Dia C ocupou a Praça da Assembleia com diversas atividades -  (crédito: Edesio Ferreira/EM/D.A. Press)

Dia C ocupou a Praça da Assembleia com diversas atividades

crédito: Edesio Ferreira/EM/D.A. Press

A Organização das Cooperativas do Estado de Minas Gerais (Sistema Ocemg) realizou, na manhã deste sábado (6/7), o Dia C – Dia de Cooperar –, evento gratuito para promover a atuação das cooperativas no campo da responsabilidade social e incentivar a adesão de mais pessoas ao voluntariado na área. As atividades aconteceram na Praça da Assembleia e a programação contou com apresentações culturais, degustação de produtos, serviços de bem-estar e saúde e orientações financeiras.

 

“Trata-se de um grande encontro para celebrar o poder da cooperação. O Dia C vai muito além das ações pontuais que acontecem nessa data, dando uma demonstração da força transformadora dos projetos que são executados pelas cooperativas de forma permanente”, explica o presidente do Sistema Ocemg, Ronaldo Scucato.

 

 

O Sistema Ocemg explica que, ao longo do ano, diversas ações são desenvolvidas pelas cooperativas, cujos projetos comunitários e iniciativas de responsabilidade social seguem os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU, unindo as cooperativas para melhorar a qualidade de vida das comunidades onde estão inseridas.

 

O Dia de Cooperar é um programa de responsabilidade social do cooperativismo brasileiro, iniciado em Minas Gerais em 2009, cujo foco principal é o incentivo ao voluntariado e aos impactos sociais transformadores nas comunidades. Desde 2015, o Dia C foi cedido para a OCB e hoje acontece em todo o Brasil, confirmando o compromisso das cooperativas na busca por um país mais justo.

 

Ao longo de sua história, o programa mobilizou 490.980 voluntários e beneficiou mais de 14 milhões de pessoas em Minas Gerais. No âmbito nacional, o projeto conta com mais de um milhão de voluntários e já beneficiou 26 milhões de pessoas.

 

 

Entre as atividades, estiveram apresentações de grupos de música e dança, como Soul Guetto e banda Baianeiros, além de espaços simultâneos para o público conhecer o trabalho das cooperativas, com degustação de produtos, artesanato, serviços de saúde e bem-estar, contação de histórias, oficina de reciclagem, espaço kids, orientações financeiras e até um estande de experiência imersiva em projetos de sustentabilidade do cooperativismo mineiro.

 

Os projetos idealizados por cada cooperativa são norteados pelos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU (ODS) e mostram a face humana do setor, que atua em prol do bem-estar e da qualidade de vida das pessoas.

 

Cenário em MG

 

O cooperativismo se consolida como um dos segmentos econômicos que mais crescem em Minas Gerais. Com 785 cooperativas e 3,2 milhões de cooperados no Estado – um salto de 15% comparado ao ano anterior –, o setor está presente na vida de 47% dos mineiros e representa 12,6% do Produto Interno Bruto (PIB) estadual.

 

Dados do Anuário do Cooperativismo Mineiro 2023 mostram que o número de cooperados expandiu 67,6% nos últimos cinco anos, encorpando um setor que movimenta R$ 130 bilhões na economia do Estado. No mesmo período, as cooperativas apresentaram crescimento de 25,9% no número de empregos gerados.

 

Além de abrir frentes de trabalho e renda, seja como colaborador ou como cooperado, o cooperativismo se diferencia também por pagar os melhores salários do mercado. Quem trabalha no setor ganha em média 35% a mais do que quem atua na iniciativa privada, segundo dados do Anuário.

 

 

“O cooperativismo é uma alavanca imprescindível para o desenvolvimento econômico de Minas, e os números falam por si. Temos crescido dois digitos a cada ano e dobrado de tamanho a cada cinco anos, o que comprova que, além de promover a sustentabilidade, o modelo cooperativista é um excelente negócio”, afirma o presidente do Sistema Ocemg.

 

O segmento emprega 57,3 mil pessoas, 93,7% nos ramos de agronegócio, saúde e crédito no estado. O crédito toma a dianteira em número de cooperados e volume de negócios. São 182 cooperativas, abarcando 2,7 milhões de cooperados, 18,4 mil empregos e R$ 71 bilhões em movimentação econômica.

 

“Estamos presentes em 80,4% dos municípios mineiros. Em 78 deles, somos a única porta de entrada da população para os serviços financeiros”, explica Scucato.

 

O agropecuário também tem peso estratégico para o estado. Com 197,1 mil cooperados, organizados em 191 cooperativas, emprega 19,5 mil trabalhadores, movimentando R$ 40,3 bilhões – 31% de toda a movimentação econômica do cooperativismo mineiro. O setor representa 17,6% do PIB do agronegócio do estado. Cerca de 57,5% do café e 19,1% do leite produzidos em Minas passam por uma cooperativa.

 

Na saúde, Minas Gerais conta com 118 cooperativas, R$ 14,7 bilhões de movimentação financeira, 15,9 mil empregos direitos e 55,6 mil cooperados. O ramo é responsável por 11,4% de toda a movimentação econômica do cooperativismo mineiro.

 

“Seguimos confirmando a pujança do cooperativismo mineiro e seu papel primordial na economia e na vida das pessoas”, conclui Scucato.