Publicidade

Estado de Minas AVALIAÇÃO

Jeep Compass Longitude T270 AT6 mostra disposição, mas não é econômico

O líder do segmento dos SUVs médios levou um discreto tapa no visual, mas traz boas novidades no interior e um motor que agrada mais pelo desempenho


24/07/2021 04:00 - atualizado 24/07/2021 18:58

(foto: Jorge Lopes/EM/D.A Press)
(foto: Jorge Lopes/EM/D.A Press)


Durante um bom tempo, o Jeep Compass surfou praticamente sozinho na onda alta do segmento do SUVs médios, vendo seus concorrentes a distância. Mas, nos últimos meses, com a chegada do Toyota Corolla Cross e do Volkswagen Taos, a situação cômoda do modelo da marca americana pode estar ameaçada. Prevendo isso, a Jeep tratou de dar um upgrade no Compass 2022, mexendo pouco no visual – um de seus pontos fortes –, acrescentando conteúdo e principalmente oferecendo uma nova motorização turbo. Criou-se muita expectativa de que o novo motor seria mais econômico do que o 2.0 aspirado. Mas, na prática, em nosso teste constatamos que o desempenho é muito bom, porém, o consumo ainda é alto.
 
O SUV tem 4,40m de comprimento e 2,63m de distância entre-eixos(foto: Jorge Lopes/EM/D.A Press)
O SUV tem 4,40m de comprimento e 2,63m de distância entre-eixos (foto: Jorge Lopes/EM/D.A Press)
 
 
O Jeep Compass foi lançado em 2007 no Salão do Automóvel de Detroit, mas só começou a ser importado para o Brasil em 2011, apenas na versão Sport. Em 2016, a Jeep lançou a nova geração do SUV médio e iniciou a produção do modelo na fábrica de Goiana (PE). No ano seguinte, o Compass já era o SUV mais vendido no Brasil, perdendo a posição somente em 2019 para o Jeep Renegade. Mas ele continua líder no segmento dos SUVs médios e agora passa a ser oferecido apenas com o motor 1.3 turbo e o 2.0 turbodiesel. O 2.0 aspirado beberrão foi aposentado.
 
A traseira não teve alterações estéticas e traz lanternas em LED (foto: Jorge Lopes/EM/D.A Press)
A traseira não teve alterações estéticas e traz lanternas em LED (foto: Jorge Lopes/EM/D.A Press)
 

VISUAL O modelo 2022 do Compass não traz mudanças radicais no visual, já que a Jeep optou por preservar a identidade do modelo. A grade de sete gomos é a mesma, mas tem acabamento interno diferente. Os faróis Full- LED parecem um pouco mais estreitos porque a luz diurna em LED, que antes era na parte inferior, passou para a superior. O para-choque dianteiro ganhou novo desenho, com um nicho diferente para os faróis de neblina em LED e entrada de ar menor na parte inferior. As rodas de liga leve de 18 polegadas são pintadas na cor grafite, a mesma que aparece em outros detalhes na carroceria. Mas o rack do teto é preto. As lanternas traseiras em LED têm o mesmo desenho.
 
O painel agora tem linhas mais retilíneas e multimídia de 10,1
O painel agora tem linhas mais retilíneas e multimídia de 10,1" (foto: Jorge Lopes/EM/D.A Press)
 

POR DENTRO O Compass tem um problema crônico de acesso, principalmente aos bancos di- anteiros. É preciso abaixar bem a cabeça ao entrar para não batê-la na moldura da porta. Os bancos dianteiros são mais estreitos, mas proporcionam relativo conforto, com abas laterais. Merecia assento um pouco maior, para apoiar as pernas de maneira adequada. Trazem ajustes manuais, sendo o do motorista com regulagem em altura. Não tem ajuste lombar.
 
Com 476 litros de capacidade, porta-malas acomoda bem a bagagem(foto: Jorge Lopes/EM/D.A Press)
Com 476 litros de capacidade, porta-malas acomoda bem a bagagem (foto: Jorge Lopes/EM/D.A Press)
 
 
Já no banco traseiro, o acesso é melhor, e ali os passageiros encontram bom espaço para as pernas e conforto para dois. Três vão apertados, apesar de no meio o túnel do assoalho ser baixo e o console não atrapalhar. Tem todos os itens de segurança para três, além de saída de ar-condicionado com regulagem do fluxo, uma entrada USB, duas lanternas no teto e bolsas no encosto dos bancos dianteiros. O teto solar panorâmico, que é opcional, amplia a iluminação natural no interior do carro. O porta-malas tem bom tamanho, apesar de trazer o estepe dentro, mas é todo revestido, tem iluminação e uma tomada de 12V. A tampa do porta-malas é fácil de abrir e tem puxador interno que auxilia no fechamento.
 
Banco traseiro tem bom espaço para as pernas e conforto para dois(foto: Jorge Lopes/EM/D.A Press)
Banco traseiro tem bom espaço para as pernas e conforto para dois (foto: Jorge Lopes/EM/D.A Press)
 
 
O acabamento é de boa qualidade, com material emborrachado, detalhe em couro e friso de alumínio no painel. O couro está presente também no painel das portas, no revestimento dos bancos e do volante, que tem ajuste em altura e distância, comandos para som, celular, computador de bordo e controlador de velocidade. O painel traz conta-giros e velocímetro analógicos. Mas, no meio, uma pequena tela traz informações do computador de bordo, com velocímetro digital, pressão dos pneus e bússola.
 
As belas rodas de 18 polegadas são pintadas na cor grafite(foto: Jorge Lopes/EM/D.A Press)
As belas rodas de 18 polegadas são pintadas na cor grafite (foto: Jorge Lopes/EM/D.A Press)
 

MULTIMÍDIA É a Uconnect com tela tátil de 10,1 polegadas, com comando de voz, e pode conectar até dois celulares por Apple CarPlay e Android Auto. Tem navegação nativa, sistema de som Beats de 506W, rádio, streaming de música, acesso ao ar-condicionado e câmera de visão traseira. O modelo tem wi-fi nativo 4G, mas com custo mensal de acordo com o pacote de dados escolhido. Com o sistema Adventure Intelligence Plus, o usuário pode acessar aplicativos, Alexa, assistência emergencial e mensagens. O SUV tem ainda carregador de celular por indução. A versão Longitude tem sensor de estacionamento dianteiro e traseiro, além de câmera de ré e ar-condicionado automático dual zone. No console, duas entradas USB (uma tipo C), freio de estacionamento eletrônico, teclas do Hill Hold e Sport.

NOVO MOTOR Principal novidade do Compass é o motor 1.3 turbo flex com injeção direta de combustível, que gera potência máxima de 185cv (com etanol) e torque de 27,5kgfm (g/e). Tem bom torque em baixas rotações e responde bem às acelerações. Proporciona arrancadas rápidas e retomadas de velocidade seguras. O câmbio automático de seis velocidades tem marchas bem escalonadas e faz as trocas na hora certa, sem trancos. Se o motorista acionar a tecla Sport, o SUV fica mais esperto, com trocas em giros mais altos. Mudanças de marchas manuais podem ser feitas no próprio câmbio ou nas aletas atrás do volante, deixando o SUV à mercê da vontade do motorista.
 
O motor ficou bom para o carro no quesito desempenho, mas no consumo, nem tanto. No nosso teste, o computador de bordo registrou 5,4km/l na cidade e 8,3km/l na estrada, com etanol. De qualquer forma, é um motor melhor que o 2.0 aspirado de 166cv, que deixou de ser oferecido. O modelo traz ainda o Jeep Traction Control +, que tem conceito similar ao Locker, porém, com funcionamento todo eletrônico. Em caso de falta de aderência, o sistema transfere todo o torque para a roda dianteira que está em contato com o solo.
 
A direção tem assistência elétrica, com cargas bem definidas, ficando mais leve em baixas velocidades e mais firme em altas. Mas o diâmetro de giro dificulta manobras em espaços mais apertados, exigindo paciência. Sensores de estacionamento e câmera de ré minimizam um pouco o problema. As suspensões são equilibradas, com boa estabilidade em curvas e conforto ao trafegar até sobre pisos irregulares. Os freios com discos nas quatro rodas e a eletrônica habitual garantem total segurança.
 
Quando lançado no fim de abril, o Jeep Compass Longitude T270 flex AT6 custava R$ 154.990. Agora, tem preço sugerido de R$ 158.990, e com todos os opcionais pode chegar a R$ 178.290. O Toyota Corolla Cross com motor 2.0 (177cv) é vendido na versão XR, de entrada, por R$ 146.590, ou XRE, por R$ 157.090, e com lista de equipamentos que traz como destaques os sete airbags, controles de tração e estabilidade e sinal de frenagem de emergência. Já o Volkswagen Taos, com motor 1.4 turbo (150cv) é vendido na versão Comfortline por R$ 155.585, e na Highline por R$ 182.385, que traz ACC (controle adaptativo de velocidade e distância), detectores de ponto cego e pedestre e VW Play com tela de 10 polegadas. São concorrentes de peso que podem ameaçar a liderança do Compass, que ganhou reforço com o novo motor.
 
FICHA TÉCNICA

MOTOR (*)
Dianteiro, transversal, quatro cilindros em linha, 16 válvulas, 1.332cm³ de cilindrada, turbo, injeção direta, flex, que desenvolve potências máximas de 180cv a 3.750rpm (com gasolina) e 185cv a 3.750rpm (com etanol) e torque máximo de 27,5kgfm (g/e) a 1.750rpm

TRANSMISSÃO (*)
Tração dianteira, com câmbio automático de seis marchas e opção de trocas manuais por aletas

SUSPENSÃO/RODAS/PNEUS (*)
Dianteira, independente, McPherson com rodas independentes, braços oscilantes inferiores com geometria triangular e barra estabilizadora; e traseira McPherson com rodas independentes, links transversais/laterais e barra estabilizadora/ 7 x 18 polegadas (liga de alumínio)/225/55 R18

DIREÇÃO (*)
Do tipo pinhão e cremalheira, com assistência elétrica progressiva

FREIOS (*)
Com discos ventilados na dianteira e sólidos na traseira, com 
assistência ABS e EBD

CAPACIDADES (*)
Do porta-malas, 476 litros; tanque, 60 litros; e de carga útil, 400 quilos

DIMENSÕES (*)
Comprimento, 4,40m; largura, 1,81m; altura, 1,62m; distância entre-eixos, 2,63m; altura livre do solo, 20,5cm

ÂNGULOS (*)
De entrada, 21,5 graus; de saída, 30,7 graus; de rampa, 20,5 graus

PESO (*)
1.585 quilos

DESEMPENHO (*)
Velocidade máxima de 204km/h (g) e 206,5km/h (e)
Aceleração até 100km/h em 9,7 segundos (g) e 9,3 segundos (e)

CONSUMO (**)
Cidade: 10,3km/l (g) e 7,1km/l (e)
Estrada: 11,9km/l (g) e 8,6km/l (e)

(*) Dados dos fabricantes
(**) Medição do Inmetro
(g): gasolina
(e): etanol

EQUIPAMENTOS EM CADA VERSÃO

EQUIPAMENTOS

l DE SÉRIE – Acendimento automático dos faróis, ajuste do volante em altura e distância, alertas de limite de velocidade e manutenção programada, aletas para trocas de marcha no volante, conectividade por Apple Carplay e Android Auto com espelhamento sem fio, ar-condicionado automático dual zone, banco do motorista com regulagem de altura, banco traseiro bipartido 60/40 e rebatível, bancos revestidos em couro, multimídia de 10,1 polegadas com Adventure Intelligence Plus, chave de presença com telecomando para abertura de portas e vidros (Keyless Enter 'n Go), computador de bordo, controles de estabilidade (ESC) e tração, controle eletrônico anticapotamento, câmera de estacionamento traseira, faróis Full LED com assinatura em LED, faróis de neblina em LED, freio de estacionamento eletrônico, Hill Start Assist (HSA), iluminação do porta-malas, Isofix, Jeep Traction Control , lanternas traseiras com assinatura em LED, limitador de velocidade, painel de instrumentos em tela TFT de 7" colorida e configurável, Panic break assist, porta-objetos sob o assento do banco do passageiro, rack do teto na cor preta, repetidor lateral nos retrovisores, retrovisores elétricos, rodas de liga leve aro 18 poelgadas, seis airbags, sensores de chuva e estacionamento traseiro, sistema Auto Hold, sistema Start&Stop, sistema de monitoramento de pressão dos pneus, sistema de navegação GPS, sistema de áudio com seis alto-falantes, três entradas USB (uma do tipo C) e Bluetooth, tapetes em carpete, tomada 12V, travas elétricas nas portas e porta-malas, travamento automático a 20km/h, vidros elétricos nas quatro portas com one touch e volante com acabamento em couro.

OPCIONAIS – Teto solar elétrico e panorâmico Command View (R$ 8.900), pintura perolizada (R$ 2.400), e Pack 80 anos (R$ 8 mil) com Park Assist, Wireless Charger (carregador do celular por indução), acabamento externo em grafite, sistema de som premium 
Beats de 506w (oito alto-falantes 
e subwoofer), retrovisores 
externos com rebatimento 
automático e partida remota.

Quanto custa?

O Jeep Compass Longitude T270 AT6 tem preço sugerido de R$ 158.990. Com os opcionais teto solar panorâmico, pintura perolizada e Pack 80 anos sobe para R$ 178.290. 

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade