Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas

Clássico revigorante

A vitória do Atlético sobre o América garantiu a liderança do Mineiro ao alvinegro e a artilharia ao jovem Alerrandro. Mas a atuação das equipes em jogo tão equilibrado foi importante para dar confiança aos dois grupos


postado em 18/03/2019 05:11

Réver abriu o placar para o Atlético e Alerrandro marcou os outros dois gols, sendo o terceiro aos 45min do segundo tempo(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)
Réver abriu o placar para o Atlético e Alerrandro marcou os outros dois gols, sendo o terceiro aos 45min do segundo tempo (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)

 

A grande comemoração dos atleticanos mostrou a importância da vitória sobre o América por 3 a 2, com gol nos acréscimos, ontem, no Mineirão. O resultado não só garantiu ao Galo a melhor campanha na primeira fase do Campeonato Mineiro como também ajuda a afastar a desconfiança depois de duas derrotas em dois jogos pelo Grupo E da Copa Libertadores. Já o Coelho, que fez bom jogo, apesar da derrota, tentará recuperar o segundo lugar, perdido para o Cruzeiro, diante do Guarani, quarta-feira, no Independência, precisando não só vencer, mas torcer pelo tropeço do rival.


“Foi meu primeiro clássico, o primeiro como titular, o primeiro no Mineirão. É um sonho realizado, ainda mais com torcida lotando o estádio e eu fazendo dois gols. Agora é comemorar com minha família e meus companheiros”, disse o atacante Alerrandro, que substituiu Ricardo Oliveira, gripado, acabou como herói da tarde e assumiu a artilharia do campeonato, com sete gols.


Emocionado, ele foi comemorar com os torcedores, ao lado de outro estreante em clássicos, o lateral-direito Guga. E espera continuar tendo chances de mostrar o faro de artilheiro. “Todo mundo sabe que o goleador do time é o Ricardo Oliveira. Eu quero é estar preparado para quando as chances surgirem. Felizmente fiz dois gols e consegui ajudar o time a sair com a vitória.”


Realmente ele foi de grande ajuda em uma partida muito complicada. O América esteve mais consciente durante o primeiro tempo, ainda que o Atlético tenha sido mais objetivo e aberto o placar aos 27min, com Réver, depois de cobrança de escanteio. Também em escanteio o time americano empatou aos 38min, com Felipe Azevedo, depois de Diego Jussani disputar de cabeça.


O jogo continuou igual até que Matheusinho deu carrinho violento em Cazares, aos 13min da etapa final, e foi corretamente expulso. Cinco minutos depois brilhou a estrela alvinegra, pois mesmo com Fábio Santos errando chute, a bola sobrou para Luan na área e ele só rolou para Alerrandro tocar para a rede.


A vantagem durou pouco, pois três minutos depois Paulão completou de cabeça falta na direita cobrada por Marcelo Toscano e empatou para o Coelho. O mesmo zagueiro quase vira aos 37min, em jogada muito parecida. No minuto seguinte, foi a vez de Fábio Santos desperdiçar ao tentar pegar de primeira na pequena área.


Já aos 44min, Chará conseguiu finalizar, a bola bateu em Paulão e na trave antes de sair. No minuto seguinte saiu o gol da vitória. Depois de finalizações de Chará e Luan, com boas defesas de Fernando Leal e ainda bola na trave, a bola sobrou para Leonardo Silva, que bateu cruzado, achando o camisa 44, que só empurrou para a rede, provocando explosão na arquibancada e também no gramado.


“Joguei cheio de dor no púbis, um desgaste físico enorme. Tomei injeções para estar em campo e ajudar os companheiros. É um resultado para espantar a má fase. Temos de melhorar o sistema defensivo, o meio-campo e o ataque. E o resultado é bom para isso”, diz o armador Luan, um dos melhores em campo e que participou dos três gols alvinegros, além de ter acertado a trave em duas oportunidades e ter um gol anulado.

LAMENTAÇÕES

Pelo lado americano, a tristeza era total. Afinal, o time mostrou brio, conseguiu empatar mesmo com um jogador a menos, mas acabou castigado pelo gol nos acréscimos.


“É uma derrota complicada. Acho que o árbitro foi muito rigoroso na expulsão do Matheusinho, mas faz parte. Além disso, a gente sabia que o jogo aéreo deles era forte, mas, mesmo assim, tomamos dois gols dessa forma. Agora é ter tranquilidade, pois fizemos uma grande partida. Não saímos com o resultado que gostaríamos, mas mostramos a cara do América”, afirmou o zagueiro Paulão.


Também ontem, só que pela manhã, a Caldense venceu o Tupynambás por 3 a 0, em Poços de Caldas. Assim, não só se livrou da ameaça de rebaixamento como garantiu vaga nas quartas de final do Estadual.


Publicidade