Publicidade

Estado de Minas SÉRIE B

América vence por 2 a 1 e complica ainda mais a situação do Cruzeiro

O Coelho precisou de alguns minutos no primeiro tempo para marcar dois gols e praticamente decidir a partida, seguindo firme na Série B


30/08/2020 04:00

Eduardo Bauermann marcou o primeiro gol, que abriu o caminho para a vitória do América no Mineirão(foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)
Eduardo Bauermann marcou o primeiro gol, que abriu o caminho para a vitória do América no Mineirão (foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)

O América precisou propor o jogo apenas nos primeiros 45 minutos do clássico contra o Cruzeiro, na noite de ontem, para sair com a vitória por 2 a 1, gols de Eduardo Bauermann e Matheusinho. Arthur Caíke, em bela cobrança de falta, descontou na etapa final, na qual o time celeste teve mais volume de jogo, mas faltou qualidade para chegar ao menos ao empate na sexta rodada da Série B do Campeonato Brasileiro.

Foi o quarto jogo seguido sem vitória do time celeste, incluindo um pela Copa do Brasil. Assim, vê a zona de rebaixamento da Segunda Divisão se aproximar perigosamente. O próximo compromisso será quarta-feira, às 21h30, em Pelotas (RS), contra o Brasil. Já o Coelho venceu a terceira seguida, também incluindo compromisso pelo mata-mata nacional. E, com isso, entra no G4 e fica bem próximo da liderança, que pode vir já na quarta-feira, quando recebe o CSA, às 16h, no Independência.

“O primeiro tempo acabou definindo a partida. Foi decepcionante em todos os sentidos. No segundo, buscamos, lutamos, pois sempre queremos entregar vitória”, afirmou o técnico azul, Enderson Moreira, que começa a ter o trabalho questionado por pessoas muitos próximas e influentes aos dirigentes, ainda que o grupo esteja em formação. “Tenho convicção de que vamos nos recuperar. Tudo tem servido de aprendizado para o grupo, para a maturidade dos mais jovens”.

O treinador, aliás, segue a sina de não vencer clássicos mineiros. Comandando o América em 11 oportunidades contra Atlético e Cruzeiro, perdeu 10 e empatou um, retrospecto que piorou com o resultado deste sábado. Por outro lado, o Coelho quebrou tabu de 25 clássicos mineiros sem vitória. A última vez havia sido em 1º de maio de 2016, no jogo de ida da decisão do Campeonato Mineiro, quando fez 2 a 1 no Atlético, no Independência. Desde então havia obtido sete empates e saído derrotado em 18 oportunidades.

“Todo tabu termina um dia. O América vem fazendo trabalho interessante. Ficou à frente de Atlético e Cruzeiro na primeira fase do Campeonato Mineiro. Na Copa do Brasil foi mais longe que os rivais, é o único representante de Minas. Faltava ganhar um clássico para a gente pegar mais confiança ainda no trabalho, que é muito benfeito por todos no clube”, declarou o técnico americano Lisca.

Os rivais precisavam da vitória e apostaram em formações ofensivas para o clássico, que começou movimentado, mas com poucas chances de gol. A primeira finalização foi do Coelho, aos 9min, com Rodolfo, que obrigou Fábio a trabalhar com chute de fora da área, que ainda desviou. A Raposa tentou responder em cobrança de falta de Arthur Caíke, aos 12min, mas sem direção.

Apesar da falta de criatividade de ambos os lados, o América conseguiu abrir o marcador aos 25min. Daniel Borges mandou para a área, a zaga celeste cortou mal, Rodolfo pegou a sobra e cruzou rasteiro para o zagueiro Eduardo Bauermann completar de dentro da pequena área. O gol desarticulou completamente o Cruzeiro e o Coelho se aproveitou para ampliar. Aos 31min, Matheusinho bateu duas vezes para conseguir vencer o lateral Cáceres. A vantagem só não foi maior porque Fábio pegou uma bomba de João Paulo já nos acréscimos.

OUTRO PANORAMA

Com três mudanças, o time celeste ao menos voltou com mais disposição para o segundo tempo. Mas esbarrou nas próprias limitações, ainda que os americanos tenham aberto mão de jogar, se limitando a rechaçar as investidas adversárias. Assim, conseguiu diminuir em uma cobrança de falta de Arthur Caíke, aos 30min. A bola ainda tocou na trave antes de entrar, sem chance para Matheus Cavichiolli. A Raposa, então, partiu para cima com tudo, enquanto o Coelho se fechou ainda mais, inclusive com a entrada de um volante, Flávio, no lugar de um armador, Marcelo Toscano, garantindo o resultado de forma arriscada.

ANÁLISE DA NOTÍCIA
 

Mérito para o melhor conjunto

No primeiro clássico entre América e Cruzeiro pela Série B do Campeonato Brasileiro venceu a equipe que está à frente física, técnica e taticamente. Com a base de 2019, quando faltou um ponto para subir para a Primeira Divisão, o Coelho não teve dificuldades para se impor diante de uma Raposa irreconhecível no primeiro tempo, abrindo confortáveis 2 a 0.

No segundo tempo, a equipe celeste teve mais volume, porém, isso se deveu mais ao fato de o adversário ter praticamente abdicado do ataque do que por méritos próprios. Foi um domínio estéril, sem chances reais de gol criadas, a não ser em bolas paradas, como a que resultou no belo gol de Arthur Caíke.Os americanos têm motivo para comemorar o resultado, que acaba com longa sequência de insucessos em clássicos estaduais, mas precisam estar cientes da situação. Postura tão defensiva, em busca de uma única bola para “matar” o jogo, poderá custar caro contra equipes mais qualificadas. Ao menos o técnico Lisca parece ciente disso e promete melhorar a transição do time.

Já o Cruzeiro vai vivendo calvário. A equipe tem lutado, mas não consegue se entender dentro de campo. Alguns dos mais experientes deixaram a desejar, como ocorreu com os volantes Henrique e Ariel Cabral e o atacante Marcelo Moreno. E com isso, os jovens não conseguem sobressair, correndo risco de se queimar. Cabe dar o mínimo de padrão tático ao time a Enderson Moreira, ou ao sucessor dele, caso a pressão pela demissão do comandante fique grande demais.

Cruzeiro
Fábio; Cáceres, Leo, Cacá e Giovanni (Matheus Pereira, intervalo); Henrique (Filipe Machado 34 do 2º), Ariel Cabral (Jadsom, intervalo), Arthur Caíke, Régis (Maurício, intervalo) e Aírton; Marcelo Moreno (Thiago 35 do 2º)
Técnico: Enderson Moreira

América
Matheus Cavichiolli; Daniel Borges (Diego Ferreira 49 do 2º), Messias, Eduardo Bauermann e João Paulo; Zé Ricardo, Juninho, Marcelo Toscano (Vitão 21 do 2º), Matheusinho (Calysson 36 do 2º) e Alê (Flávio 36 do 2º); Rodolfo (Leo Passos 36 do 2º)
Técnico: Lisca

6ª rodada da Série B do Camp. Brasileiro
Estádio: Mineirão
Gols: Eduardo Bauermann 25 e Matheusinho 31 do 1º; Arthur Caíke 30 do 2º
Árbitro: Paulo César Zanovelli (MG)
Assistentes: Frederico Soares Vilarinho e Leonardo Henrique Pereira (MG)
Cartão amarelo: Lisca, Matheusinho, Daniel Borges e Lucas França
Sem público


*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade