SIGA O EM

Candidatos votaram pela manhã e fizeram balanço da campanha eleitoral em BH

João Leite e Kalil seguem confiantes em um segundo turno na capital mineira

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1076540, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'EM/DA Press', 'link': '', 'legenda': '', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/10/02/810092/20161002154629865891o.jpg', 'alinhamento': 'left', 'descricao': ''}]

postado em 02/10/2016 15:40 / atualizado em 02/10/2016 15:46

Eduardo Tristão Girão /Estado de Minas , Mateus Parreiras , Luciane Evans /

EM/DA Press
Os candidatos a prefeito de Belo Horizonte votaram pela manhã, acompanhados de familiares e assessores políticos. João Leite chegou à seção em que vota, no Colégio Estadual Central, ao lado da mulher, Eliana, e do seu candidato a vice, Ronaldo Gontijo. Confiante numa votação expressiva, ele falou sobre a possibilidade de segundo turno. "Quero agora que, num possível segundo turno, a população me dê essa oportunidade de administrar a cidade do meu coração, a cidade da Serra do Curral", afirmou. Antes de votar, o candidato agradeceu a população de Belo Horizonte. "Quero agradecer muito a Belo Horizonte e obrigado a vocês também que estiveram presentes no momento muito importante para a cidade e para o Brasil. A mudança do nosso país começa às vezes pelas nossas cidades", disse.

Também no Colégio Estadual Central votou o candidato Alexandre Kalil (PHS). Acompanhado pela mulher, ele disse em entrevista que, independentemente do resultado das urnas, “não podia morrer sem ter essa caminhada” e que essa é uma “oportunidade rara do povo de BH ter uma opção diferente”. “Foi uma aventura, mas uma aventura bacana. O acolhimento me impressionou. O pessoal mais humilde pede pouco e está muito abandonado." Em relação à possibilidade de disputar o segundo turno, o candidato disse não esperar apoio do governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel. “Ele vai apoiar o candidato dele, pois é o cacique dele. Não tenho cacique e nem quero. Não quero cacique nenhum perto de mim, no primeiro, segundo, terceiro ou quarto turno”, diz.

Outro que votou no Colégio Estadual Central foi o candidato Délio Malheiros (PSD). Ele estava acompanhado da mulher e do prefeito da cidade, Marcio Lacerda. “Foi uma eleição diferente, muito curta e com legislação nova, mas apresentamos propostas, mostramos o que fizemos, fazemos e vamos fazer na prefeitura. Da nossa parte, foi uma eleição de alto nível. Foi uma campanha propositiva em que os candidatos começaram a digladiar e a entrar em discussões que não envolviam BH. Focamos na administração. Construímos uma escola a cada 20 dias na cidade”, disse Malheiros. O candidato aproveitou para agradecer pelo apoio de Lacerda, que também votou no mesmo local.

Lacerda lamentou as novas regras que mudaram o encaminhamento do processo eleitoral em todo o Brasil a partir deste ano. “Foram blocos de 10 minutos com 11 candidatos em 35 dias. No corpo a corpo na cidade, percebemos muita gente que não tinha a menor noção de quem eram os candidatos. Muitos disseram que votariam em mim e não sou candidato. O eleitor não teve informação suficiente e, desse ponto de vista, a democracia saiu prejudicada”, analisa Lacerda. Sobre a escolha de Malheiros para entrar na disputa, após a retirada da candidatura de Paulo Brant, o prefeito de BH afirmou: “A opção pelo Délio foi a correta, sim, pelo que ele representa na continuidade da nossa gestão, acompanhando de perto todos os projetos. Não pudemos manter o candidato que preferíamos inicialmente em função de problemas jurídicos que nem ele sabia”.

O candidato do PMDB, Rodrigo Pacheco, votou no Colégio Santo Thomás de Aquino, no São Bento, Ele fez um balanço da campanha e destacou que apresentou propostas efetivas para a população. "O balanço é positivo e a sensação é de missão cumprida. De ter dito a verdade o tempo todo, apontado propostas efetivas para a cidade. A ideia, na prática, da Prefeitura Integral é, por meio da administração, encontrarmos a solução dos problemas de Belo Horizonte, do começo ao fim; de todos eles".

Os demais candidatos também foram às urnas pela manhã. O candidato Luis Tibé (PTdoB), votou às 9h, na Escola Estadual Flávio dos Santos, bairro Floresta. Maria da Consolação (PSOL) votou no Cachoeirinha acompanhada de mulheres e jovens feministas. Acompanhado por esposa e filhos, o candidato Marcelo Álvaro Antônio votou às 11h, na Colégio Santa Rita de Cássia, na região do Barreiro. Sargento Rodrigues (PDT) votou no Colégio Santa Marcelina, na Pampulha, mesmo local de Eros Biondini (PROS). Já Reginaldo Lopes votou na Escola Municipal Dom Orinone, no Bairro Ouro Preto.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600