SIGA O EM

Kalil e João Leite mantêm acusações e ataques no último debate

O ex-presidente do Atlético enfatizou a falta de experiência administrativa do adversário. Já o tucano, destacou as criticas de Kalil às mulheres

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1083182, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Marcos Vieira/EM/D.A Press ', 'link': '', 'legenda': '', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/10/29/819060/20161029001148530993o.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 29/10/2016 00:10 / atualizado em 29/10/2016 08:16

Marcelo Ernesto

Marcos Vieira/EM/D.A Press


O último debate entre os candidatos à Prefeitura de Belo Horizonte (PBH), Alexandre Kalil (PHS) e João Leite (PSDB), na TV Globo, seguiu o mesmo roteiro de ataques dos confrontos anteriores entre os dois. O ex-presidente do Atlético enfatizou a falta de experiência administrativa do adversário. Já o tucano destacou as críticas de Kalil às mulheres. Kalil voltou a acusar o tucano e o partido dele pelas mazelas na área da saúde, por integrantes da legenda terem estado à frente da pasta nos últimos anos. Já Leite bateu novamente na tecla das dívidas do adversário com IPTU e com direitos trabalhistas dos seus empregados.

No primeiro bloco, temas de saúde, transporte e troca de acusações sobre dívidas de impostos deram o tom. O primeiro a perguntar foi João Leite (PSDB). O tucano questionou Kalil sobre saúde. Para o empresário, o principal problema é a falta de investimento. “Temos que priorizar a saúde, canalizando o dinheiro”, afirmou, acrescentando que cerca de R$ 2 milhões deixaram de ser investidos pela prefeitura.

O tucano defendeu o acompanhamento individualizado dos pacientes. “Vamos dobrar as consultas e os exames especializados”, disse. Na tréplica, Kalil citou hospitais que teriam sido prometidos pela atual administração, mas que os partidários de Leite não teriam executado no comando da Secretaria Municipal de Saúde.

A Companhia Urbanizadora (Urbel) da capital voltou a ser citada pelos candidatos. Kalil indagou João leite sobre a importância do órgão. O tucano destacou a importância da companhia e frisou a necessidade de se firmar parcerias com o Ministério das Cidades para garantir recursos. Ele disse ainda que, se eleito, fará o maior programa de habitação.“Vamos acompanhados de arquitetos e engenheiros da prefeitura para que as casas de vilas e favelas sejam mais seguras”, disse.

Kalil, por sua vez, disse que a Urbel na atual gestão está “abandonada e largada”, mas ficará em outro patamar na gestão dele. “A Urbel é a vida do aglomerado, é a vida da favela, é a vida da população mais carente”, destacou.

Ainda no primeiro bloco, o candidato do PHS frisou que seu adversário não tem pouca experiência administrativa. “Nunca teve uma loja de suco de vitamina. Na minha empresa, passaram 150 mil empregados. Essa empresa, que ele já foi lá pedir dinheiro. Essa empresa que ele cospe no prato e honrada, limpa e tocada por gente limpa. Nunca se envolveu em nenhum escândalo”, disse.

Em sua defesa, João Leite disse que, quando foi pedir dinheiro ao adversário, estava sem receber do Atlético havia cerca de quatro meses, mas que, mesmo assim, “nunca deixou de cumprir suas obrigações de atleta”. O tucano ainda afirmou que mudou sua percepção sobre Kalil. “Quando começou esta campanha, eu tinha respeito por ele, agora tenho decepção”, afirmou. Propostas sobre transporte público encerraram o primeiro bloco. Para Kalil, as ocupações não serão retiradas.

Ele citou que a PBH não foi capaz de acionar na Justiça a construtora e os responsáveis pela queda do Viaduto Batalha dos Guararapes, mas judicializou a situação quem mora nas ocupações. “Isso é uma covardia”. Você que está aí nas ocupações, vamos cuidar de você”, afirmou. Já João leite afirmou que fará com que as decisões judiciais sejam cumpridas, como as que determinaram as desocupações, mas buscará entendimento. “Essa cidade tem marcos legais que precisam ser respeitados”.

Segundo bloco


Sobre saúde, o tucano afirmou que vai implantar seu programa de saúde e destacou iniciativas voltadas à saúde das mulheres, como programas pré-natais. Leite ainda disse que o partido dele ficou à frente da Secretaria da Saúde, mas a pasta teria tido recursos enviados para outros fins. A afirmação de Leite foi em resposta à declaração de Kalil, de que o PSDB, partido do adversário, esteve no comando da secretaria e não foi capaz de ampliar o atendimento. Kalil ainda negou que tenha dito que faltam recursos. Para ele o que falta é qualidade do investimento.

Kalil disse que a educação passa por “uma crise profunda”, com alunos que não sabem ler, escrever nem fazer contas. Ele defendeu que haja valorização das professoras para que a educação possa virar o jogo para ter mais qualidade. Já Leite disse que é “lamentável” a forma que Kalil trata as mulheres. “Nos confiamos em você que cuida educação”, afirmou o tucano. Para Kalil, política de emprego de sucesso é quando a “prefeitura dá paz para o empresário”. Segundo ele, o prefeito deve dar a oportunidade para que comércio, indústria e serviços possam executar o seu trabalho e, assim, gerar empregos.

Por outro lado, João Leite disse que a prefeitura vai “trabalhar com as empresas”. Ele lembrou sua passagem à frente da Secretaria de Trabalho declarou que vai aproveitar a tecnologias das startups nas ações da prefeitura. Ele ainda disse que vai melhorar a emissão de licenças para diminuir a burocracia. Na tréplica, Kalil lembrou setores como turismo e polo de móveis, que precisam ser incentivados.

 

Terceiro bloco


No terceiro bloco, Kalil afirmou que no orçamento da PBH, apesar de ter sofrido redução, é necessário “racionalizar” a prefeitura. “Vamos fazer com o que tiver, mas vamos fazer”, afirmou Kalil. João Leite afirmou que a dívida do candidato do PHS daria para alimentar 12 mil crianças durante um ano. “Vamos fazer um cerco aos grandes sonegadores”, disse. Já Kalil, pediu que o adversário “não se destempere” e negou que a dívida dele seja tão importante.

Na sequência, o ex-presidente do Atlético citou uma série de nomes aliados de João leite que estão em cargos da prefeitura. Kalil perguntou se o senador Aécio Neves (PSDB) seria referência moral de João Leite. O tucano respondeu dizendo que as referências dele são os pais. “Minha referência é meu pai e minha mãe. É Deus”, afirmou o tucano. Ele ainda disse que respeita as mulheres e que o adversário “xingou a mãe dele”. Já Kalil respondeu fazendo críticas à atuação do tucano como deputado na Comissão de Direitos Humanos da Assembleia. "Mais grave que isso é soltar estuprador”, atacou.

João Leite acusou Kalil de copiar propostas dele, principalmente da área de segurança pública, como a de dobrar o efetivo da Guarda Municipal. Kalil respondeu dizendo que a proposta relacionada à Guarda está em seu plano de propostas desde o início da campanha. Sobre a contas de campanha, João leite disse que tudo está listado na prestação. “Tudo que está declarado está lá”. Ele ainda acusou Kalil, dizendo que ele se mostrava pobre no início da campanha, mas acabou investindo mais de R$ 2 milhões na campanha.

Já Kalil disse que fez apenas uma campanha e teve que vender apartamento, já o adversário fez nove campanhas e tem apartamento em Orlando (EUA). “Tudo que eu fiz saiu do meu bolso, não do dinheiro publico ou lista de Furnas”, alfinetou. O tucano, por sua vez, afirmou que o dinheiro veio de sua vida como atleta. “Tudo veio do meu suor. Tá tudo declarado”.

Considerações finais


Nas considerações finais, Kalil afirmou que sai “enriquecido” de experiência de ser candidato.”Eu quero te agradecer, eleitor, eu me tornei um cara que sabe o que você está sentindo”, disse. Ele ainda acrescentou que viver o cotidiano dos eleitores o fez se tornar uma pessoa que sabe entender melhor o outro. Vocês me fizeram um homem melhor. Independemente de tudo, vocês me mudaram definitivamente”, concluiu.

Leite também agradeceu e disse que ele é muito diferente do adversário. “Eu tenho uma ficha limpa, por isso posso ser candidato tantas vezes”, declarou. O tucano disse que os eleitores têm a oportunidade de escolher o prefeito como alguém que escolhe um síndico. E terminou dizendo que sua vocação é “cuidar das pessoas”.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
MUDA
MUDA - 29 de Outubro às 14:07
Assistindo o ( debate ) ontem, fiquei pensando...... estes caras não atenderam o que a população quer e precisa !! isto mesmo, ficam trocando farpas como se isto vai convencer o eleitor.. Precisam perceber que estamos em outra época e precisamos de gestores e não de gladiadores.
 
MUDA
MUDA - 29 de Outubro às 13:58
Pode misturar os dois que não sai nada que presta. Estamos ferrados !!!
 
Rodrigo
Rodrigo - 29 de Outubro às 12:08
Doutor Célio de Castro, descanse em paz! Que saudade...
 
Eduardo
Eduardo - 29 de Outubro às 11:37
kalil sempre com a mesma conversinha fiada. Vergonha para BH se colocar um sujeito desse na prefeitura.
 
Carlos
Carlos - 29 de Outubro às 10:53
Elegeram o Lula duas vezes. Elegeram a Dilma duas vezes. Resultado: destruiram o Brasil, doze milhões de desempregados, inflação de volta. Agora se elegerem o Kalil vai ser a mesma coisa, ele vai destruir nossa cidade. É muita ignorância errar tantas vezes e não aprender a lição.
 
Full
Full - 29 de Outubro às 10:05
Olha aí, coxinhas e golpistas, e vejam o resultado das paneladas e desfiles com a camisa da CBF.
 
Gilney
Gilney - 29 de Outubro às 09:40
Kalil representa a volta do coronelismo aqui em BH em pleno seculo XXI . É o coronelismo dos tempos modernos, mas continua o estilo autocrático, amedrontador, sem respeito pelas pessoas. e que passa a falsa impressão (para os mais fracos e sem instrução) de que é este tipo que precisamos. É um tipo de pessoa que se julga acima das leis e das pessoas. BH merece algo melhor e não este retrocesso.
 
Gilney
Gilney - 29 de Outubro às 09:20
Um deles tenho certeza do que vai ser, pelo histórico e pelo que já se sabe. O outro será uma dúvida. Com certeza prefiro apostar na dúvida, porque pelo menos temos uma chance de dar certo. Pelo menos vejo mais caráter nele. Se ele é o ideal para BH, também não sei. Só sei que não podemos deixar um lobo tomar conta do galinheiro, prometendo que vai cuidar bem das galinhas.
 
Meirelles
Meirelles - 29 de Outubro às 08:30
João Leite (a velha política) fala em conversar com deputados e com ministro para conseguir recursos. Então o que João Leite disse? Tem pessoas que se apossam do dinheiro do contribuinte e para que este dinheiro chegue ao povo tem que pagar um pedágio (corrupção, cargos de confiança, conchavos, votações contra os interesses do povo e outras sujeiras do meio político). Se não é isto, então por que um prefeito de uma capital tem que conversar com políticos "superiores" para fazer o bem para o povo?
 
Thiago
Thiago - 29 de Outubro às 08:11
Resumindo: Nenhum dos dois merecem ganhar. Tudo será a mesma coisa, e a população é que vai se ferrar mais uma vez!
 
Salvatore
Salvatore - 29 de Outubro às 06:10
Kaliu, Este *Mauricinho* com complexo de *Peter Pan*, metido a administrador, travestido de PT, quer a prefeitura de BH como mais uma conquista aventureira.
 
Jairo
Jairo - 29 de Outubro às 01:26
Esse João Leite fica batendo na tecla de quando o Kalil brincou a respeito da conquista da taça libertadores em uma entrevista com o comentarista Benja que todo mundo pode ver no youtube sem truques de edição.Êta cara chato sô.Do lado de cá não tem nenhum bobo ou idiota.