SIGA O EM

Deputado mineiro dispensa auxílio-moradia e divide apartamento com funcionários

Na contramão de muitos de seus colegas e de autoridades do Judiciário e do MP, parlamentar mineiro abriu mão de receber quase R$ 5 mil

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 999486, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Ramon Lisboa/EM/D.A PRESS', 'link': '', 'legenda': 'Noraldino (em p\xe9) na sala do apartamento que divide com os funcion\xe1rios: aluguel \xe9 por conta do deputado e demais despesas s\xe3o divididas\n\n', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/02/08/732418/20160208073732102761a.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 08/02/2016 07:00 / atualizado em 08/02/2016 07:40

Juliana Cipriani /Estado de Minas

Ramon Lisboa/EM/D.A PRESS

Enquanto a maioria dos parlamentares e integrantes do Ministério Público e Judiciário ganham auxílio mensal de R$ 4,3 mil para morar perto do trabalho, um deputado estadual mineiro que abriu mão da verba optou por uma forma inusitada de moradia. Ele compartilha o apartamento que fica a poucos metros da Assembleia Legislativa com mais cinco funcionários do gabinete e um da Cidade Administrativa. Desde fevereiro do ano passado, o grupo divide um espaço com quatro quartos, três banheiros, duas varandas e uma ampla sala no Bairro Santo Agostinho. Eles também dividem dois carros, alugados com verba indenizatória, para se deslocar para Juiz de Fora, na Zona da Mata, nos fins de semana.

O chefe dessa turma, deputado Noraldino Junior (PSC), conta que a “república” foi a forma encontrada para trazer quem já trabalhava com ele em Juiz de Fora para o Legislativo estadual, em Belo Horizonte. “É a nossa equipe desde quando era vereador, temos uma relação de amizade e quis trazê-los comigo, mas ficaria caro morar aqui”, afirma. O deputado, que ganha R$ 25.322,25 como parlamentar, é quem banca o aluguel de R$ 3,1 mil (sendo R$ 900 de condomínio) e a conta de luz de cerca de R$ 200 sozinho. Os funcionários garantem que não lhes é exigido tirar nada dos salários, que variam de R$ 2 mil a R$ 13,3 mil, pelo fato de morar com o chefe. O transporte entre Juiz de Fora e a capital e também quando é necessário deslocamento em BH é feito nos carros alugados a um custo de R$ 3,4 mil: um Corola e um Prisma.

A única mulher na casa atualmente (até o fim do ano passado a assessora Nathália também morava lá) é a secretária Célia Reis, que fica sozinha no quarto com televisão da casa, mas divide o armário com Wagner Almeida, o agregado da Cidade Administrativa que dorme na sala. Ela tem a vantagem de não ter de compartilhar com ninguém o banheiro feminino. “É bem tranquilo, já conhecia todo mundo e o banheiro é só meu”, diz. Também moram no apartamento o chefe de gabinete Heloyr Fortunato, os auxiliares de gabinete Igor Bezerra e Marcos Paulo Florenzano e o secretário de gabinete Ricardo Smyllie.

Os assessores dizem que não há fila para usar o outro banheiro, pois cada um acorda e sai em horário diferente. Noraldino não entra nessa conta. Como “líder” da casa, tem um quarto com cama de casal e suíte. Até porque, é lá que dorme a esposa dele Patrícia, quando vem para a capital. Recentemente o deputado colocou também um frigobar no seu quarto. Os moradores compram e fazem comida para todos, em uma espécie de revezamento, mas também há os alimentos particulares. Estes são escondidos ou separados pelo dono em compartimentos do armário da cozinha, mas de vez em quando há quem coma itens do outro. “Sou o que mais como, mas depois eu reponho”, disse Noraldino.

A casa foi alugada mobiliada. Todos têm uma chave.O clima é amistoso e o ponto de encontro é a sala. Lá Heloyr e Ricardo ensinaram Igor a tocar violão e o deputado também entrou na aula. “Era só uma música que tocava: ‘para a nossa alegria’. Não aguentava mais ouvir”, se diverte o deputado, que ensaiou umas notas durante visita do EM. “Às 7 da manhã o primeiro que acordava chegava e pegava o violão tocando para acordar os outros”, reclama Heloyr.

A desvantagem de morar com o chefe, contam os funcionários, é que às vezes eles conversam sobre trabalho até altas horas da noite. “Às vezes o Noraldino tem uma ideia às 23h30 e resolve discutir”, conta Heloyr. A casa tem seu próprio regimento interno, afixado na porta da cozinha. Entre as regras estão apagar as luzes, se alimentar somente na mesa e tomar banhos de no máximo 10 minutos. Cada um fica responsável por arrumar o quarto. Os colegas de trabalho também não andam de pijama fora dos quartos. “Ninguém se entromete na vida de ninguém, é todo mundo casado e temos um ambiente de respeito”, garante o chefe do gabinete.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Gildo
Gildo - 09 de Ferveiro às 13:36
A reportagem deve continuar principalmente noticiando o absurdo deste auxílio para juízes e promotores. Registro que em 2003 a CF foi emendada criando o subsídio para estas carreiras, justamente para impedir estes penduricalhos na remuneração dos nobres agentes políticos. Agora o STF na pessoa do Min. Fux defere liminar concedendo este suposto direito aos juízes alegando que o mesmo tem previsão na Loman (Lei Orgânica da Magistratura Nacional). Porém ,esqueceu ele, julgando em causa própria, que a emenda Constitucional veio com este exclusivo e único objetivo de acabar com os penduricalhos.
 
Bruno
Bruno - 09 de Ferveiro às 08:02
Parabéns, EM, por divulgar essa notícia tão boa! Ainda existem honestos na ALMG.
 
Ricardo
Ricardo - 09 de Ferveiro às 00:58
Se alguém quiser aprender, posso ensinar para vocês também. Este hino só tem três notas: Dó, Ré, e Mi menor! Procure na voz do conjunto Som Maior, Galhos Secos .
 
Paulo
Paulo - 08 de Ferveiro às 19:15
Deputado... Parabéns pela iniciativa. Que ela seja copiada pelos seus nobres colegas. Os outros deputados tem o meu respeito, apesar de alguns pesares. Você e equipe têm meu respeito e admiração.
 
Geraldo
Geraldo - 08 de Ferveiro às 19:03
Nem tudo está perdido.
 
José
José - 08 de Ferveiro às 17:22
Vamos ver até quando ! ! ! - - - - - - """Cachorro mordido por cobra tem medo de linguiça""" . Se continuar, se for sério terá meu voto - dependendo do desempenho como parlamentar !
 
geraldo
geraldo - 08 de Ferveiro às 15:04
Se a moda pega. Qta economia aos cofres públicos.
 
José
José - 08 de Ferveiro às 14:56
Um bom exemplo, ganhou meu voto na próxima eleição. Diferente de outro colega dele aqui de Juiz de Fora, que não abriu mão do auxílio moradia. Esse perdeu meu voto. Demagogo...
 
Andre
Andre - 08 de Ferveiro às 14:11
Excelente exemplo, NESSE AI EU VOTO......Parabéns
 
Antonio
Antonio - 08 de Ferveiro às 12:22
Bom o EM fazer matérias assim. Precisamos de boas notícias para renovar as esperanças de que é possível...
 
Frederico
Frederico - 08 de Ferveiro às 12:15
Grande exemplo. Parabéns Noraldino Junior e cia.!
 
jose
jose - 08 de Ferveiro às 08:30
Tai quando digo que mp,dp e maldito tjmg é tudo a mesma coisa:não fazem nada pros pobres e humildes...só em prol dos banqueiros,ricos e ficam na mídia com a desgraça dos moradores de Mariana,passagens de ônibus e tantas merdas mais!