SIGA O EM

Magistrados e integrantes do MP protestam em Belo Horizonte contra pacote anticorrupção

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1089792, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press', 'link': '', 'legenda': 'Os ju\xedzes tamb\xe9m criticaram a PEC que congela gastos por 20 anos e a proposta que desvincula os sal\xe1rios dos magistrados dos vencimentos dos ministros do STF', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/12/01/829188/20161201170412783219e.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 01/12/2016 16:51 / atualizado em 01/12/2016 18:29

Alessandra Mello

Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press

Magistrados e integrantes do Ministério Público fizeram nesta quinta-feira em Belo Horizonte, em frente à sede da Justiça Federal, um protesto contra a decisão da Câmara dos Deputados de alterar o pacote anticorrupção e incluir no texto a possibilidade de punição para desembargadores, juízes, procuradores e promotores por abuso de autoridade.

Durante o evento, os juízes também criticaram a PEC que congela gastos por 20 anos e a proposta que desvincula os salários dos magistrados dos vencimentos dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). Durante o ato, o representante da Associação dos Magistrados da Justiça do Trabalho da 3 Região (Amatra3), Glauco Becho, convocou a população para participar de um protesto nacional em defesa da Operação Lava-jato e contra as mudanças no pacote anticorrupção.

Representes de entidades de classes da magistratura e do MP condenaram a aprovação e classificaram a decisão dos deputados como uma tentativa de cercear a atuação da Justiça e impedir o avanço do combate à corrupção no país. No mesmo momento da manifestação na capital, acontecia também, na entrada do Supremo Tribunal Federal (STF), em Brasília, um ato nacional convocado pela Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) em protesto contra a votação da Câmara.

O vice-presidente da Associação dos Juízes Federais (Ajufe), André Prado de Vasconcellos, criticou o projeto e afirmou que, em menos de quatro horas, “enquanto o Brasil pranteava a morte dos jogadores do time de Chapecó”, os deputados eliminaram oito das medidas contra a corrupção propostas pelo Ministério Público Federal por meio de um projeto de lei de iniciativa popular. O projeto foi votado na madrugada seguinte à queda do avião que matou a delegação da Chapecoense, em uma das maiores tragédias envolvendo do esporte mundial.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600