Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Cobrança de todos os lados

Grupo de associados pede postura mais firme do Conselho Deliberativo do Cruzeiro em meio a denúncias de crimes cometidos pela diretoria


postado em 18/06/2019 04:07

Presidente celeste, Wagner Pires de Sá se recusa a se afastar do cargo, travando queda de braço com Zezé Perrella, líder entre os conselheiros(foto: Ramon Lisboa/EM/D.A Press 26/5/19)
Presidente celeste, Wagner Pires de Sá se recusa a se afastar do cargo, travando queda de braço com Zezé Perrella, líder entre os conselheiros (foto: Ramon Lisboa/EM/D.A Press 26/5/19)


Se a equipe está de folga até segunda-feira, a política do Cruzeiro continua a todo vapor. Enquanto o presidente Wagner Pires de Sá e o presidente do Conselho Deliberativo Zezé Perrella travam queda de braço por meio de notas oficiais, um grupo de conselheiros engrossou o coro por transparência na administração do clube, abalada depois de denúncias de crimes como lavagem de dinheiro, falsificação de documentos e falsidade ideológica.

Intitulado Associação Grandes Cruzeirenses (AGC), o grupo é responsável por organizar eventos no clube. Os associados se manifestaram por meio de nota sobre a crise institucional e cobrou do Conselho Deliberativo posicionamento “honesto, imediato, público e individual” a respeito das práticas administrativas da diretoria, investigada pela Polícia Civil.

De acordo com a AGC, não há “qualquer possibilidade de reversão” do quadro caótico caso não ocorra uma “mudança radical” na gestão do clube. Eles ressaltam que apenas os conselheiros estão em condições de impedir “desastre histórico” no Cruzeiro, pois têm força para cobrar explicações de Wagner Pires de Sá e, em caso de improbidade administrativa comprovada, votar para uma possível saída do cartola.

Apesar dos questionamentos à cúpula celeste, a AGC ressaltou que não pretende se envolver em disputas políticas internas. “Essas afirmações se fazem necessárias para reforçar o nosso pensamento sobre o gravíssimo momento pelo qual o clube passa. Definitivamente, não se trata de crise ou disputa política. Ao contrário, esse caos abominável tem natureza administrativa, financeira e, principalmente (e infelizmente), moral”, diz a nota da organização.

RUSSO Enquanto isso, o zagueiro Murilo está na Rússia para fazer exames médicos e negociar contrato com o Lokomotiv Moscou. O clube russo deve pagar 2,5 milhões de euros (cerca de R$ 11 milhões) pelo jogador, cujos direitos estão 75% em poder da Raposa.


Publicidade