Região Norte de BH tem oportunidade de emprego com inauguração de shopping

Estação BH abre as portas, mas lojistas ainda lutam para contratar empregados. Quem mora na região tem preferência

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 24/05/2012 06:00 / atualizado em 24/05/2012 11:57

Carolina Mansur


Juarez Rodrigues/EM/D.A Press

O shopping Estação BH, em Venda Nova, abriu as portas aos clientes ontem com dezenas de vagas de emprego em aberto. Com 150 lojistas em operação – 70% do previsto –, o centro comercial é um mar de oportunidades para quem mora em um dos 42 bairros da Região Norte e está procurando uma colocação. Segundo o BRMalls, responsável pela administração do novo empreendimento, os números ainda são prematuros devido ao curto prazo de funcionamento, mas a expectativa geral é de que, quando a operação estiver completa, com todos os 220 lojistas trabalhando, tenham sido criados cerca de 3 mil empregos diretos.

Segundo lojistas, ainda há muitas vagas. São procurados vendedores, caixas, gerentes e subgerentes, auxiliares administrativos e estoquistas, entre outros. O Estado de Minas percorreu sete lojas (eletrônicos, vestuário, calçados, perfumaria e telefonia) e identificou que a média de vagas ofertadas é de três em cada uma. Para encontrar as oportunidades basta ir às lojas do próprio shopping, que têm processos seletivos individuais. As vagas estão em todos os ramos. Na alimentação, por exemplo, ainda estão sendo feitas contratações por redes como Bob’s e Burguer King e também pelo restaurante Varanda, que deve empregar 40 pessoas. A franquia Café Pelé Arena & Futebol é outro contratante e ainda procura profissionais para atendimento no salão, no bar e um copeiro. “Queremos pessoas que morem perto – para facilitar o acesso –, com perfil jovem, qualificação e com alguma experiência”, diz o proprietário do Café Pelé, Lucas Rezende, que revela a dificuldade em encontrar funcionários com qualificação.

O empresário Tales Capelo, proprietário da loja de brinquedos Estripulia, ainda procura um subgerente e uma vendedora. “Só tenho um gerente porque era de confiança”, diz. Segundo ele, a justificativa para a carência de profissionais é a grande oferta de vagas para os profissionais qualificados. Além disso, a rotatividade típica entre os funcionários de shoppings acaba atrapalhando.

Quem mora próximo se agarra às chances de mudar de emprego. Os vendedores Thiago Ferraz e Naula de Figueiredo comemoram o novo emprego perto de casa. Além de entrarem em um projeto com oportunidades de crescimento, eles celebram o fato de ganharem em qualidade de vida. “Agora, rapidinho estou em casa. Antes, sem trânsito, ficava mais de 30 minutos no ônibus – isso porque trabalhava em outro shopping relativamente perto de casa também”, diz Thiago. “Tem muita gente da região que fez do Estação BH a oportunidade ideal para trocar de emprego e ficar perto de casa”, completa Naula. Os interessados em arrumar um trabalho nas lojas, devem procurar o serviço de atendimento ao consumidor (SAC) no primeiro piso do shopping.

Correria

Centenas de pessoas esperavam a abertura das portas do Estação BH ontem. A corrida era para ver quem chegava primeiro às lojas para garantir brindes e descontos. O shopping foi aprovado. A comerciante Cristina Vilas Boas foi com as amigas Sueli Costa e Nilva Costa. “Está aprovadíssimo. O que fica faltando é o supermercado”, disse. O superintendente do Estação BH, Carlos Wagner, explicou, no entanto, que a opção de não incluir um hipermercado no empreendimento foi feita a partir de pesquisa com os moradores da região e clientes em potencial.
Tags: