Publicidade

Estado de Minas TESTAMOS

Nissan Versa precisa aprimorar custo/benefício para derrubar concorrentes

Nova geração do sedã demonstra evolução no design, interior e equipamentos, mas não convence quando é confrontado com seus rivais. Também falta um motor turbo


16/10/2021 04:00 - atualizado 15/10/2021 23:45

Nissan
NISSAN VERSA ADVANCE 1.6 CVT (foto: Jorge Lopes/EM/D.A Press)


Apesar de não ser o segmento da moda, os sedãs ainda respondem por 19% do nosso mercado de automóveis (sem considerar os comerciais leves), enquanto, até setembro de 2021, os SUVs foram responsáveis por uma fatia de quase 42%. O teste de hoje é com o novo Nissan Versa, lançado há quase um ano. Se o modelo chegou ao Brasil como um carro simples, espaçoso e com preço atraente (e um visual nem tanto assim!), nessa nova geração a coisa mudou.
 
Toyota
Distância entre-eixos de 2,62m, medida que ajuda a definir o amplo espaço interno do sedã (foto: Jorge Lopes/EM/D.A Press)
 
 
O Nissan Versa ficou mais vistoso, ganhou um interior melhor e continua com bom espaço interno. Por outro lado, seu preço já está nas alturas. Essa versão intermediária testada, Advance, já ultrapassou os R$ 100 mil. Mas, será que o novo Versa merece ter sido promovido para o segmento dos compactos premium?
 
Traseira
O melhor ângulo do Versa é o traseiro, com o teto arqueado fundindo com a tampa do porta-malas (foto: Jorge Lopes/EM/D.A Press)
 

VISUAL Mais baixo e mais largo, o porte do sedã ficou mais esportivo. A dianteira mantém a identidade visual em V, mas o melhor ângulo é o traseiro, onde é possível ver o teto arqueado se fundindo com a tampa do porta-malas, sugerindo um cupê. As rodas da versão Advance são de liga leve de 16 polegadas.
 
Painel
O painel do Versa é igual ao do Kicks, com multimídia de 7 polegadas (foto: Jorge Lopes/EM/D.A Press)
 

DENTRO O painel do novo Versa ganhou o mesmo desenho do Kicks. Porém, o aplique que simula couro perdeu o toque macio e agora é em plástico duro. A tela do sistema multimídia é de sete polegadas, mas parece maior por causa dos botões laterais. As portas dianteiras trazem aplique em couro preto, que não combina nem com a imitação de couro do painel e nem com os bancos, que são revestidos em tecido. Mesmo nessa versão, que custa mais de R$ 100 mil, os tapetes são de borracha e o acabamento tem muito plástico.
 
Bancos
Dois passageiros viajam confortavelmente no banco traseiro (foto: Jorge Lopes/EM/D.A Press)
 
 
Outro ponto em que o novo Versa deixa a desejar é no apoio de braço integrado ao banco do motorista, e não no console central. Enfim, apesar de vistoso, o interior desta versão intermediária é simples demais para ser considerado premium.
 
Porta-malas
Com capacidade de 482 litros, porta-malas tem espaço de sobra (foto: Jorge Lopes/EM/D.A Press)
 
 
Ao menos o motorista encontra boa posição de dirigir com o ajuste de altura do banco e as regulagens de altura e distância do volante. Também vale destacar o conforto dos assentos dianteiros. O espaço interno é bom, mas o banco traseiro leva com conforto apenas dois ocupantes. O teto arqueado também pode comprometer o conforto dos passageiros com mais de 1,80m que viajam ali atrás. O porta-malas tem 482 litros, um bom espaço, e ainda abriga o estepe de uso temporário.
 
Motor
Um dos principais pontos negativos do sedã é o velho motor 1.6 (foto: Jorge Lopes/EM/D.A Press)
 

RODANDO O desempenho do motor 1.6 aspirado é apenas Ok, deixando claro que um propulsor 1.0 turbo seria a melhor opção, como já usam os principais concorrentes. Como o câmbio automático tipo CVT simula marchas, consegue fazer retomadas de velocidade de forma mais rápida, porém, ainda graduais.
 
Roda
As rodas de liga leve são de 16 polegadas, com pneus 205/55 (foto: Jorge Lopes/EM/D.A Press)
 
 
Mas, para alcançar essa performance mais dinâmica, o “giro” do motor fica nas alturas, o que compromete o consumo de combustível. A boa gestão do câmbio faz com que o motorista não sinta falta das trocas manuais, mas ao menos conta com um modo esportivo que “estica” as marchas. A suspensão é confortável, ao mesmo tempo em que transmite segurança nas curvas.

CONTEÚDO O pacote básico de segurança do novo Versa é bem legal, com airbags frontais, laterais e de cortina, assim como controle de tração e estabilidade. Outro conteúdo de série interessante é a chave presencial, disponível desde a versão de entrada. Já a versão intermediária Advance traz como destaque sistema multimídia, acendimento automático dos faróis, faróis de neblina, câmera de estacionamento e lembrete de objetos ou pessoas deixados no banco traseiro.
 
O quadro de instrumentos conta com tela de sete polegadas com várias funções. O problema é que não é possível conciliar na mesma tela algumas informações importantes, como o conta-giros junto com o velocímetro digital. Uma grande mancada é o acionamento do vidro elétrico só ser do tipo “um toque” na janela do motorista, e ainda assim apenas para abrir. O banco rebatível fracionado também é um “luxo” disponível a partir dessa versão intermediária.

CONCORRENTES Quando comparamos com os concorrentes diretos, o Volkswagen Virtus e o Chevrolet Onix Plus, vemos que o novo Versa deixa a desejar, a começar pela falta de um motor turbo, que dá outro desempenho ao veículo. A versão intermediária do Virtus, a Comfortline (R$ 101.490), traz pacote de equipamentos bastante parecido com o do Versa Advance. Por R$ 101.990 é possível comprar a versão mais equipada do Onix Plus, a Premier 2, que oferece itens como alerta de ponto cego, sensor de estacionamento dianteiro, lateral e traseiro, assistente de estacionamento, sensor de pressão dos pneus, ar-condicionado digital, internet a bordo, bancos em couro e carregador de celular sem fio.

CONCLUSÃO Mesmo mantendo a mesma plataforma, a evolução do projeto do Versa é inegável, com ganhos em design, interior e equipamentos. Uma grande mancada foi a manutenção do velho motor 1.6 aspirado. Importado do México, portanto, sem imposto, ele poderia buscar uma melhor relação custo/benefício. Suas vendas cresceram, mas esse sedã ainda está longe de exercer protagonismo no segmento dos compactos premium.
 
 
FICHA TÉCNICA

» MOTOR (*)
Dianteiro, transversal, quatro cilindros em linha, 16 válvulas, 1.589cm³ de cilindrada, flex, que desenvolve potência máxima de 114cv (gasolina e etanol) a 5.600rpm e torque máximo de 15,5kgfm (g/e) a 4.000rpm

» TRANSMISSÃO (*)
Tração dianteira e câmbio automático CVT

» SUSPENSÃO/RODAS/PNEUS (*)
Dianteira, independente, tipo McPherson, com barra estabilizadora; e traseira tipo eixo de torção /16 polegadas (liga leve) /205/55 R16

» DIREÇÃO (*)
Do tipo pinhão e cremalheira, com assistência elétrica variável

» FREIOS (*)
Discos ventilados na frente e tambores na traseira, com ABS

» CAPACIDADES (*)
Tanque, 41 litros; porta-malas, 482 litros; capacidade de carga (passageiro e carga), 522 quilos

» DIMENSÕES (*)
Comprimento, 4,49m; largura, 1,74m; altura, 1,46m; distância entre-eixos, 2,62m; altura livre do solo, 13,8cm

» PESO (*)
1.122 quilos

» DESEMPENHO (*)
Velocidade máxima de 180km/h
Aceleração até 100km/h em 10,7 segundos

» CONSUMO (**)
Cidade: 11,7km/l (g) e 8km/l (e)
Estrada: 13,9km/l (g) e 10km/l (e)

(*) Dados do fabricante
(**) Medição do Inmetro
(g): gasolina
(e): etanol

» EQUIPAMENTOS

» DE SÉRIE
Airbags frontais, laterais e de cortina; controle de tração e estabilidade; Isofix; alerta de objetos no banco traseiro; sensor de estacionamento traseiro; câmera de estacionamento; assistente de partida em rampa; travamento automático das portas com o veículo em movimento; alarme; faróis de neblina; piloto automático; abertura interna do porta-malas; revestimento em tecido nos bancos; acendimento automático dos faróis; ar-condicionado; apoio de braço frontal; banco do motorista com regulagem manual em altura; volante com regulagem em altura e distância; banco traseiro bipartido; comandos no volante; computador de bordo; chave presencial; desembaçador do vidro traseiro; iluminação interna; painel multifuncional de sete polegadas com 12 funções; para-sóis com espe- lhos; retrovisores com regulagem elétrica, rebatíveis e com indicadores de direção; tomada de 12V; vidros dianteiros elétricos com função one touch para o motorista; antena de teto; sistema multimídia com tela tátil de sete polegadas, Apple CarPlay, Android Auto e Bluetooth.

» OPCIONAIS
Pintura metálica (R$ 1.600).

Quanto custa?
O Nissan Versa Advance 1.6 CVT, versão intermediária do sedã, tem preço sugerido de 
R$ 101.490. Com o opcional descrito, a unidade testada 
custa R$ 103.090. 

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade