Publicidade

Estado de Minas

Delegada não pede indiciamento


postado em 30/07/2019 04:11

Neymar foi acusado de estupro pela modelo Najila Trindade em 31 de maio(foto: NELSON ALMEIDA/AFP)
Neymar foi acusado de estupro pela modelo Najila Trindade em 31 de maio (foto: NELSON ALMEIDA/AFP)


A delegada Juliana Lopes Bussacos, da 6ª Delegacia de Defesa da Mulher, de Santo Amaro, encerrou ontem a investigação de estupro em que a modelo Najila Trindade acusava o jogador Neymar. O relatório, que não recomenda o indiciamento do jogador do Paris Saint-Germain, segue agora para o Ministério Público, que avaliará a decisão da delegada e dará seu parecer. As conclusões do MP e da Polícia Civil vão embasar a decisão final da juíza da Vara da Região Sul 2 de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher.

Juliana Lopes Bussacos concederá entrevista coletiva hoje para falar sobre o caso. Em entrevista ao Portal Uol, Cosme Araújo, advogado de Najila Trindade, disse que a delegada se posicionou de forma neutra no caso. “Ela estava com receio e, sem as provas, pedir arquivamento é uma temeridade. Ela não indiciou nem pediu arquivamento. Significa que ela não tomou uma decisão favorável ou contra”, afirmou.

O Ministério Público terá 15 dias, a partir de hoje para tomar as providências sobre o inquérito do caso. Cosme Araújo ainda acredita em desfecho favorável à cliente: “Delegado não julga, quem julga é judiciário. Ainda acreditamos no Ministério Público, acreditamos no Judiciário. Pode acontecer de o MP denunciar ou pedir mais diligência”.

O inquérito policial foi aberto após boletim de ocorrência protocolado em 31 de maio por Najila Trindade.  Juliana Bussaco tinha 30 dias para a conclusão do inquérito, mas pediu a prorrogação do prazo em 1º de julho. A modelo contou ter conhecido Neymar pelo Instragram e, depois de trocar mensagens com o jogador pela internet, foi ao encontro dele em Paris. A viagem foi bancada pelo atacante. Lá, ela relatou ter tido relação sexual com o jogador contra a vontade dela, depois de ele afirmar que não teria camisinha. Neymar, por sua vez, disse que a relação foi consentida e com uso de preservativo. Ela alega também ter sido agredida pelo atleta.



Publicidade