Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Batalha longe do fim

Fred consegue, na Justiça do Trabalho, suspender processo que o condenou a indenizar o Atlético. Galo contra-ataca


postado em 09/07/2019 04:05

Fred tenta se livrar do pagamento de R$ 10 milhões ao alvinegro por ter rompido cláusula acordada na rescisão com o ex-clube e acertado com a Raposa(foto: Vinnicius Silva/Cruzeiro)
Fred tenta se livrar do pagamento de R$ 10 milhões ao alvinegro por ter rompido cláusula acordada na rescisão com o ex-clube e acertado com a Raposa (foto: Vinnicius Silva/Cruzeiro)

A “novela” que se transformou a transferência do atacante Fred do Atlético para o Cruzeiro, no fim de 2017, ganhou novo capítulo às vésperas de mais um clássico entre os tradicionais rivais. Ontem, se o jogador e o clube celeste conseguiram decisão provisória suspendendo o processo arbitral que condenou o atacante a pagar R$ 10 milhões ao ex-clube, o alvinegro promete não só recorrer, como também pleiteará punições desportivas ao camisa 9 e ao clube rival. 
A defesa de Fred alega que a Câmara Nacional de Resolução de Disputas (CNRD) não tem competência legal para julgar o caso, usurpando as obrigações da Justiça Trabalhista. E obteve liminar concedida pelo juiz Adriano Marcos Soriano Lopes, da 13ª Vara do Trabalho de Belo Horizonte. 
O Cruzeiro contratou o advogado Maurício Corrêa da Veiga, diretor jurídico do Vasco, para cuidar do caso. Embora não seja réu, o clube celeste é responsável solidário pela quitação do valor. Em contato com a reportagem do Superesportes, a Raposa disse que o “processo corre em segredo de Justiça e não vai emitir comentários”. 
Já o vice-presidente do Atlético, Lásaro Cândido, critica a postura do lado contrário e acredita que a decisão será revertida. “Ele (Fred) esperou o último dia do prazo para recorrer. Está evidentemente protelando, juntamente com o clube atual dele, e ingressou na Justiça Comum. Queremos avisar que não só essa decisão vai ser objeto de recurso específico, vamos tentar caçá-la, mas também vamos adotar as medidas desportivas. O atleta Fred e o clube dele devem saber que recorrer à Justiça Comum contra as instâncias desportivas tem consequências.” 
O dirigente ressalta que as consequências poderão ser graves para a Raposa. “Temos exemplos bem próximos de nós. O Betim, ex-Ipatinga, acabou rebaixado da Série C para a Série D (do Campeonato Brasileiro de 2014) exatamente porque não cumpriu decisão da Fifa”, argumenta. 
ENTENDA Atlético e Fred rescindiram contrato em 22 de dezembro de 2017. No dia seguinte, o Cruzeiro anunciou oficialmente a contratação do centroavante, se responsabilizando pelo pagamento da multa de R$ 10 milhões, estipulada na rescisão caso ele fosse diretamente para o rival. 
Como não recebeu, a diretoria atleticana optou por ingressar na Câmara Nacional de Resolução de Disputas, da CBF, para cobrar a multa. O órgão condenou Fred a pagar a multa em 11 de dezembro de 2018. Agora, Fred e o Cruzeiro, devedor solidário, recorreram à Justiça Trabalhista.


Publicidade