SIGA O EM

Polícia Civil conclui inquérito que investiga as causas do rompimento de barragem em Mariana

Nesta etapa da investigação, foram apurados os homicídios, delitos de perigo comum e contra a saúde pública. Os resultados serão divulgados nesta terça-feira

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1005722, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press', 'link': '', 'legenda': 'Trag\xe9dia deixou 17 mortos e duas pessoas desaparecidas', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/02/22/736638/20160222182450293965o.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 22/02/2016 18:07 / atualizado em 22/02/2016 22:07

João Henrique do Vale

Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press

O inquérito aberto pela Polícia Civil para apurar as causas do rompimento da barragem do Fundão, em Mariana na Região Central de Minas Gerais, foi concluído nesta segunda-feira. A tragédia, considerada a maior do país, deixou 17 mortes, dois desaparecidos, e 725 pessoas desabrigadas. Nesta etapa da investigação, foram apurados os homicídios, delitos de perigo comum e contra a saúde pública. Os resultados serão divulgados nesta terça-feira durante entrevista coletiva na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG).

A conclusão das investigações sobre a tragédia foi adiada por três vezes a pedido da Polícia Civil. O primeiro inquérito foi aberto em 6 de novembro, um dia depois do rompimento da barragem. Por causa da complexidade das investigações, o inquérito foi desmembrado. O segundo procedimento apura os crimes ambientais e licenciamentos da barragem. O prazo para a conclusão é até 12 de março.

O resultado das investigações não foi informado pela Polícia Civil. Nesta terça-feira, a chefe da Polícia Civil de Minas Gerais, delegada Andrea Vacchiano, o delegado regional de Ouro Preto e responsável pelo inquérito, Rodrigo Bustamante, e o perito criminal Otávio Guerra, responsável pelo laudo técnico da causa do rompimento, vão apresentar os detalhes, às 14h30, na ALMG.

A tragédia também é investigada pela Polícia Federal (PF). No fim do mês passado, o Estado de Minas revelou, com exclusividade, que o relatório da PF aponta "dolo eventual" - quando se assume o risco, mesmo sem intenção de que o crime aconteça - da Samarco, proprietária da barragem, na tragédia de Mariana. A polícia já responsabilizou seis funcionários da mineradora, incluindo o presidente afastado, Ricardo Vescovi.

As apurações estão em curso. Na última semana, equipes da PF cumpriram mandados de busca e apreensão em escritórios da empresa Samarco, dona da Barragem do Fundão. A ação ocorreu em Mariana, em Anchieta, no Espírito Santo, e na casa de um engenheiro da empresa. As buscas fazem parte do inquérito que investiga os danos ambientais causados pelo rompimento.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600