SIGA O EM

Lama de rejeitos afetou pelo menos mil hectares de áreas de preservação permanente

De acordo com o Ibama, os funcionários seguem trabalhando no salvamento de peixes, especialmente das espécies nativas da bacia

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 20/11/2015 13:40 / atualizado em 20/11/2015 13:52

Daniel Camargos /

Técnicos do Ibama que acompanham os efeitos da devastação provocada pelo rompimento da barragem do Fundão, da Samarco (controlada pela Vale e BHP Billinton), no dia 5 de novembro, estimam que a lama de rejeitos minerais afetou  aproximadamente mil hectares de áreas de preservação permanente nas margens dos rios por onde os rejeitos passaram,  principalmente o Rio Doce. De acordo com a coordenadora geral de emergência ambiental do Ibama, Fernanda Pirilo, os funcionários do órgão federal seguem trabalhando no salvamento de peixes, especialmente das espécies nativas da bacia.

O Ibama alerta que é preciso cuidado no resgate de peixes para que o problema não seja aprofundado por ações precipitadas, ainda que bem intencionadas. O instituto listou alguns dos possíveis problemas na transferência indiscriminada de peixes do rio para as lagoa.

- Altíssimos índices de mortalidade dos peixes trazidos do Rio Doce, pelas dificuldades técnicas no transporte ou pela não adaptação aos ambientes das lagoas marginais
- Predação maciça de peixes jovens em desenvolvimento em lagoas que tenham papel de berçário
- Transferência indiscriminada de espécies exóticas invasoras presentes no Rio Doce, como o bagre africano e o tucunaré
- Concorrência intensa com os peixes residentes das lagoas, por comida e refúgios
- Alterações químicas decorrentes de possíveis contaminantes que podem já ter chegado aos pontos mais baixos do Rio Doce
- Mortandade em massa pelo esgotamento de oxigênio na água em razão da superlotação das lagoas
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Marcelo
Marcelo - 20 de Novembro às 15:41
E ainda querem construir uma outra barragem de rejeitos,na bacia do rio das velhas em Rio Acima, perto de Nova Lima, que é 14 vezes maior do que a de Bento Rodrigues...
 
Carlos
Carlos - 20 de Novembro às 15:26
Tenho visto discursos da prefeita de Governador Valadares culpabilizando a Samarco pela tragédia, perfeito este fato é verdadeiro. Não vi nenhum prefeito comentar que rio já estava agonizando por receber esgoto das cidades e das industrias. O que efetivamente as prefeituras principalmente a de Governador Valadares, que um centro maior, tem feito para recuperar o rio? Os lixões que o prazo para acabarem já se encerou as prefeituras ribeirinhas implantaram os ateros sanitários. Por enquanto só vejo um monte de políticos, aproveitando de um momento tão delicado para tentarem se promover.