Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Fôlego para o 40º título

Aos 36 anos, Daniel Alves deu a volta por cima depois da contusão que o tirou da Copa%u20192018 e tem sido um dos destaques da Seleção Brasileira


postado em 04/07/2019 04:06

"Realmente, acho que é tudo junção de força física e mental. Acho que é necessário ter vários requisitos para jogar futebol. Sei da idade que tenho, o que isso significa, mas aprendi uma coisa: as pessoas querem resultado. Concentro-me nisso" Daniel Alves, lateral-direito brasileiro (foto: Luis Acosta/AFP)


Jogador com mais títulos na história do futebol, com 39 conquistas, o lateral-direito Daniel Alves parece nunca perder o apetite e poderá ampliar a marca se ganhar a Copa América com a Seleção Brasileira, domingo, no Maracanã, contra o Peru. Será a prova de que idade não é problema para o baiano de Juazeiro, que tem 36 anos, mas mostra fôlego para seguir em alto nível, como mostrou na vitória do Brasil por 2 a 0 sobre a Argentina, na noite de quarta-feira, no Mineirão.

Em todos os jogos da competição ele esteve muito bem na marcação. Mas contra os hermanos acrescentou a qualidade na armação das jogadas. Muitas vezes, inclusive, investindo por dentro, como ocorreu na origem da jogada que resultou no primeiro gol verde-amarelo há dois dias, marcado por Gabriel Jesus depois de cruzamento de Roberto Firmino.

“Sou muito consciente do que posso dar dentro e fora de campo. Tive que me reinventar porque o futebol se reinventou, não se joga mais com laterais apoiando o tempo todo. As seleções jogam com pontas, consegui entender isso muito rapidamente. Hoje, jogo da maneira que sempre pensei que deveria, na criação e a serviço dos companheiros”, diz o capitão do Brasil.

Segundo ele, é preciso estar muito atento para conseguir realizar tudo que se espera de um jogador de ponta. E as passagens por mercados diferentes, como o brasileiro, o espanhol, o italiano e o francês, contribuíram para isso.

“Realmente, acho que é tudo junção de força física e mental. Acho que é necessário ter vários requisitos para jogar futebol. Sei da idade que tenho, o que isso significa, mas aprendi uma coisa: as pessoas querem resultado. Concentro-me nisso, não no que vão pensar de mim. Acho que o resultado tem sido positivo. Não estou aqui para calar nenhuma boca, só fazer o meu trabalho. O grupo é nota 10”, afirma.

As boas atuações rendem elogios do técnico Tite. Desde que assumiu a Seleção Brasileira, em 2016, aliás, o gaúcho deixou claro que contava com Daniel Alves. Contusão no joelho direito, porém, impediu que o jogador disputasse a Copa do Mundo da Rússia, no ano passado.

Depois de mais de quatro meses de recuperação, voltou aos poucos, mas este ano voltou a ter problemas físicos. Tite, porém, não desistiu dele e não só o convocou para a Copa América como o confirmou como capitão.

“A força mental dele é importante. Mas, se não fosse todo o cuidado que teve na recuperação, se o PSG não tivesse dado todas as condições de evolução, ele não estaria neste estágio, não teria essa capacidade mental de recuperação. E também essa capacidade física e técnica. Fico feliz pela naturalidade que ele tem. O Dani é do bem, que bom poder lidar com atletas com essa capacidade e essa característica”, argumenta o treinador do Brasil.

CURRÍCULO Se ajudar a Seleção no domingo, Daniel Alves vai ampliar ainda mais a galeria de conquistas. Se nos clubes sempre foi campeão, na Seleção soma uma Copa América (2007) e duas Copas das Confederações (2009 e 2013).

Em 2014, foi preterido por Luiz Felipe Scolari, que preferiu escalar Maicon na lateral direita. Com isso, escapou dos 7 a 1 para a Alemanha, que tanto marcou aquela equipe.

E, se continuar jogando em alto nível credencia-se a tentar o título mundial em 2022, no Catar. Não será fácil, pois já terá 39 anos, mas seria a forma perfeita de encerrar uma carreira mais que vitoriosa.

Antes disso, porém, precisa definir o futuro. Ele anunciou, no mês passado, que não vai renovar contrato com o PSG, abrindo especulações de que poderia voltar à Juventus ou mesmo ao Barcelona, onde obteve o maior sucesso como jogador.


Quem mais vestiu a Amarelinha

Cafu 142
Roberto Carlos 125
Rivelino 122
Daniel Alves 114


39 TÍTULOS EM 18 ANOS

Nome: Daniel Alves da Silva
Nascimento: 6/5/1983, em Juazeiro (BA)
Altura/Peso: 1,72m/65kg
Pé dominante: Direito


Clubes e títulos

Bahia (2001/2002)
Copa do Nordeste’2002

Sevilla (2002-2008)
Copa da Uefa’2006 e 2007
Supercopa Europeia’2006
Copa do Rei’2007
Supercopa da Espanha’2007

Barcelona (2008–2016)
Liga dos Campeões da UEFA’2009, 2011 e 2015
Mundial de Clubes’2009, 2011 e 2015
Supercopa Europeia’2009, 2011 e 2015
Copa do Rei’2007, 2009, 2012, 2015 e 2016
Espanhol’2009, 2010, 2011, 2013, 2015 e 2016
Supercopa da Espanha’2009, 2010, 2011 e 2013

Juventus-ITA (2016/2017)
Italiano’2017
Copa Italia’2017

Paris Saint-Germain (desde 2017)
Supercopa da França’2017
Francês’2018 e 2019
Copa da França’2018
Copa da Liga Francesa’2018

Seleção Brasileira (convocado desde 2006)
Copa das Confederações’2009 e 2013
Copa América’2007




Publicidade