Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Pé na terra

Com motor de dois cilindros em linha, modelo 2019 ganhou força em giros mais baixos, roda dianteira com aro maior, novo painel, além de ajustes no visual e na técnica


postado em 24/11/2018 05:09

As suspensões ganharam maior curso e mais disposição na terra(foto: Honda/Divulgação)
As suspensões ganharam maior curso e mais disposição na terra (foto: Honda/Divulgação)



Quando foi lançada em 2013, a Honda CB 500X era uma espécie de aventureira de gravata, com mais aptidão para o asfalto do que para a terra, dividindo o mesmo conjunto mecânico com irmãs street CB 500F e com a esportiva CBR 500R, embora ostentasse um jeitão fora de estrada. De lá para cá, o modelo produzido em Manaus, Amazonas, veio agregando alterações, que na linha 2019 (apresentada no Salão de Milão, Itália), incorpora mudanças que o deixam um pouquinho mais voltado para a terra, além de ajustes no visual e na técnica.


A combinação de maior porte e disposição para encarar asfalto e poeira, batizada de “crossover” entre os automóveis, também faz sucesso na versão em duas rodas, refletida na CB 500X, que é a mais comercializada entre as irmãs. As alterações no modelo novo também chegarão ao Brasil, confirmando essa tendência. Para ficar mais off road, a roda dianteira ficou um pouco maior, passando de 17 polegadas de diâmetro (como nas irmãs) para 19 polegadas, acompanhada de pneu 110/80. Uma solução intermediária entre as fora de estrada com aro 21 e as esportivas com 17 polegadas.

MISTO A nova medida reduz ligeiramente a agilidade nas mudanças de direção no asfalto, mas encara com maior disposição o rali diário do piso irregular. As rodas continuam de liga leve, outra característica própria do asfalto, porém, ganharam novo desenho. Para acompanhar as alterações, a suspensão dianteira também foi modificada. O garfo permanece com a clássica arquitetura telescópica não invertida, com tubos de 41mm de diâmetro. Entretanto, o curso, que já era maior (20mm) que nas irmãs, foi de 140mm para 150mm, com possibilidade de ajustes na pré-carga.


A suspensão traseira também foi ajustada. Com sistema de monoamortecimento, passou de 118mm de curso para 135mm, com possibilidade de cinco ajustes na pré-carga. As alterações provocaram aumento na altura do banco, em dois níveis, de 812mm para 830mm. Outras mudanças em relação às irmãs para acompanhar o estilo “aventureiro” permanecem. O tanque, com 17,7 litros de capacidade, contra 16,7 litros, proporciona maior autonomia, e o novo guidão mais alto, uma posição de pilotagem mais relaxada.

MOTOR A linha CB 500, além de dividir quadro e outros sistemas com as irmãs 500F e 500R, também resgata a clássica denominação 500, embora a capacidade real seja de 471cm³. O motor, equipado com dois cilindros em linha e arrefecimento líquido, ganhou mais torque em baixos giros (4,8kgfm a 6.500rpm), com novo arranjo na abertura das válvulas de admissão, possibilitando melhores retomadas, inclusive na terra. Com mais torque em giros mais baixos, a curva de potência também foi alterada, fornecendo 48cv a 8.600rpm.


O câmbio de seis marchas tem embreagem deslizante, para uma pilotagem mais radical, e o manete de freio regulagem na altura. O conforto no asfalto também está presente no para-brisa com regulagem manual de altura e no painel, com nova tela em LCD, que inclui o computador de bordo e indicação de marcha engatada, além das informações de praxe. A iluminação é em LED e os freios a disco wave, com sistema ABS. O visual também foi ajustado, com um para-lama superior (bico do farol) mais curto, assim como o para-lama inferior, junto à roda, além de cores e grafismos.

 

 

 


Publicidade