Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Depoimento termina no hospital

Najila prestou depoimento e disse que tablet que tinha o vídeo foi roubado de sua casa. Neymar diz que a culpa pelo vazamento das fotos é de assessores


postado em 08/06/2019 04:12

Depois de seis horas de depoimento, Najila saiu da delegacia por volta das 18h carregada pelo seu advogado e foi conduzida a um hospital público(foto: Nelson Almeida/AFP)
Depois de seis horas de depoimento, Najila saiu da delegacia por volta das 18h carregada pelo seu advogado e foi conduzida a um hospital público (foto: Nelson Almeida/AFP)

A modelo Najila Trindade prestou depoimento ontem durante quase seis horas na 6ª Delegacia de Defesa da Mulher, no Bairro Santo Amaro, em São Paulo. A autora de denúncia de estupro e agressão contra o jogador Neymar teve dificuldades para falar, interrompeu as respostas várias vezes e, após passar mal, deixou o local carregada e foi levada ao Hospital Cidade Dutra.

Após não comparecer para depor em outras quatro ocasiões, Najila foi à delegacia pela manhã, onde chegou com quase uma hora de atraso. A modelo chegou por volta das 11h55, trazida por um carro da polícia e cercada de segurança. Ela desceu do veículo com o rosto coberto e foi acompanhada tanto por advogados como por testemunhas, como a empregada doméstica.

Durante o depoimento, Najila demonstrou estar muito emocionada e, em alguns momentos, teve dificuldade para relatar o episódio. A pedido da delegada, Juliana Bussacos, na sala do depoimento estavam presentes somente mulheres, para deixar a possível vítima mais à vontade. Fora a própria modelo, presenciaram a oitiva duas delegadas e uma escrivã.

Entre as questões, Najila teve de responder se havia autorizado a divulgação de suas fotos íntimas e também se elas haviam sido enviadas para mais alguém. No decorrer da conversa, a modelo se queixou do estresse psicológico e disse estar com pressão baixa. Durante a tarde, funcionários da delegacia chegaram a comprar comida em uma padaria próxima para que Najila pudesse se alimentar.

Segundo o Jornal Nacional, da Rede Globo, que teve acesso ao depoimento de Najila, a modelo disse que não poderia entregar o vídeo gravado no quarto do hotel em paris porque o tablet que armazenava o arquivo teria sido roubado da sua casa na quinta-feira. A polícia procurou impressões digitais na porta do apartamento da modelo, mas só foram encontradas a dela e da empregada.

Por volta das 18h, a modelo saiu da delegacia carregada no colo pelo seu advogado, Danilo Garcia de Andrade, e não deu entrevistas. Colocada em um carro da polícia com sirene ligadas, Najila foi conduzida a um hospital público para que pudesse melhorar. O local foi escolhido pelo advogado dela, que tem um amigo médico que trabalha no hospital.0

Culpa dos assessores  No depoimento prestado por Neymar, quinta-feira, no Rio, o jogador afirmou que seus assessores foram os responsáveis por divulgar vídeo no Instagram em que vazaram as fotos íntimas de Najila. Ele disse que gravou a primeira parte do vídeo, em que nega a acusação de estupro e agressão, mas que um assessor e um técnico em informática foram os responsáveis por juntar as mensagens trocadas entre ele e a modelo pelo WhatsApp ao vídeo.

Ele admitiu ter liberado o teor da conversa, mas afirmou que pediu para eles preservarem as partes íntimas da mulher, o que acabou não ocorrendo. O assessor e o técnico serão intimados pela Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática para prestar depoimento.


Publicidade