Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Frieza argentina na chegada a BH


postado em 17/06/2019 04:07

A delegação argentina chegou ao hotel na Cidade Jardim às 21h43 e os jogadores, como Messi, não atenderam aos pedidos de autógrafos e fotos dos poucos torcedores que os esperavam(foto: Ramon Lisboa/EM/D.A Press)
A delegação argentina chegou ao hotel na Cidade Jardim às 21h43 e os jogadores, como Messi, não atenderam aos pedidos de autógrafos e fotos dos poucos torcedores que os esperavam (foto: Ramon Lisboa/EM/D.A Press)

 

A pressão sobre a Seleção Argentina, lanterna do Grupo B, afastou qualquer lampejo de simpatia na chegada da delegação a BH, ontem, às 21h43, em um hotel no Bairro Cidade Jardim. Os poucos torcedores que desafiaram o frio e o tempo de espera receberam raríssimos sinais de positivo ou um tchauzinho dos mais discretos. Até um sorriso estava difícil. Nenhum jogador parou para dar autógrafo ou tirar uma foto com seus fãs.


Atleticanos, cruzeirenses e garotos fascinados com futebol internacional e, claro, o Barcelona de Messi, saíram frustrados. João Pedro, de 9 anos, torcedor do São Paulo, jogador do Sub-10 do Cruzeiro, com uma bola debaixo do braço, exibia orgulhoso as assinaturas dos jogadores do Uruguai e do Equador. Cavani, Suárez, Muslera, De Arrascaeta foram acessíveis. Os argentinos, não.


Pedro Melo, de 12, torcedor do Atlético e com a camisa 10 do Barcelona que ganhou de Natal, sonhava com uma foto ao lado do melhor do mundo. “Quero um autógrafo”. Não deu. Já Raphael Ferreira de Souza, de 23, estudante de fisioterapia e cruzeirense, e a namorada Gabriella Queiróz, de 21, maquiadora e atleticana, estavam ansiosos para uma foto com o maior craque argentino, além de Agüero e Dybala. Eles revelaram que, pela primeira vez, irão ao Mineirão juntos: “Como torcemos para times diferentes, nunca vamos. Então, decidimos ver Argentina e Paraguai, quarta-feira, juntos. Estamos ansiosos”, contou Gabriella. “Admiro o futebol, a raça dos argentinos”, destacou Raphael. “Gosto da Argentina, mas quero o Brasil campeão”, emendou Gabriella.


Com esquema forte de segurança, com a entrada do hotel toda separada por gradil, o contato com os argentinos foi somente visual. Os jogadores também não falaram com a imprensa. Hoje, a seleção vai treinar no Independência às 10h30. Mas será um trabalho fechado.


A derrota na estreia da Copa América para a Colômbia, por 2 a 0, no sábado, deixou o clima pesado na Seleção Argentina. A equipe do craque Lionel Messi voltou aos treinos na manhã de ontem em Salvador, com os jogadores em silêncio e em um ambiente de preocupação. O grupo realizou uma atividade no CT do Vitória sob observação de perto da cúpula da Associação Argentina de Futebol (AFA).


Publicidade