Publicidade

Estado de Minas DARK IT

Mineiros criam navegador de tela preta até 20% mais econômico

Publicitário e administrador lançam aplicativo para dar mais conforto ao usuário. Ideia está entre as 50 selecionadas no mundo para participar do Startup Games, em agosto, no Rio de Janeiro


postado em 24/07/2016 06:00 / atualizado em 24/07/2016 09:38

Tela do smartphone e, atrás, tela do desktop com o uso do aplicativo(foto: Euler Júnior/EM/D.A Press)
Tela do smartphone e, atrás, tela do desktop com o uso do aplicativo (foto: Euler Júnior/EM/D.A Press)
Tablets, smartphones, computadores, TVs... Com a tecnologia cada vez mais integrada ao nosso dia a dia, em casa ou no trabalho, o tempo que passamos em frente a uma tela também cresce. Essa exposição exagerada à luz emitida por esses aparelhos cansa os olhos, causa irritação e contribui para o aumento do estresse. Esse problema foi um dos fatores que motivaram dois mineiros a criar o Dark It, navegador com a exclusiva opção de fundo de tela preta, que, além de diminuir os efeitos negativos do convívio diário com essa quantidade cada vez maior de aparelhos, economiza entre 15% e 20% de bateria que os convencionais.

Pedro Damasceno, publicitário, e Armando Mafra Campos, administrador, são os pais do Dark It, já disponível na loja de aplicativos para Android, Google Play. “Quem teve a ideia foi meu sócio. Ele trabalha com bolsa de valores e tinha essa demanda de um aplicativo que fizesse com que a tela dos computadores ou o fundo das mídias e sites ficasse preto. Quem trabalha com bolsa de ações usa muito o fundo preto, que chamamos de dark background, justamente para diminuir o cansaço dos olhos. Achei interessante, pesquisei e vi que não havia nada parecido. Os maiores navegadores, como Safari e o Google Chrome, não ofereciam essa opção de navegação”, conta Pedro.

A ideia de um navegador com fundo parece simples, mas é mais original do que se pensa. Tanto que o Dark It foi um dos 50 selecionados no mundo para participar do Startup Games, evento que será realizado em 8 e 9 de agosto, no Rio de Janeiro. Os participantes dos jogos farão workshops e palestras em meio a grandes investidores e mentores, enquanto competem entre si. O Startup Games é um dos maiores eventos da área, e ocorre a cada quatro anos. “Vamos apresentar nosso projeto em primeira mão para grandes investidores e desenvolvedores”, comenta Pedro.

O conceito pensado por Armando era de um aplicativo que fosse usado nos outros apps do tablet ou smartphone, para que o fundo ficasse preto, alterando, também, a cor das fontes. Pedro, porém, achou a ideia muito complicada de se tornar realidade, pois envolveria mexer na programação de outros apps. Depois de pesquisar muito, ele chegou à conclusão de que o melhor produto seria um browser (navegador), com acesso a sites, e-mails e redes sociais. Assim nasceu o Dark It. Ali, o usuário tem a opção de navegar em sites e redes sociais com o fundo da tela branco ou preto. No aplicativo, é possível cadastrar contas de e-mail e sites de relacionamento para acesso direto, com toda a segurança. A programação foi 100% desenvolvida pela equipe montada pelos sócios. “Resolvemos assumir o projeto. Investimento e trabalho todo nosso. Preferimos fazer um código mais robusto”, explica.

EXPANSÃO CONSTANTE Segundo pesquisa divulgada em abril pela Fundação Getulio Vargas de São Paulo (FGV-SP), são mais de 168 milhões de smartphones em uso no Brasil. A projeção é que, em 2018, ultrapasse 230 milhões de unidades ativas. Outro dado interessante é que há mais smartphones que computadores no país (notebooks, tablets e desktops), com um total de 160 milhões de dispositivos. A soma dos dois números indica que existe 1,6 aparelho conectado à internet por habitante. Há seis anos, a realidade era bem diferente, com um dispositivo para cada dois brasileiros. Para 2018, a expectativa é de que esse total chegue a 416 milhões, dois por habitante.

Os aparelhos usam basicamente duas tecnologias de tela: LCD e OLED. A última é mais utilizada em aparelhos com o sistema operacional desenvolvido pelo Google, o Android. A Apple, porém, já anunciou que o OLED passará a ser adotado em seus produtos, ampliando ainda mais o mercado para a dupla de desenvolvedores mineiros. “Já vi pesquisas que apontam que o OLED vai substituir o LED em dois anos. E o que é o X da questão? O LCD precisa de uma luz branca embaixo dos pixels para ativá-los e formar a imagem. No caso do OLED, esses pixels são independentes. Então, a partir do momento em que você tem o fundo preto, os pixels que não são usados, não são ativados. Usando o fundo preto do Dark It, então, você consegue ter uma economia de bateria de 15% a 20% por dia. Nosso produto é focado em aparelhos com OLED, por isso só o lançamos para o Android. Mas já estamos desenvolvendo a versão para iOS, já que a Apple também utilizará a tecnologia em seus produtos. Fui a Londres ano passado para mostrar nosso navegador para pessoas importantes do setor e o feedback que tive foi muito positivo”, relata.

PLATAFORMA COMERCIAL Os sócios também desenvolveram um novo modelo de negócios para a empresa, com a criação de uma plataforma comercial dentro do navegador. Espaços publicitários são disponibilizados no programa, com liberdade de configuração e exibição do anúncio em regiões específicas. “É um recurso para nos ajudar a viabilizar ainda mais o projeto. O interessado entra no nosso site, monta seu anúncio, com descrição, vídeo ou foto, escolhe o lugar do Brasil que quer que apareça e, à medida que as pessoas clicam, o valor é debitado do sistema. É outro diferencial que nenhum navegador oferece”, diz Pedro.


Dark It
www.darkitapp.com
. Disponível no Google Play
.Gratuito
.Tamanho: 6,1M

 

PRETO TOTAL
O mundo tecnológico funciona assim: os novos recursos criados substituem os antigos. E as telas OLED ganham cada vez mais espaço em computadores, televisores, smartphones e tablets. Diferentemente do que ocorre com o LCD, as telas de OLED trabalham com pixels individuais, garantindo muito mais qualidade no contraste das imagens. Por quê? Enquanto telas comuns precisam do backlight (luz de fundo) para que as imagens possam ser vistas, aparelhos OLED não. No LCD, o preto é, na verdade, tons escuros de cinza. Já nos aparelhos OLED, os pixels se apagam totalmente e, por não existir luz de fundo, o que é preto fica realmente preto, melhorando a qualidade da imagem. Essa tecnologia  permite ainda a fabricação de telas mais finas e versáteis, e
usa o LED orgânico.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade