Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas BASQUETE

Com Leandrinho em grande forma, Minas vai engrenando no NBB

Equipe mineira vem de duas vitórias seguidas fora de casa e se prepara para mais dois confrontos como visitante


postado em 27/10/2019 04:00 / atualizado em 26/10/2019 22:42

Em grande fase, o ala/armador minas-tenista Leandrinho é o cestinha do NBB com 91 pontos e tem o melhor aproveitamento dos arremessos de três e dois pontos e lances livres(foto: Marcos Vieira/EM/D.A Press %u2013 14/10/19)
Em grande fase, o ala/armador minas-tenista Leandrinho é o cestinha do NBB com 91 pontos e tem o melhor aproveitamento dos arremessos de três e dois pontos e lances livres (foto: Marcos Vieira/EM/D.A Press %u2013 14/10/19)
 

 

O Minas começou mal a temporada do NBB. Foi derrotado nos dois primeiros jogos, disputados em BH. Mas o time reagiu e venceu as duas últimas partidas, fora de casa. Além da melhora no entrosamento e no retorno de jogadores que estavam contundidos, o ala/armador Leandrinho, de 36 anos, tem se destacado. Além de ser o maior pontuador da competição, com 91 pontos, média de 22,75 por jogo, tem o melhor aproveitamento dos arremessos de três pontos, média de 36,84%, dois pontos (73,68%), lances livres (70%) e é também o jogador mais eficiente da competição, com 77,25% de aproveitamento. Até agora, o jogador disputou quatro partidas até aqui.


A equipe mineira perdeu para o Flamengo na estreia por 93 a 85 e, em seguida, para o Botafogo (85 a 84). Mas se recuperou longe de seus domínios, derrotando o Rio Claro-SP (90 a 89) e Pato Branco-PR (80 a 62) – o time chegou a estar na 13ª posição e agora está no nono lugar.


O técnico Leo Costa, no entanto, não fala de um jogador apenas,  mas da importância de todo o grupo para a reação no NBB. Para ele, houve uma mudança de postura. “Foi determinante o posicionamento defensivo, que tinha sido muito ruim nos dois primeiros jogos, mas melhorou, sensivelmente, nas duas partidas longe da torcida.”

 

"Nosso nível defensivo foi excelente, o que levou a uma ótima consistência de jogo e que nos permitiu administrar a partida para sairmos com a vitória"

Leo Costa, treinador do Minas, sobre a última apresentação do time, contra o Pato Branco

 

 

Um dos motivos para essa melhora, segundo o treinador, foram as voltas dos pivôs Shilton e Tyrone. “Eles foram fundamentais nessa melhora, não só defensivamente como ofensivamente. Além de serem importante para a equipe, eles permitem uma melhor rotação de jogadores em quadra, o que praticamente não tivemos nos dois primeiros jogos, pelo fato de estarem fora.”


O treinador viu diferentes atuações nos dois últimos jogos. Segundo ele, na vitória sobre o Rio Claro o comportamento foi diferente da sobre o Pato Branco. “Contra o time paulista, falhamos muito na defesa. Conseguimos um ajuste no último período. Mas foi importante a equipe mostrar poder de reação, o que foi determinante para a vitória.”


Já no Paraná, Leo Costa viu um time muito superior e que está a caminho de um entrosamento que ele considera ideal. “Nosso nível defensivo foi excelente, o que levou a uma ótima consistência de jogo e que nos permitiu administrar a partida para sairmos com a vitória.”


Daqui em diante, ele prevê um time ainda mais forte. “Para as próximas partidas, contra o São Paulo (dia 2) e Paulistano (dia 4), embora sejam ambas em São Paulo, teremos, pela primeira vez, o grupo de jogadores completos, o que não aconteceu ainda. Isso me dá mais confiança, assim como aos jogadores.” Os dois jogos serão fora de casa.

Viagem desgastante

 

Embora as viagens no NBB aconteçam, sempre, de avião, os jogadores do Minas sofreram para jogar em Rio Claro e Pato Branco. Pra começar, o time saiu de BH na segunda-feira de manhã, indo para Campinas, onde depois de uma espera de quase duas horas, trocaram de avião para, então, seguir para Rio Claro. Saíram de BH de manhã e chegaram ao destino no fim da tarde.


Para o segundo jogo, no Paraná, o desgaste foi ainda maior. Tomaram um voo em Rio Claro e foram para Campinas. Depois de quase três horas de espera, pegaram um avião para Curitiba. Lá, mais uma espera desgastante para, enfim, seguir para Pato Branco. A volta foi igualmente desgastante, tendo começado na manhã de ontem e a chegada a Confins aconteceu somente no início da noite.


Publicidade