Publicidade

Estado de Minas CAMPEONATO MINEIRO

Atlético precisa só de um empate com o Tombense para garantir o título do Estadual

A partir das 16h, no Mineirão, os dois times fazem a partida decisiva do campeonato, que pode representar muito tanto para o Galo quanto para a equipe do interior


30/08/2020 04:00 - atualizado 29/08/2020 23:23

O meio-campista Alan Franco reconhece a vantagem obtida no primeiro jogo, mas não despreza a qualidade do adversário(foto: Bruno Cantini/Atlético/Divulgação)
O meio-campista Alan Franco reconhece a vantagem obtida no primeiro jogo, mas não despreza a qualidade do adversário (foto: Bruno Cantini/Atlético/Divulgação)

Mais de 220 dias depois de a bola rolar para a primeira partida da rodada inicial, o Campeonato Mineiro, enfim, termina hoje. A partir das 16h, Atlético e Tombense duelam no Mineirão pelo título da competição, que foi paralisada entre março e julho em função da pandemia do novo coronavírus. O time alvinegro tem vantagem e será campeão até com um empate, já que venceu o jogo de ida da final por 2 a 1, na última quarta-feira. À equipe do interior resta buscar uma vitória por qualquer placar para fazer história e ficar com a taça pela primeira vez.

Apesar de ser considerado o campeonato de menor peso no ano, o Estadual ganhou importância extra na temporada atleticana. Eliminações precoces na Copa do Brasil e na Sul-Americana, turbulências políticas às vésperas da eleição presidencial e mudanças drásticas no planejamento ao longo de 2020 fizeram com que o Mineiro reverberasse com maior intensidade tanto dentro quanto fora de campo. Por isso – e para garantir maior tranquilidade para executar o trabalho no decorrer do Brasileirão –, o técnico Jorge Sampaoli prega atenção total na finalíssima de hoje.

Entre os jogadores do Atlético, o discurso é semelhante. “Estamos contentes com essa grande virada no primeiro jogo, mas sabemos que temos mais 90 minutos pela frente para alcançar o grande objetivo, que é o título. O adversário tem um time qualificado e mostrou isso ao longo do estadual, tanto que liderou a primeira fase. Nos deram muito trabalho, como já esperávamos, mas conseguimos reverter a desvantagem para vencer”, pregou o meio-campista Alan Franco. Reserva no jogo de ida, o equatoriano briga por vaga na equipe titular no jogo de hoje.

Do lado do Tombense, a estratégia é repetir a postura que incomodou o Atlético de Sampaoli no jogo de ida no Mineirão. Apesar da derrota, a equipe do interior conseguiu dificultar a construção ofensiva rival, que teve a posse de bola na maior parte da partida, mas criou poucas oportunidades claras de marcar. Tanto é que o gol da vitória saiu apenas aos 52 minutos da etapa final, em finalização de Keno, que desviou na defesa e enganou o goleiro Felipe Garcia.

O jovem atacante Sávio, de 16 anos, está entre os 23 escalados pelo técnico Sampaoli para a final do Mineiro(foto: Pedro Souza/Atlético/Divulgação)
O jovem atacante Sávio, de 16 anos, está entre os 23 escalados pelo técnico Sampaoli para a final do Mineiro (foto: Pedro Souza/Atlético/Divulgação)

Surpresas de Sampaoli

 como precisar qual será a escalação do Atlético para a decisão. Afinal, o técnico Jorge Sampaoli tem o costume de modificar a equipe de um jogo a outro. Nas 11 partidas à frente do time alvinegro, o argentino não repetiu a formação nem uma vez. No jogo de ida da final, inovou – ou melhor, resgatou um sistema usado de forma parecida nos anos 1950 – e mandou a campo quatro atacantes: Keno, Savarino, Eduardo Sasha e Marrony.

A estratégia, porém, não deu muito certo no primeiro tempo, que acabou empatado sem gols. Sampaoli modificou o esquema tático ao longo da partida, mas, mesmo assim, o Atlético seguiu com problemas na criação de jogadas. Com a lesão de Nathan, o principal responsável por pensar o jogo ofensivo alvinegro é Hyoran, que ainda não conseguiu emendar uma boa sequência de atuações desde que foi contratado, no início do ano. O meia admitiu que precisa melhorar.

“Eu me sinto em condições (de ser o camisa 10). Venho conversando com o Sampaoli sobre isso, sobre algumas coisas dentro de campo que eu sinto que preciso melhorar, pedindo conselhos para ele (Sampaoli), que é um cara muito inteligente. Quero ajudar o Atlético, estou me sentindo em condições, mesmo sabendo que preciso melhorar em alguns detalhes, como o último passe e a finalização", afirmou, na última sexta-feira.

Para a decisão, Sampaoli convocou 23 jogadores. A principal novidade é a presença do jovem atacante Sávio, de apenas 16 anos. Ele, porém, não deverá ser titular. Além de Nathan, outra ausência por lesão é Diego Tardelli, que deve voltar a atuar apenas em 2021. Fora dos planos do treinador e da diretoria, Cazares segue fora.

O time do Tombense entra em campo para decidir um título inédito e promete partir para cima do Atlético(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)
O time do Tombense entra em campo para decidir um título inédito e promete partir para cima do Atlético (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)

Dono da melhor campanha


Fundado em 1914 e profissionalizado em 1999, o Tombense chegou à final do Campeonato Mineiro pela primeira vez. Ao longo da competição, registrou a melhor campanha. Liderou a fase classificatória com 26 pontos (oito vitórias, dois empates e só uma derrota), teve a melhor defesa (seis gols sofridos) e o terceiro melhor ataque (18 marcados). Nas semifinais, ganhou duas vezes da Caldense.

Por ter terminado a primeira fase na liderança do torneio, o time do interior será campeão caso acumule vitória e derrota pelo mesmo saldo. No entanto, com o revés para o Atlético na partida de ida, um empate garante o título ao Alvinegro.

Hoje, a expectativa é que o técnico Eugênio Souza mantenha a base da escalação usada na última partida, mas modifique a postura da equipe, que precisa atacar mais. A principal esperança ofensiva é o atacante Rubens, artilheiro do Campeonato Mineiro, com sete gols – um deles na última quarta-feira.

Ex-jogador do Flamengo, o meia Ibson é um dos destaques do Tombense. Para o experiente jogador de 36 anos, o time precisa evitar os erros do primeiro jogo para, quem sabe, sonhar com o título inédito. “Acredito que temos que entrar da mesma forma (que na primeira partida), tendo bastante precaução, porque o Atlético é uma equipe muito ofensiva. Não podemos dar espaço para eles, mas sabemos que precisamos vencer, fazer um gol. Tentar errar o menos possível para que possamos ter um grande resultado e, consequentemente, o título, que é tão importante e sonhado pelo clube”, disse, em entrevista à Rádio Itatiaia.

Apesar de o Tombense ser o mandante, o duelo decisivo não será em Tombos, cidade da Zona da Mata mineira. Isso porque apenas Mineirão e o Independência estão homologados para receber o VAR, tecnologia presente na fase mais aguda da competição.

TOMBENSE X ATLÉTICO

Tombense
Felipe; David, Admilton, Matheus Lopes e João Paulo; (Rodrigo) Falcão, Ibson e Serginho (Gabriel Lima); Marquinhos, Cássio Ortega e Rubens
Técnico: Eugênio Souza

Atlético
Rafael; Guga, Réver, Junior Alonso e Guilherme Arana; Allan, Alan Franco (Jair) e Hyoran; Marquinhos (Savarino), Keno e Eduardo Sasha (Marrony)
Técnico: Jorge Sampaoli

Motivo: jogo de volta da final do Camp. Mineiro
Local: Mineirão, em Belo Horizonte
Horário: 16h 
Árbitro: Ronei Cândido Alves
Assistentes: Marcus Vinícius Gomes e Felipe Alan Costa de Oliveira
VAR: Wanderson Alves de Souza

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade