Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Zebra pode virar favorita

Diante do Tottenham, do competente Maurício Pochettino, o Ajax não terá mais a fama de 'franco-atirador'. Passará da condição de pedra à vidraça


postado em 18/04/2019 05:05

(foto: AFP)
(foto: AFP)


>> fredericoteixeira.mg@diariosassociados.com.br

Com direito a muita emoção, os duelos de volta das quartas de final da Liga dos Campeões confirmaram que no futebol atual já não há mais favoritos como antes. Que o digam Juventus e Manchester City. Apontados desde o início do torneio como candidatos ao título, caíram diante de Ajax e Tottenham, respectivamente, que farão uma das (até outro dia improváveis) semifinais. E não temo em cravar que uma ‘ex-zebra’ pode sonhar mais alto.

É claro que não se pode menosprezar o fator Messi, que carrega o Barcelona nas costas e praticamente já cravou a conquista de sua sexta Bola de Ouro, mas o Ajax é a equipe que tem apresentado melhor futebol. E usando o modelo que já garantiu ao clube quatro ‘orelhudas’, três com a geração de Cruyff nos anos 1970 e uma na temporada 1994/1995, com Seedorf, Rijkaard, Davids, Kluivert...

Se não fugiu à filosofia do “futebol total”, o técnico Erik Ten Hag adota um estilo de jogo ofensivo, com posse de bola, mas ritmo extremamente veloz, e ainda tem a ousadia de pressionar os adversários em seu campo. Não à toa, o Ajax é o time com mais gols em toda a Europa na temporada: 155. Com receitas bem mais modestas, o modelo para o sucesso é a mesmo dos anos vitoriosos: apostar num time formado em boa parte na própria base (De Jong, De Ligt, Van de Beek, De Wit...), contratar jovens promissores, como o brasuca David Neres, e mesclar com alguns veteranos, como o dinamarquês Schone e o sérvio Tadic.

O único senão é que na semifinal a situação mudará um pouco de figura. Diante do Tottenham, do competente técnico Maurício Pochettino, o Ajax não terá mais a fama de franco-atirador. Passará da condição de pedra à vidraça. E é bom estar preparado, pois os Spurs já provaram que não são reféns de Harry Kane. Na outra semifinal, o Liverpool é mais time. Mas como o Barça tem Messi, aposto nos espanhóis.

Enxugar as lágrimas

Ainda tentando digerir a eliminação na Liga dos Campeões, a Juventus pode confirmar no sábado – com cinco rodadas de antecipação – o inédito octacampeonato italiano em caso de vitória sobre a Fiorentina. Cristiano Ronaldo, que num desabafo teria dito “não fazer milagres”, já se impõe um novo desafio: conquistar também a artilharia do torneio. Com 19 gols, está três atrás do veterano Quagliarella, da Sampdoria. O detalhe é que o lusitano foi poupado de várias rodadas do Italiano.

Reagir já
Eliminado da Champions pelo Tottenham num jogo alucinante, o Manchester City terá pouco tempo para se recompor. No sábado, encara os Spurs novamente, agora pelo Inglês. Depois, na quarta-feira, terá pela frente nada menos do que o clássico com o Manchester United. Enquanto isso, o Liverpool, outro candidato ao título da Premier League, terá adversários bem mais modestos: Cardiff e Huddersfield. Mais dor de cabeça à vista para Guardiola

Pra pegar fogo
O dia hoje promete na definição dos semifinalistas da Liga Europa, com destaque para Napoli x Arsenal. Na ida, os ingleses venceram por 2 a 0. Outro candidato ao título, o Chelsea recebe o Slavia Praga, com a vantagem de ter feito 1 a 0 no primeiro confronto. Nos demais duelos, as vagas estão bem encaminhadas: Valencia (fez 3 a 1 no Villarrreal) e Benfica (4 a 2 no Eintracht Frankfurt). As semifinais serão disputadas nos dias 2 e 9 de maio.

De novo
Ainda não foi desta vez que o PSG confirmou o título francês: foi batido pelo Nantes por 3 a 2, em duelo adiado da 28ª rodada. Se a taça é questão de tempo, as últimas derrotas (incluindo o 5 a 1 para o Lille) mostram os limites do elenco de Thomas Tuchel. Com as principais estrelas vetadas (Neymar, Mbappé, Cavani, Di María, Marquinhos e Thiago Silva), os reservas tropeçaram em sua fragilidade. Domingo, a nova chance é contra o arquirrival Monaco, que ocupa apenas a 16ª colocação. Neymar, enfim, deve ser relacionado. Agora vai?

Duelo apimentado
Tigres e Monterrey fazem na terça-feira a primeira partida da decisão da Liga dos Campeões da Concacaf, que determinará o representante do continente no Mundial de Clubes. E como a aposta das equipes é na ofensividade, a promessa é de um jogo de muitos gols. O duelo de volta está marcado para 1º de maio. Vivendo bom momento, os finalistas lutam também pelo título mexicano: com 32 pontos, o Tigres é o 2º colocado; com 26, o Monterrey é o terceiro. A liderança, curiosamente, é do modesto León, que nem sequer se classificou para a atual edição da Liga.

 

 

DE OLHO
Tim Weah

O norte-americano Tim Weah (foto), de 19 anos, carrega o peso do sobrenome – é filho do liberiano George Weah, Bola de Ouro da Fifa em 1995. Destro e de bom porte físico (1,85m), também pode atuar como extremo pelos dois lados. Depois de começar no modesto BW Gottschee, aos 13 anos se transferiu para o New York Red Bulls. Logo chamou a atenção do PSG, que o contratou em 2014, com a intenção de repetir o sucesso do pai nos gramados franceses. Em 2018, chegou a fazer seis partidas pela equipe principal (dois gols), mas, sem espaço, acabou emprestado em janeiro deste ano ao Celtic, da Escócia (em 11 partidas, fez três gols). Na seleção dos EUA desde o Sub-15, já estreou também pela principal, tendo, inclusive, enfrentado o Brasil em amistoso no ano passado.


Publicidade