Publicidade

Estado de Minas

Dois feridos graves de explosão em usina da Gerdau são transferidos para BH

Operários que estavam na UTI foram transportados em helicóptero para HPS de BH. C carros de funerárias locais levaram os corpos para IML de Conselheiro Lafaiete. Empresa não divulgou nomes dos mortos e feridos


postado em 15/08/2017 16:07 / atualizado em 15/08/2017 18:41

Explosão aconteceu na parte inferior da coqueria 2 da usina da Gerdau em Ouro Branco(foto: Sindob/Divulgação)
Explosão aconteceu na parte inferior da coqueria 2 da usina da Gerdau em Ouro Branco (foto: Sindob/Divulgação)

Policiais civis liberaram a retirada dos corpos de dois operários que morreram durante uma explosão na usina da Gerdau, em Ouro Branco, Região Central de Minas Gerais, a 116 quilômetros da capital. Agora, já somam sete óbitos de trabalhadores nas instalações da empresa na cidade mineira desde novembro do ano passado. Além das duas mortes na manhã desta terça-feira, 10 funcionários ficaram feridos e foram encaminhado ao Hospital Fundação Ouro Branco (FOB), dois deles, internados na Unidade de Tratamento Intensivo da unidade de saúde, foram transferidos de helicóptero para o setor de queimados do Hospital João XXIII, em BH.

De acordo como o diretor administrativo do Sindicato dos Metalúrgicos de Ouro Branco e Base (Sindob), Carlos José Ribeiro Cavalcante, a explosão aconteceu pela manhã na coqueria 2 da usina, um forno em que é produzido o coque (carvão), matéria-prima essencial na produção do aço nos altos-fornos. “Ao que sabemos, ocorreu uma ignição na parte inferior, onde os operários realizavam a manutenção. Nesta mesma coqueria houve uma explosão na chaminé em 2015, que por sorte não matou e nem feriu trabalhadores”, explicou.

depois da explosão, atividades foram suspensas na área afetada da usina(foto: Sindob/Divulgação)
depois da explosão, atividades foram suspensas na área afetada da usina (foto: Sindob/Divulgação)
Os dois corpos foram levados para o Instituto Médico Legal de Conselheiro Lafaiete em dois carros funerários, por volta das 16h. Peritos da Polícia Civil, da delegacia de Congonhas, seguem com os levantamentos no local da explosão. Os nomes dos mortos e feridos, bem como o estado deles, não foram divulgados pela empresa, que em nota confirmou os óbitos. No Hospital  da FOB, a siderúrgica determinou que não fossem passadas informações sobre os operários, segundo disse uma atendente.

Uma comissão de sindicalistas e parentes de funcionários aguardam na portaria principal da usina a troca de turno às 18h. Como não é permitido o uso de telefones celulares pelos trabalhadores na área da usina, quem está do lado de fora não tem maiores informações sobre o acidente e o clima entre os operários.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade