Publicidade

Estado de Minas

Deputado mineiro dispensa auxílio-moradia e divide apartamento com funcionários

Na contramão de muitos de seus colegas e de autoridades do Judiciário e do MP, parlamentar mineiro abriu mão de receber quase R$ 5 mil


postado em 08/02/2016 07:00 / atualizado em 08/02/2016 07:40

Noraldino (em pé) na sala do apartamento que divide com os funcionários: aluguel é por conta do deputado e demais despesas são divididas (foto: Ramon Lisboa/EM/D.A PRESS)
Noraldino (em pé) na sala do apartamento que divide com os funcionários: aluguel é por conta do deputado e demais despesas são divididas (foto: Ramon Lisboa/EM/D.A PRESS)

Enquanto a maioria dos parlamentares e integrantes do Ministério Público e Judiciário ganham auxílio mensal de R$ 4,3 mil para morar perto do trabalho, um deputado estadual mineiro que abriu mão da verba optou por uma forma inusitada de moradia. Ele compartilha o apartamento que fica a poucos metros da Assembleia Legislativa com mais cinco funcionários do gabinete e um da Cidade Administrativa. Desde fevereiro do ano passado, o grupo divide um espaço com quatro quartos, três banheiros, duas varandas e uma ampla sala no Bairro Santo Agostinho. Eles também dividem dois carros, alugados com verba indenizatória, para se deslocar para Juiz de Fora, na Zona da Mata, nos fins de semana.

O chefe dessa turma, deputado Noraldino Junior (PSC), conta que a “república” foi a forma encontrada para trazer quem já trabalhava com ele em Juiz de Fora para o Legislativo estadual, em Belo Horizonte. “É a nossa equipe desde quando era vereador, temos uma relação de amizade e quis trazê-los comigo, mas ficaria caro morar aqui”, afirma. O deputado, que ganha R$ 25.322,25 como parlamentar, é quem banca o aluguel de R$ 3,1 mil (sendo R$ 900 de condomínio) e a conta de luz de cerca de R$ 200 sozinho. Os funcionários garantem que não lhes é exigido tirar nada dos salários, que variam de R$ 2 mil a R$ 13,3 mil, pelo fato de morar com o chefe. O transporte entre Juiz de Fora e a capital e também quando é necessário deslocamento em BH é feito nos carros alugados a um custo de R$ 3,4 mil: um Corola e um Prisma.

A única mulher na casa atualmente (até o fim do ano passado a assessora Nathália também morava lá) é a secretária Célia Reis, que fica sozinha no quarto com televisão da casa, mas divide o armário com Wagner Almeida, o agregado da Cidade Administrativa que dorme na sala. Ela tem a vantagem de não ter de compartilhar com ninguém o banheiro feminino. “É bem tranquilo, já conhecia todo mundo e o banheiro é só meu”, diz. Também moram no apartamento o chefe de gabinete Heloyr Fortunato, os auxiliares de gabinete Igor Bezerra e Marcos Paulo Florenzano e o secretário de gabinete Ricardo Smyllie.

Os assessores dizem que não há fila para usar o outro banheiro, pois cada um acorda e sai em horário diferente. Noraldino não entra nessa conta. Como “líder” da casa, tem um quarto com cama de casal e suíte. Até porque, é lá que dorme a esposa dele Patrícia, quando vem para a capital. Recentemente o deputado colocou também um frigobar no seu quarto. Os moradores compram e fazem comida para todos, em uma espécie de revezamento, mas também há os alimentos particulares. Estes são escondidos ou separados pelo dono em compartimentos do armário da cozinha, mas de vez em quando há quem coma itens do outro. “Sou o que mais como, mas depois eu reponho”, disse Noraldino.

A casa foi alugada mobiliada. Todos têm uma chave.O clima é amistoso e o ponto de encontro é a sala. Lá Heloyr e Ricardo ensinaram Igor a tocar violão e o deputado também entrou na aula. “Era só uma música que tocava: ‘para a nossa alegria’. Não aguentava mais ouvir”, se diverte o deputado, que ensaiou umas notas durante visita do EM. “Às 7 da manhã o primeiro que acordava chegava e pegava o violão tocando para acordar os outros”, reclama Heloyr.

A desvantagem de morar com o chefe, contam os funcionários, é que às vezes eles conversam sobre trabalho até altas horas da noite. “Às vezes o Noraldino tem uma ideia às 23h30 e resolve discutir”, conta Heloyr. A casa tem seu próprio regimento interno, afixado na porta da cozinha. Entre as regras estão apagar as luzes, se alimentar somente na mesa e tomar banhos de no máximo 10 minutos. Cada um fica responsável por arrumar o quarto. Os colegas de trabalho também não andam de pijama fora dos quartos. “Ninguém se entromete na vida de ninguém, é todo mundo casado e temos um ambiente de respeito”, garante o chefe do gabinete.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade