

“É hora de arrumar a casa, esclarecer fatos obscuros, responder com verdade a todas as dúvidas do povo brasileiro, punindo quem quer que seja, mostrando que vivemos em um país em que a lei vale para todos. Só assim é que haveremos de retomar a Reforma da Previdência Social e tantas outras medidas que o Brasil tanto necessita”, disse.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600