Publicidade

Estado de Minas FUTEBOL MINEIRO

Bruno acerta com time da 3ª Divisão


postado em 14/08/2019 04:00

Último clube de Bruno foi o Boa, pelo qual ele disputou o Módulo II do Estadual, em 2017(foto: Leandro Couri/EM/D.A Press - 8/4/17)
Último clube de Bruno foi o Boa, pelo qual ele disputou o Módulo II do Estadual, em 2017 (foto: Leandro Couri/EM/D.A Press - 8/4/17)


O ex-goleiro de Flamengo e Atlético Bruno, de 34 anos, está perto de voltar ao futebol. O mandante do assassinato da modelo Eliza Samudio tem conversas avançadas com o Poços de Caldas, que disputará a Terceira Divisão do Campeonato Mineiro no ano que vem. Para retornar aos campos, no entanto, ele depende de liberação da Justiça.

Em 18 de julho, o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) concedeu progressão de pena a Bruno, que passou a ter direito ao regime semiaberto. Uma das exigências do juiz Tarciso Moreira de Souza, inclusive, era que o goleiro trabalhasse. Ainda conforme o documento, Bruno precisa de prévia autorização do Poder Judiciário para deixar a comarca de Varginha.

O presidente do Vulcão, o empresário Paulo César Silva, que assumiu o clube há pouco mais de dois meses, informou que a contratação será discutida hoje, em reunião entre a diretoria: “Nosso patrocinador já deu o aval. Além do Bruno, tem outros três, quatro jogadores que serão anunciados dentro do planejamento para subirmos para a Primeira Divisão de 2022”.

O cartola se diz ciente do imbróglio legal que envolve o caso: “Sabemos de toda a consequência que pode vir. O jurídico está dando andamento, por causa da liberação que ele precisa para treinar e morar em Poços”. 

A expectativa do clube é que Bruno seja apresentado no início de setembro: “Vai demorar entre 10 e 15 dias para assinar contrato e fecharmos tudo para fazer a apresentação, que deve ser entre 1º e 2 de setembro

Módulo II

 
Em fevereiro de 2017, Bruno chegou a ser solto por uma liminar do Superior Tribunal Federal (STF) e voltou a jogar futebol, atuando no Módulo II do Campeonato Mineiro pelo Boa, mas depois teve a medida revogada e pedido de habeas corpus negado.

Bruno foi preso em setembro de 2010 e condenado, em março de 2013, a 20 anos e nove meses de prisão. (Com Renan Damasceno)


Publicidade