Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Mil dias de Mano


postado em 23/04/2019 05:20

Mano Menezes comandou o Cruzeiro em 213 jogos até hoje, sendo o quarto treinador que mais dirigiu o time na história(foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press - 23/3/19)
Mano Menezes comandou o Cruzeiro em 213 jogos até hoje, sendo o quarto treinador que mais dirigiu o time na história (foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press - 23/3/19)


Em um dos melhores momentos na carreira, o técnico Mano Menezes completou ontem 1.000 dias ininterruptos no comando do Cruzeiro. Ele deu início à sua segunda passagem pela Toca da Raposa 2 em 26 de julho de 2016 para ajudar o clube a lutar contra o rebaixamento no Campeonato Brasileiro, logrando êxito neste objetivo.

Mas o gaúcho conseguiu muito mais. Desde então, são quatro títulos: duas Copas do Brasil (2017 e 2018) e dois Campeonatos Mineiros (2018 e 2019). Pelo grupo qualificado e em função do trabalho consistente, não seria nenhum exagero sonhar com outros canecos ainda nesta temporada.

Além da importância das conquistas, Mano entrou para a história ao integrar o Top 4 dos treinadores que mais dirigiram o Cruzeiro. Somando as duas passagens (2015 - 2016/2019), já são 213 jogos no clube. Ele é o quarto em número de partidas, atrás de Niginho (247), Levir Culpi (257) e Ilton Chaves (389). No Cruzeiro, Mano contabilizou 16 jogos entre setembro e dezembro de 2015 (8V, 6E e 2D) e 197 desde julho de 2016 (100V, 55E e 42D).

Ainda na gestão do ex-presidente Gilvan de Pinho Tavares, o Cruzeiro acertou o retorno de Mano para ‘apagar incêndio’. À época, o time estava na 18ª posição no Campeonato Brasileiro, com apenas 15 pontos em 15 rodadas (33,33% de aproveitamento), fruto dos maus resultados obtidos pelo antecessor, o português Paulo Bento. Com a mudança de técnico, o clube celeste se recuperou na competição e saltou para o 12º lugar, com 51 pontos, além de atingir as semifinais da Copa do Brasil, sendo eliminado pelo campeão Grêmio.

Em 2017, Mano teve a oportunidade de implantar sua filosofia de trabalho desde o início da temporada. Apegado ao futebol de resultados, especialmente nas competições eliminatórias, ele quebrou jejum particular de oito anos sem títulos de maior expressão ao conquistar a Copa do Brasil de 2017, com uma classificação graças ao gol qualificado como visitante (contra o Palmeiras, nas quartas de final) e duas nos pênaltis (Grêmio, semifinal, e Flamengo, na decisão).

Em 2018, já na gestão Wagner Pires de Sá, o bi consecutivo do torneio nacional veio com duas vitórias sobre o Corinthians na decisão, depois de o time celeste passar por Athletico, Santos e Palmeiras nas fases anteriores. Para ampliar a alegria celeste, o treinador também levou o time ao bicampeonato Mineiro (2018 e 2019), derrotando o maior rival, o Atlético, nas finais.

Internamente, jogadores do Cruzeiro consideram Mano Menezes um técnico disciplinador e exigente no cumprimento de obrigações táticas. “Não é que é o mais bravo. Ele é o mais exigente. Ele gosta de disciplina, gosta que cumpra os horários, dentro de campo o jogador tem que ser disciplinado com ele, não pode fazer bagunça, tem que fazer a formação que ele pede. Com dois anos, já vimos que deu certo. Então, não tem como nós não seguirmos a linha do Mano. Ele é um pouco diferente dos outros, que deixam o time mais solto, deixam o time jogar mais. Mas acho que a gente, sendo campeão, não tem como não seguir a linha do Mano”, afirmou o armador Thiago Neves, em entrevista recente ao canal Fox Sports.


Publicidade