Publicidade

Estado de Minas

Advogado quer proibir Pokémon Go na Índia por suposta ofensa aos vegetarianos

Nichiket Dave diz que atenta contra as convicções hinduístas e jainistas, alguns dos quais não consomem carne nem produtos de origem animal


postado em 07/09/2016 14:45 / atualizado em 07/09/2016 15:01

Os ovos, que são obtidos em alguns portais chamados 'pokéstops', contém pokémons em seu interior, que explodem quando o jogador caminha um certo número de quilômetros(foto: ABC News/Reprodução )
Os ovos, que são obtidos em alguns portais chamados 'pokéstops', contém pokémons em seu interior, que explodem quando o jogador caminha um certo número de quilômetros (foto: ABC News/Reprodução )
Um advogado indiano solicitou, nesta quarta-feira, a um tribunal do estado de Gujarat da Índia (oeste) a proibição do jogo Pokémon Go, porque poderia, segundo ele, ofender os vegetarianos ao oferecer ovos virtuais como recompensa.

O popular aplicativo de realidade aumentada atenta contra as convicções hinduístas e jainistas, alguns dos quais não consomem carne nem produtos de origem animal, defendeu o advogado Nichiket Dave em um tribunal de Ahmedabad, no estado de Gujarat.

Os ovos, que são obtidos em alguns portais chamados "pokéstops", contém pokémons em seu interior, que explodem quando o jogador caminha um certo número de quilômetros. Os pokéstops aparecem no mapa do mundo real, no qual estão espalhados por todas as partes.

A localização dos portais, às vezes incongruente, provocou várias polêmicas. Uma recente atualização os eliminou dos memoriais de Hiroshima e do Holocausto em Berlim.

Na Índia, onde ainda não se pode baixar o aplicativo oficialmente, vários pokéstops estão situados em templos. Contudo, qualquer alimentação não vegetaria é proibida nos recintos sagrados. "Oferecer ovos nos templos, inclusive no mundo virtual, é altamente discutível e equivale a uma blasfêmia", declarou Dave à AFP após uma breve audiência.

A Justiça indiana solicitará agora aos governo dos estado de Gujarat e da Índia, assim como aos criadores do jogo, que respondam a estas acusações.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade