SIGA O EM

Sirenes serão acionadas nesta quinta-feira em Mariana para lembrar seis meses da tragédia

O movimento #UmMinutoDeSirene, criado por moradores de Mariana, e simpatizantes da luta das vítimas da Barragem do Fundão, de propriedade da Samarco, farão o ato

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1032561, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Leandro Couri/EM/D.A Press', 'link': '', 'legenda': 'O rompimento da Barragem do Fund\xe3o completa seis meses nesta quinta-feira', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/05/04/759271/20160504181714802331a.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 04/05/2016 18:10 / atualizado em 04/05/2016 22:59

Paulo Henrique Lobato /

Leandro Couri/EM/D.A Press

O movimento #UmMinutoDeSirene, criado por moradores de Mariana, e simpatizantes da luta das vítimas da Barragem do Fundão, de propriedade da Samarco, preparam uma grande manifestação para esta quinta-feira, quando a maior tragédia socioambiental do Brasil completará seis meses.

Às 19h, na Praça da Sé, no Centro da cidade histórica, o grupo vai replicar o som de uma sirene durante um minuto. O nome do movimento é um protesto à ausência do equipamento na represa da mineradora. Especialistas avaliam que vidas poderiam ser salvas se o equipamento estivesse instalado.

Dezenove pessoas, sendo 13 funcionários da Samarco ou de prestadoras de serviços, morreram. As outras seis vítimas residiam no distrito de Bento Rodrigues, o primeiro a ser devastado.

O #UmMinutoDeSirene disponibilizou na internet – https://goo.gl/TcediO – um kit para quem deseja replicar o som da sirene nas redes sociais. Amanhã, das 15h30 às 16h30, o grupo fará um “compartilhaço” de fotos com a hashtag #UmMinutoDeSirene. No mesmo horário, numa iniciativa do Greenpeace Brasil, haverá um twitaço.

Tragédia

O maior desastre socioambiental do país, na tarde de 5 de novembro de 2015, devastou quase 1,5 mil hectares de matas ciliares, destruiu três rios (Gualaxo do Norte, Carmo e Doce), atingiu o Oceano Atlântico, soterrou mais de 100 nascentes, assassinou um incontável número de animais e causou grande prejuízo a milhares de famílias. (RB)
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600