SIGA O EM

Jovem atingida por carro na Raja Gabáglia tem perna amputada

A cirurgia de amputação aconteceu no Hospital João XXIII, para onde Paola foi socorrida depois do acidente. Paola Antonini Franca Costa agora se recupera no Hospital Felício Rocho

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 29/12/2014 10:54 / atualizado em 29/12/2014 12:04

Luana Cruz / , Cristiane Silva

Reprodução Instagram
A jovem Paola Antonini Franca Costa, de 20, teve a perna esquerda amputada no último sábado depois de ser atingida por um Fiat 500 na Avenida Raja Gabaglia, na Região Oeste de Belo Horizonte. De acordo com a Polícia Militar (PM), a motorista do carro ingeriu bebida alcoólica. Paola teve a perna esmagada quando colocava a mala no bagageiro do seu carro, um Fiat Bravo, pois viajaria com o namorado para o reveillon em Búzios (RJ).

A cirurgia aconteceu no Hospital João XXIII, para onde Paola foi socorrida depois do acidente. Os médicos optaram pela amputação transtibial, um pouco abaixo do joelho. A jovem agora se recupera no Hospital Felício Rocho, onde deu entrada nesta segunda-feira. De acordo com assessoria da unidade, a família não autorizou a divulgação de informações sobre o quadro de saúde da paciente.

Conforme o boletim de ocorrência da PM, a motorista Diandra Lamounier Morais de Melo, de 24 anos, passou pelo teste do bafômetro, que constatou 0,53 miligramas por litro de ar expelido dos pulmões, valor considerado crime de trânsito. Além disso, a condutora foi multada por não portar a Carteira Nacional de Habilitação (CNH).

Testemunhas contaram à Polícia Militar (PM) que Diandra seguia pela Raja Gabáglia (sentido Bairro/Centro) quando, nas proximidades do Hospital Madre Teresa, perdeu o controle da direção e bateu na traseira do Fiat Bravo, que estava estacionado. Paola colocava malas no bagageiro quando o Fiat 500 bateu e foi prensada. Também consta no boletim da PM informações de que o carro estaria em alta velocidade. Diandra foi levada para a delegacia do Departamento de Trânsito de Minas Gerais (Detran), onde prestou depoimento. Segundo a Polícia Civil, ela pagou fiança de R$ 1,5 mil e foi liberada.

Paola Antonini é muito conhecida nas redes sociais desde 2009, quando integrou, durante um ano, a Galera Capricho, grupo de adolescentes que produz conteúdo para a revista homônima. No Twitter, a jovem conta com mais de 24 mil seguidores e no Instagram, ela tem mais de 13 mil. Fãs e amigos se manifestaram por meio das redes sociais para apoiá-la.

“Ainda chocada com o acidente com a @PaolaAntonini MUITA força. Deus está com você é tudo vai ficar bem. Você vai superar isso!!”, comentou uma internauta pelo Twitter. “A @PaolaAntonini sabe que uma pessoa maravilhosa como ela sempre terá amigos desejando tudo de bom a ela. Que fique bem logo.” disse outro jovem. A jovem também é seguida de perto pelos fãs no Instagram, onde posta fotos de sua rotina, viagens, baladas e trabalhos como modelo. Muitos usuários aproveitaram o espaço de comentários para enviar mensagens à jovem

Reprodução Instagram

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
agnaldo
agnaldo - 29 de Dezembro às 20:43
Li atentamente os comentários aqui presentes. Minha conclusão é a seguinte: A moça que causou o acidente tem culpa sim. No entanto, não devemos crucificá-la a tal ponto de falarmos em pena de morte ou prisão longa. Penso que, uma indenização justa deve ser a melhor solução, além de, perda da cnh por um bom tempo. Quanto ao País sem lei citado por alguns, minha opinião é de que, o que mais nosso País tem é lei, basta fazerem cumpri-las. E, ela vai sim sofrer as consêquencias de acordo com a lei. Aqueles que estão julgando a moça radicalmente eu digo: Isso pode acontecer com qualquer um.
 
FRANCISCO
FRANCISCO - 30 de Dezembro às 16:56
Discordo de parte de seu comentário.Motorista sóbrio ao volante é uma coisa.Motorista embriagado ao volante é outra.Tem de haver penas distintas,ok ?
 
Eder
Eder - 29 de Dezembro às 20:39
Realmente, é muito lamentável e triste o que ocorreu! Vidas são tiradas e pessoas são mutiladas por pessoas que, como a Diandra, são irresponsáveis e não tem qualquer amor à vida de seu semelhante e nem compromisso com a sociedade. Tomara que seja processada, civil e criminalmente, e pague duramente pelo que fez! É certo que os danos, no caso, são irreparáveis, porque simplesmente não há preço para uma perna ou para uma carreira interrompida, ainda que momentaneamente. Mas se o dinheiro não paga por isso, ao menos poderá servir como bálsamo de alívio a uma dor tão dolorosa.
 
Filipe
Filipe - 29 de Dezembro às 20:25
Não sei o que é pior: saber que mais uma jovem, que poderia ser alguém próxima a qualquer um de nós, teve seus sonhos interrompidos por mais uma irresponsabilidade (fomentada pela impunidade que impera no País), ou ver comentários bestiais e desprezíveis como os do Cléber e do Leandro, que são legítimos representantes da "massa de manobra" do PT e seus asseclas, que pregam ódio a qualquer um que tenha uma condição social melhor ou que seja tão bela quanto essa jovem...para eles, sucesso e beleza incomodam, são um grave pecado...já roubar, mentir, matar, não...
 
Paulo
Paulo - 30 de Dezembro às 12:53
Só espero que o Leandro e ao Cleber nunca tenham que passar por uma situação dessas, seja de que lado for, nem que se tornem ricos ou "riquinhos", mesmo com toda perspicácia que têm, para não serem discriminados como as pessoas dessa condição social. No mais um feliz 2015 para todos!
 
Leandro
Leandro - 30 de Dezembro às 08:31
Eu nao prego odio a nenhuma classe social, só sou perspicaz o suficiente pra perceber como a mídia trata assuntos parecidos, mas com focos distintos. Quantos pobres esse ano foram mutilados em acidentes de trânsitos e jornal nenhum noticiou quem é sua família, amigos, etc. Geralmente, publicam a foto 3x4 do documento da vítima, nem sequer buscam uma foto melhor, como fizeram neste caso. Enfim, melhorar pra vítima e cadeia na motorista bêbada.
 
Júlio
Júlio - 29 de Dezembro às 18:42
Foi pago miseros 1.500,00 de fianca e a irresponsavel , foi liberada. Ela dirigia um carro de 60.000,00. Se estivessemos num pais realmente serio com as suas leis, este crime seria inafiencavel e imprescritivel, e deveria ter sido presa imediatamente sem aguardar julgamento em liberdade. No julagemento, uma pena em torno de 15, 20 anos em regime completamente fechado, sem esta palhacada de regime semi aberto ou reducao de pena por bom comportamento. Quem realmente foi punido em toda esta historia, foi a bela jovem que Perdeu um perna, leis brandas, vergonha nacional
 
Cleber
Cleber - 29 de Dezembro às 16:45
Briga de riquinhos. Quem tiver mais grana para advogado bala leva. Se fosse entregador de pizza que perdesse a perna a comoção não era tanta e se tivesse na direção tava guardado...
 
giovanni
giovanni - 29 de Dezembro às 21:31
Amigo! desculpe mas seu comentário foi infeliz, ultimamente vejo comentários de pessoas que parecem estar mais preocupadas com questões de classes sociais, enfim! A que ponto chegamos, não importa se somos negros, brancos, pobres, ricos, somos seres humanos e merecemos respeito. Uma situação dessa pode acontecer com qualquer um de nós que hora somos pedestres andando pelas ruas. Temos que lutar por justiça e parar de discutir quem é quem! Somos um povo, uma nação! Temos que estar unidos por um país que tenha leis, justiça, menos impunidade! Poderia ser eu, você, enfim! Sejamos mais humanos.
 
Leandro
Leandro - 29 de Dezembro às 17:31
Concordo plenamente.... quando mata um pobre, nem o nome da vítima as vezes é mencionado.
 
Paulo
Paulo - 29 de Dezembro às 17:29
Riquinho ou Entregador de Pizza, o que sensibiliza, comove, é a dor humana. Não se trata, data venia, de briga de riquinhos(sic). É uma tragédia que envolve duas jovens, dois seres humanos. As duas, sem dúvida, ficam marcadas, pelo sinistro. Como pensar, numa situação desta, em "...grana de advogado bala...! Desculpe-me, mas não pude me conter com seu comentário duro.
 
Paulo
Paulo - 29 de Dezembro às 17:26
Riquinho ou Entregador de Pizza, o que sensibiliza, comove, é a dor humana. Não se trata, data venia, de briga de riquinhos(sic), foi uma tragédia que envolve duas jovens, dois seres humanos, que ficam marcadas, pelo sinistro. Como pensar, numa situação desta, em "...grana de advogado bala...! Desculpe-me, mas não pude me conter com seu comentário duro e completamente insensível. Desejo as duas que consigam se recuperar bem.
 
Juliana
Juliana - 29 de Dezembro às 16:29
E todos os dias temos notícias assim: imprudência e desrespeito matam e maltratam centenas....... e ficam impunes. Tsc tsc
 
Venicio
Venicio - 29 de Dezembro às 15:50
Além d enão saberem mais o que é vestibular, inflação , plano econômico, bomba no col;égio, etc... essa geração não sabe nem dirigir 'bêbado'. É o fundo do poço
 
Juliana
Juliana - 29 de Dezembro às 16:28
Verdade! Povim difícil este viu. Que desânimo.
 
Venicio
Venicio - 29 de Dezembro às 15:49
a minha impressão é de que 'apenas'o pé foi amputado, e não a perna como noticiado na manchete
 
FRANCISCO
FRANCISCO - 29 de Dezembro às 15:37
Cadê os defensores do álcool ??????Nessas horas dramáticas não aparece nenhum comentário dos puxa-sacos cachaceiros que metem o pau na Lei Seca.Essa lei é boa,porém poderia melhorar.Nada de fiança para quem mata ou lesiona gravemente dirigindo embriagado.Tinha de ficar preso direto !!!!!!!!!
 
FRANCISCO
FRANCISCO - 29 de Dezembro às 15:32
A impunidade nesse país nunca vai acabar,pois esse povinho miserável que o habita vende até sua dignidade por esmolas ( bolsas... ).Com isso os bandidos,assassinos e corruptos fdp se mantêm no poder e fazem a festa.Esses nunca aprovarão leis boas para o povo e leis rígidas para coibir a criminalidade,pois isso iria exatamente contra eles. Faço votos que a moça se recupere rápido e que crie muita força interior para enfrentar essa nova etapa de sua vida ,a qual seguramente não estava em seus planos.
 
Alberto
Alberto - 29 de Dezembro às 15:24
mais uma assassina solta nas ruas, só pra lembrar seu nome: Diandra Lamounier Morais de Melo. Se por acaso passarem perto, escondam-se, protejam-se, pois a próxima vítima de assassinato pode ser você.
 
mauricio
mauricio - 29 de Dezembro às 14:45
Eu realmente não entendo o motivo e a mania que os Brasileiros tem de ficarem comparando os Estados Unidos e a Europa com o nosso Pais " Brasil"", não tem nada, nada, mais nada haver com eles, são muitos diferentes, Educação, Justiça, respeito, segurança, tudo isso tem lá, que aqui não temos, devido à cultura ultrapassada que temos. Portanto irá continuar a impunidade, seja no transito ou na vida comum do cidadão..... Para que fica fazendo comparações se nós mesmos "povo", não quer mudar porra nenhuma.......
 
Juvelino
Juvelino - 29 de Dezembro às 14:33
Não podemos mais deixar esse país do jeito que está! Precisamos fazer algo! Precisamos acabar com essa palhaçada chamada Presidencialismo onde nada funciona e tudo é a base de acordos políticos! Também já é hora de se pensar no separatismo onde cada estado ou região se torne independente e tome seu rumo. Esse país não deu certo e pelo jeito nunca dará!
 
Cristiano
Cristiano - 29 de Dezembro às 13:35
Nosso país necessita de mudanças URGENTES quanto ao código penal e a dureza das penas. A impunidade já instaurada como via de regra onde um Juiz dirige sem documentos e ainda processa o agente que o abordou e ganha. E não adianta comparar com EUA ou Europa lá tem primeiro educação e segundo justiça.
 
Geraldo
Geraldo - 29 de Dezembro às 19:33
Europa e Estados Unidos, nao sao diferentes pela cultura e educacao somente. A diferenca esta na dignidade, que nao se adquire em escolas, Esta em cada lar, em cada familia, em cada curacao e isso no Brasil meus amigos, passa longe. E com muita tristeza que digo; nosso povo esta sempre preparado para dar a volta em algo e ou alguem, as leis devem ser rigidas para os outros, para os de outras familias. Nao vejo como o nosso codigo penal possa mudra isto, antes, precisamos mudra a nos mesmos.
 
Rivelino
Rivelino - 29 de Dezembro às 13:14
Penso que nossas leis devem mudar com urgencia. Uma pessoa que faz o que essa motorista fez deveria pagar pelo erro, independente de ter residencia fixa, emprego, bons antecedentes, etc. Não deveria nem ter o direito de defesa. Se defender de que? Dirigindo bebada e estragando a vida de uma linda moça com um futuro pela frente.
 
Guilherme
Guilherme - 29 de Dezembro às 12:10
Não sou tão pessimista quanto o Elias. Acho que a motorista irresponsável será punida de acordo com os rigores do Brasil: 1 ano sem CNH e pagamento de indenização por danos morais no valor de R$10.000,00 (o Juiz de primeira instância pode até estipular um valor maior, mas o nosso Tribunal de Justiça certamente vai diminuí-lo para R$10.000,00). Fosse esse caso na Europa ou nos EUA seria: cadeia indenização no valor de R$500.000,00 no mínimo!
 
gladyston
gladyston - 29 de Dezembro às 12:07
Um absurdo essa mulher embriagada! tem que ser exemplarmente punida! O que tem de mulher bebendo e dirigindo nessa cidade, é coisa absurda, e o pior, que nem sabem diferenciar freio de acelerador.
 
elias
elias - 29 de Dezembro às 11:19
E sabem o que vai acontecer com a irresponsável embriagada que atropelou a moça? Nada!! Vergonha desse país onde só bandido e quem anda errado e que tem direitos. Ser honesto e correto nesse Brasil não está compensando mais. É isso que os governantes estão passando para o povo de bem!!
 
Romer
Romer - 29 de Dezembro às 11:15
Todos sabemos, e temos consciência, que é proibido dirigir após ingerir bebida Alcoólica. Isso é crime, com intenção de matar, para esses crimes, tem que haver pena de morte. Acabou com a vida da Paola. Que Deus de força a ela e a sua Família!
 
Leandro
Leandro - 29 de Dezembro às 14:39
Teria acabado se ela estivesse morrido. Uma perna faz falta, óbvio que sim. Mas ela deve é agradecer por estar viva. Temos vários casos de pessoas mutiladas por motoristas irresponsáveis, que hoje tocam a vida. Lamentável é saber que a mocinha do 500 vai ta por ai dirigindo, prestes a fazer uma nova vítima (torço pra que seja ela própria).
 
Juvelino
Juvelino - 29 de Dezembro às 14:35
Estamos num país católico e peises onde esa religião é a oficial não tme pena de morte ou prisão perpétua. Essa igreja não deixa ! Isso são coisas para países islâmicos, budistas, protestante e de outras religiões onde a lei é olho por olho.