SIGA O EM

Retrato do descaso, Rio Piracicaba está sufocado por minério, esgoto e assoreamento

Importante afluente da bacia do Rio Doce e no qual a população pescava mandis e cascudos é considerado um dos mais agredidos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 792127, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Leandro Couri/EM/DA Press', 'link': '', 'legenda': "H\xe1 trechos em que \xe9 vis\xedvel o dano causado pelas agress\xf5es ao curso d'\xe1gua: neste, o Rio Piracicaba tem apenas 37% de suas condi\xe7\xf5es naturais", 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2014/04/08/516595/20150203171704629074a.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}, {'id_foto': 792128, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Leandro Couri/EM/DA Press', 'link': '', 'legenda': '"A gente pegava tra\xedras, mandis, cascudos, lambaris. Mas hoje voc\xea n\xe3o acha nada. O rio bate no seu joelho e n\xe3o tem mais peixe. \xc9 triste n\xe3o poder mostrar para meus filhos como era na minha \xe9poca" Edson Ribeiro, de 39 anos, da cidade de Rio Piracicaba ', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2014/04/08/516595/20150203171245590343u.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}, {'id_foto': 792129, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Isac Lopes/Arquivo Pessoal', 'link': '', 'legenda': 'Isac Lopes vive na comunidade Quilombolas do Sua\xe7u\xed e tenta conscientizar a popula\xe7\xe3o sobre preserva\xe7\xe3o do manancial', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2014/04/08/516595/20140408073427420521i.jpg', 'alinhamento': 'right', 'descricao': ''}, {'id_foto': 792130, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Soraia Piva', 'link': 'http://www.em.com.br/app/infografico/2014/04/07/interna_infografico,428/integridade-dos-rios.shtml[target=blank]', 'legenda': 'Clique para ver o infogr\xe1fico sobre as condi\xe7\xf5es dos rios', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2014/04/08/516595/20140408080054470250o.jpg', 'alinhamento': 'right', 'descricao': ''}]

postado em 08/04/2014 06:00 / atualizado em 03/02/2015 17:17

Mateus Parreiras (texto) e Leandro Couri (fotos) - Enviados Especiais

Leandro Couri/EM/DA Press

Ouro Preto, Mariana, João Monlevade, Nova Era e Rio Piracicaba – O lugar onde o Rio Piracicaba nasce ninguém pode ver sem autorização, já que fica dentro de terreno pertencente à mineradora Vale, em Ouro Preto, na Região Central de Minas. Mas o rio que corre depois das áreas de exploração de minério de ferro da companhia e da Samarco, 12 quilômetros depois de brotar na Serra do Caraça, já está em condições degradadas que o acompanham no restante do curso. Considerado um dos mais agredidos da Bacia do Rio Doce, que é também uma das piores de Minas Gerais, o Piracicaba deixa o território das mineradoras em um trecho assoreado e já apresentando contaminação por esgoto e atividade minerária.

 

Teste laboratorial de amostra recolhida pela equipe do Estado de Minas logo depois que o Rio Piracicaba deixa a região das minas de ferro revela que as águas concentram 161% de coliformes fecais acima do limite estabelecido pelo Conselho Nacional de Meio Ambiente (Conama), apesar de não haver nenhum centro urbano ou povoamento no caminho. Análise do Protocolo de Avaliação Rápida da Diversidade de Habitats (Pardh) – que mede o percentual de conservação de um trecho de um rio, em comparação com seu estado natural – mostrou que o mesmo local, que se encontra antes da ponte sobre a Rodovia MG-129, só preserva 70% de suas condições naturais.

Nos laboratórios do Instituto Mineiro de Gestão de Águas (Igam), amostras colhidas no segundo semestre de 2013 em um ponto três quilômetros abaixo, antes do distrito de Santa Rita Durão, em Mariana, apresentou poluição por sulfetos 1.400% acima do limite do Conama, 112% superior para manganês e 104% a mais para sólidos em suspensão. As causas assinaladas pelos técnicos do Igam foram “atividade minerária, assoreamento e carga difusa”.

A altíssima presença de sulfetos interfere na acidez da água e causa colapso em algumas funções celulares. Pode levar peixes e outros organismos aquáticos à morte e provocar intoxicação em seres humanos, de acordo com a Fundação Nacional de Saúde (Funasa).

Adiante, o Rio Piracicaba segue sendo degradado até sua foz no Rio Doce. Em João Monlevade e em Nova Era, pouco mais de 90 quilômetros depois que sai da região das minas de ferro e entra na área siderúrgica, o despejo de esgoto, lixo, resíduos de estradas e ferrovias e o assoreamento provocado por desmatamentos e erosões nas margens deixaram o rio com apenas 37% de suas condições naturais, conforme o Pardh. Em Rio Piracicaba, cidade que recebeu o nome em homenagem ao manancial, a equipe do EM coletou mais uma amostra, cujo resultado não causou surpresa ao indicar que naquele trecho a presença dos coliformes termotolerantes chega a ser 9.208% maior do o tolerável.

Mas nem sempre foi assim. De acordo com o montador de estruturas Edson Ribeiro, de 39 anos, que cresceu às margens do rio, a água não era turva e havia muitos peixes. “A gente nadava neste rio. Parentes meus que moravam em São Paulo traziam os meninos para conhecer a roça, tomar banho de rio, pescar. Agora só doido entra nesta água”, disse. Por causa do assoreamento, a profundidade do rio diminuiu bastante e caiu também a oferta de pescado. “A gente pegava traíras, mandis, cascudos, lambaris. Mas hoje você não acha nada. O rio bate no seu joelho e não tem mais peixe. É triste não poder mostrar para meus filhos como era na minha época”, lamenta.

VIDA AMEAÇADA O assoreamento do Piracicaba se repete ao longo da Bacia do Rio Doce, o que foi determinante para extinguir as corredeiras e fundos cavernosos que abrigavam espécies raras e ameaçadas de extinção, como o surubim do Rio Doce, que não é mais encontrado em quase nenhum curso d’água. “As atividades agrícolas e outros meios de desmatamento removeram a mata ciliar e a vegetação original de sua bacia de drenagem em longos trechos. Esse processo de assoreamento é potencializado pela mineração e culmina na redução acelerada da quantidade de água desses mananciais”, aponta o biólogo e mestre em recursos hídricos Rafael Resck.

Lixo se transforma em jangada


Farto de ver que os próprios moradores não sabiam conviver com o Rio Suaçuí, suas nascentes e cachoeiras da região, deixavando para trás todo o tipo de lixo das guloseimas que consumiam nos fins de semana, um estudante de 25 anos, morador da comunidade quilombola entre Paulistas e Coluna, no Vale do Rio Doce, resolveu agir. Isac Lopes primeiro tentou convencer as pessoas que estavam poluindo justamente o local onde frequentavam. Como isso não surtiu o efeito desejado, pensou numa forma criativa de mostrar o problema: resolveu juntar 105 garrafas PET deixadas ao longo de meses pelos banhistas e construiu uma jangada. O meio de transporte se tornou uma atração e as fotos dos moradores navegando na embarcação se tornaram populares ao circular pelas redes sociais.

“Meu jeito de conscientizar as pessoas é pirracento, mesmo. Quando vejo alguém na beira do rio vou até lá e falo para não jogar lixo. Uso o Facebook para mostrar a situação, principalmente na região de Paulistas e de Coluna”, conta Isac. O objetivo dele agora é construir um barco ainda maior, usando mais garrafas, para chamar mais a atenção para a causa ambiental.

Isac conta ainda que para sua comunidade, chamada Quilombolas do Suaçuí, o rio é tão importante que lhes conferiu o nome. “A importância é tanta que contamos uma lenda de que no fundo do Suaçuí existe um tacho de ouro. Da água tiramos os peixes, lavamos as roupas, plantamos lavouras e damos de beber para o gado. O rio é a identificação da comunidade”. Além do lixo, ele afirma que fazendeiros têm ampliado o desmatamento. “Os grandes produtores cortam mata ciliar e aplicam venenos (fertilizantes) na vegetação. Uma espécie de árvore, o mulungu, está ameaçada por aqui.”

Empresas dizem cuidar de resíduos e prefeituras, de dejetos


A mineradora Vale afirma que não permite o acesso à nascente do Rio Piracicaba por se tratar de uma área de preservação permanente, e que isso evita a abertura de trilhas e impactos gerados por visitantes. Sobre os poluentes encontrados na água e os que o Igam considera provenientes de atividade minerária, a Vale informou que suas instalações “possuem estações de tratamento de esgoto, oleosos, efluentes industriais e barragens de contenção de sedimentos, a fim de garantir a qualidade das águas antes de retornarem ao meio ambiente”. Outra mineradora que atua na bacia do Piracicaba, a Samarco, garante que 100% do seu esgoto é tratado. “A Samarco trata todos os efluentes industriais resultantes do processo produtivo, de acordo com as características e exigências de cada um. A empresa também recircula cerca de 90% de toda a água envolvida no processo industrial.” Para evitar o carreamento de terra e minério pela chuva para o rio, a mineradora diz contar com diques de contenção. “A água fica retida por um tempo, para que os sólidos decantem e somente a parte líquida alcance o curso d’água.”

Entre as prefeituras, a de João Monlevade garante que coleta 99% do esgoto gerado na cidade, mas trata apenas 1%. O esgoto lançado no Rio Piracicaba vem dos bairros Carneirinhos, Cruzeiro Celeste, Jacuí, Tietê, Santa Cruz e de outros dois subsistemas. O município tem uma estação de tratamento de esgoto (ETE), que está inoperante e outra sendo instalada. Já a Prefeitura de Nova Era afirma que estrutura um plano de saneamento, já que não tem ETE e por isso, os dejetos acabam escoados para o rio.

Veja o vídeo desta reportagem


Tags: