Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas CAMPEONATO BRASILEIRO

Galo entra com obrigação de vencer

Duelo com o Ceará no Horto vira prova de fogo para o técnico e jogadores do Atlético, que vem de queda na Sul-Americana e de seis derrotas seguidas no Campeonato Brasileiro


postado em 29/09/2019 04:00

O argentino Franco di Santo seguirá no comando do ataque alvinegro: sob desconfiança da torcida, grupo promete reação(foto: Edésio Ferreira/EM/D.A Press - 6/8/19)
O argentino Franco di Santo seguirá no comando do ataque alvinegro: sob desconfiança da torcida, grupo promete reação (foto: Edésio Ferreira/EM/D.A Press - 6/8/19)
 
 
Em circunstâncias normais, o jogo de hoje com o Ceará, às 19h, no Independência, seria oportunidade ideal para que o Atlético reencontrasse sua fanática torcida em alto-astral. Mas depois da eliminação nas semifinais da Copa Sul-Americana, os jogadores e o técnico Rodrigo Santana sabem que a pressão pelo resultado positivo e por um desempenho satisfatório será grande. Sem vencer pelo Nacional desde os 2 a 1 sobre o Fluminense, em 10 de agosto, o Galo tenta interromper em casa o recorde negativo de seis derrotas consecutivas na era dos pontos corridos.

A diretoria optou por manter Rodrigo Santana no cargo, mas admite cobrar melhor performance de todo o grupo e do próprio treinador. Ainda que seja difícil, a meta clara do clube será buscar a recuperação gradualmente e brigar por vaga na Copa Libertadores de 2020. Por outro lado, a cobrança exigirá esforço em dobro de todos: um fiasco hoje ameaça interromper prematuramente o trabalho de pouco mais de cinco meses do treinador. Depois do Ceará, o Galo pega o Vasco, no meio de semana, também em Belo Horizonte.

O técnico diz que aposta na capacidade de reação dos atletas para a reviravolta na classificação: “Vamos mostrar quem é quem no elenco. Há homens para isso. Os jogadores estão sentindo muito, é hora de união, para ir com força máxima no Brasileiro, no domingo (hoje)”, declarou depois da queda diante do Colón.

Jogadores como o zagueiro e capitão Réver, o volante Elias e o armador Cazares foram os mais cobrados depois que a equipe saiu de campo derrotada nos pênaltis contra os argentinos. Numa tentativa de blindá-los de críticas mais pesadas, a comissão técnica e a diretoria defenderam que todo o grupo fez partida tecnicamente impecável, e que a queda na semifinal da Sul-Americana teria sido injusta. Mas sabe-se que cobranças mais pesadas serão feitas diariamente nos treinos e partidas.

Elias entende que o torcedor precisa ter paciência para que a equipe volte ao rumo das vitórias: “Todos falam que o elenco é limitado, mas estávamos brigando pelo título lá em cima. Precisamos dar tranquilidade para que o Rodrigo possa trabalhar e recuperar os pontos que perdemos no Brasileiro”. Desde 2017 no clube, o volante disse que a eliminação na competição internacional foi uma das maiores frustrações na carreira.

FORMAÇÃO

A formação que Rodrigo colocará em campo nesta noite é um mistério. Com nova lesão muscular na coxa direita, o volante Jair já está fora dos próximos jogos. Como o paraguaio Ramón Martínez passou por cirurgia no nariz, o provável é que Zé Welison continue como titular, a exemplo do segundo tempo contra o Colón, com chance remota para Nathan.

No setor ofensivo, o argentino Franco di Santo foi elogiado contra os argentinos e deve ser mantido. Nesse sentido, Ricardo Oliveira e Alerrandro ficarão como opções no banco de reservas. O aproveitamento de Luan entre os titulares está indefinido. O jogador deixou a partida de quinta-feira com cãibras, mas o caso não preocupa. Caso esteja 100%, deve começar no Horto.


O ADVERSÁRIO

Pacto com o grupo

O Ceará já esteve em situação confortável no Campeonato Brasileiro, mas se complicou depois de sete jogos sem vencer. A fase negativa aumenta a pressão sobre o técnico Enderson Moreira, cujo modelo de jogo começa a não surtir efeito na busca pelas vitórias. Se perder, o treinador, natural de Belo Horizonte pode cair. Os jogadores, no entanto, assumem a culpa pela queda de produção. “É muito fácil chegar aqui e colocar a culpa em treinador ou em jogador. Isto aqui é um grupo, cada um tem que assumir suas responsabilidades. Todo mundo tem sua parcela de culpa se o resultado não está vindo”, ressalta o atacante Mateus Gonçalves, que ocupará o lugar de Leandro Carvalho, suspenso por causa do terceiro cartão amarelo.
 
 
FICHA TÉCNICA
Atlético  x Ceará
Atlético: Cleiton; Patric, Réver, Igor Rabello e Fábio Santos; Zé Welison (Nathan), Elias, Cazares, Luan e Chará; Franco di Santo
Técnico: Rodrigo Santana
Ceará: Diogo Silva; Samuel Xavier, Valdo, Tiago Alves e João Lucas; Fabinho, Ricardinho e Thiago Galhardo; Felipe Baxola, Mateus Gonçalves e Bergson
Técnico: Enderson Moreira
22ª rodada do Brasileiro
Estádio: Independência
Horário: 19h
Árbitro: Paulo Roberto Alves Júnior (PR)
Assistentes: Bruno Boschilia e Roberto Trombeta (PR)
VAR: Carlos Eduardo Nunes Braga (RJ)
Atleticanos pendurados: Zé Welison, Lucas Hernández, Vinícius, Geuvânio, Elias e Fábio Santos
TV: Pay-per-view





Publicidade